José Cândido de Carvalho

jose-candido-de-carvalhoJosé Cândido de Carvalho nasceu no dia 6 outubro de 1883 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Francisco Alves Madeira e de Izabel Fausta de Carvalho.
Os seus avós maternos se chamavam José Gomes da Silva e Maria Nazareth de Albuquerque.
Segundo informações existentes no livro B-01, pertencente ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 1, folha 140, no dia 15 de março de 1903, com apenas 20 anos de idade, contraiu matrimônio com Maria Emília Araújo de Carvalho, que nasceu em 1883, sendo filha de Manoel Duarte de Araújo e de Maria Amélia de Araújo.
Desse matrimônio foram gerados dezessete filhos, mas destes apenas nove chegaram a idade adulta, oito mulheres e um homem, sendo eles: Francisca Amélia Carvalho de Barros Leal, Enedina de Carvalho, Edite Carvalho Câmara, Izaura de Carvalho, Adelide de Carvalho, Luíza de Carvalho, Nilda Carvalho Mota, Suzete Carvalho Mateus e José Cândido de Carvalho Filho.
Mais tarde, no dia 3 de maio de 1908, deu início a sua longa e brilhante vida pública estando filiado nos quadros políticos do PRC, o Partido Republicano Cearense, quando resolveu concorrer por uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores na legislatura que se estendeu até 1913, onde foi escolhido como presidente da mesa diretora.

“Idealizado pelo Senador Pinheiro Machado, do Rio Grande do Sul, é condestável da República, foi criado no Rio de Janeiro, sob a presidência de Quintino Bocaiuva, o Partido Republicano Conservador. Todos os Estados receberam orientação no sentido de que o Partido fosse fundado no Estado para defesa dos presidentes e das situações dominantes.” (MOTA, 1999: p. 121)

Na eleição municipal seguinte, compondo a bancada do mesmo partido, buscando a sua reeleição, foi reconduzido a um novo mandato, que se estendeu de 1913 a 1916, oportunidade em que assumiu a vice-presidência da mesa diretora da Câmara.
Nessa legislatura, no dia 11 de outubro de 1914, foi conduzido à intendência municipal, assumindo o lugar de Salviano de Sousa Leitão e investindo esforços para que o Município de Boa Viagem superasse a terrível estiagem que ficou conhecida pela alcunha de “Seca de 1915”.
Pouco tempo depois, no dia 7 de maio de 1916, dessa vez compondo a bancada do PRCC, o Partido Republicano Conservador Cearense, assumiu um novo desafio, quando depois de eleito para um terceiro mandato no Poder Legislativo aceitou a responsabilidade pela intendência municipal, onde permaneceu dos últimos meses de 1916 até 1920.

“Os prefeitos seriam eleitos diretamente pelos eleitores com mandato de dois anos, e os vereadores com quatro. O da capital continuaria sendo nomeado pelo presidente. As câmaras do interior compunha-se de nove e o da capital eram doze, não havendo vice-prefeito.” (MOTA, 1999: p. 209)

Em sua gestão, por suas custas, concluiu a edificação do Mercado Público Municipal, um sonho antigo da população boa-viagense, que depois de muito tempo lhe foi ressarcido pelo Governo do Estado em módicas prestações sem juros.
Nessa mesma época, segundo as informações contidas no relatório do Recenseamento dos Estabelecimentos Rurais do Estado do Ceará, documento que foi publicado no dia 1º de setembro de 1920 pelo Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria, página 35, era agropecuarista e a sua propriedade era localizada em um local denominado de “Boa Esperança”.

Imagem da família Carvalho em um dia de passeio.

Imagem da família Carvalho em um dia de passeio.

Antes disso, no dia 11 de fevereiro de 1920, por telégrafo, preocupado com a penúria e a miséria do povo, solicitou do Governo Federal o estudo de ampliação da rede ferroviária que partiria do Município de Quixeramobim, passaria pela cidade de Boa Viagem, Tamboril e seguiria até o Município de Crateús, deixando pelo caminho fortes perspectivas de progresso em nossa região.
Alguns dias depois, conforme informações obtidas no livro de registro das correspondências da Prefeitura de Boa Viagem, dessa vez dirigindo-se ao Governo do Estado e a outras autoridades, solicitou urgentemente recursos para organização das frentes de trabalho para abertura da rodovia carroçável que durante anos ligou o Município de Boa Viagem ao de Quixeramobim:

“Cumprindo um dever de humanidade, para com os nossos infelizes irmãos assolados pela impiedosa seca, tenho a súbita honra de dar-vos por cópia o telegrama que os habitantes esta vila transmitiram a suas excelências, presidente da república, ministro da viação e deputados, Dr. Justiniano de Serpa, Coronel Ildefonso Albano, Marechal Osório de Paiva e Coronel Vicente Sabóia, no sentido dos mesmos conseguirem trabalhos para milhares de flagelados, que açoitados pela seca, estão morrendo de fome e na mais completa nudez. É desesperador o quadro de miséria em que se acham os meus munícipes flagelados. Em nome destes mesmos flagelados apelo para os sentimentos nobres de vossa excelência intervir perante os poderes competentes a quem os referidos habitantes desta vila dirigiram-se para conseguir trabalho urgente, em benefício dessa terra cearense.”

Das solicitações encaminhadas aos governos a única respondida positivamente foi feita pelo Dr. João Tomé de Sabóia e Silva, na época governador do Estado do Ceará, que disponibilizou meios para minimizar os efeitos da estiagem sobre a nossa população.
Depois disso, sendo reconhecido pelos eleitores por exercer um bom mandato na intendência municipal, conseguiu ser eleito prefeito do Município de Boa Viagem para o exercício de uma nova gestão, que ocorreu entre 1925 e 1926, quando foi eleito Luís Ximenes de Aragão.
No dia 17 de janeiro de 1927, juntamente com a sua família, partilhou do sofrimento da inesperada morte de seu genro, o comerciante José Leorne Leitão, ficando a partir desse triste fato como responsável pela manutenção de seus dois netos, Mirtes de Carvalho Leitão e Flávio de Carvalho Leitão.
Pouco tempo depois, desejando dar uma melhor oportunidade de educação e assistência médica para os seus filhos, decidiu mudar-se para cidade de Fortaleza, onde passou a ser comerciante do ramo de confecções:

“Meu pai adquiriu uma casa comercial em Fortaleza, na Rua Floriano Peixoto, esquina ao lado da antiga Biblioteca Pública. Na mesma rua, na outra esquina do quarteirão, dando para a Praça do Ferreira, estavam o ‘Café Baturité’ e o ‘Café Globo’.” (CARVALHO FILHO, 2008: p. 20)

Essa casa comercial, de nome Bon Marché, estava localizada em uma área estratégica do Centro da capital e comercializava roupas importadas da França e da Inglaterra, algo que não lhe era familiar.
Antes disso, deu total apoio ao projeto de seu cunhado, Manoel Araújo Marinho, em chegar à chefia do Poder Executivo, até que, enfrentado duros anos de seca, queda na safra agrícola, diminuição dos rebanhos e constante êxodo rural, no dia 20 de maio de 1931, início da época classificada na história do Brasil como a “Era Vargas”, o Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, interventor do Estado do Ceará, decretou a extinção do Município de Boa Viagem:

“O interventor federal do Estado do Ceará, Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, considerando que a atual organização municipal deve ser modificada por não atender ao interesse público; Considerando que, para a constituição de qualquer Município, se torna necessária uma população nunca menor de quinze mil habitantes, uma renda anual não inferior a trinta contos de reis e outros fatores de valor; Considerando que muitos dos atuais Municípios não preenchem esses requisitos, sendo meras expressões territoriais, sem vida própria. Considerando que, dest’art, para proporcionar aos Municípios uma existência normal, se impõe a supressão de alguns deles, decreta: Art. 1º – O território do Estado divide-se, administrativamente; em 51 Municípios e estes em Distritos. Art. 4º – Ficam extintos os seguintes Municípios:…. Campos Sales, Conceição do Cariry, Santa Cruz, Várzea Alegre…. Boa Viagem que passará respectivamente a fazer parte do Município de Quixeramobim…” (MOTA, 1989: p. 38-39)

Considerado por muitos como introvertido e sem nenhuma experiência nesse ramo comercial, não logrou êxito em seu empreendimento e o seu tão sonhado desejo de morar na capital logo chegou ao fim, amargando enormes prejuízos econômicos.
Na cidade de Boa Viagem, mesmo residindo por um curto período na cidade de Fortaleza, conciliou a sua militância política com as atividades de tabelião, comerciante e agropecuarista, residindo e comercializando na Rua Agronomando Rangel, nº 345, esquina com à Rua José Leal de Oliveira, Centro.

Comercial J. Cândido por volta de 1950.

Imagem do Comercial J. Cândido por volta de 1950.

Pouco tempo depois desses fatos, após anos em ocaso político, graças a sólida amizade de Francisco Rangel de Araújo, um dos sobrinhos de sua esposa, com o interventor do Estado, o Dr. Francisco de Menezes Pimentel, através da lei estadual nº 260, de 28 de dezembro de 1936, o Município de Boa Viagem conseguiu restaurar a sua autonomia política e o seu cunhado, José Rangel de Araújo, conseguiu ser indicado como interventor do Município.
Nesse período, ainda por conta das transformações políticas ocasionadas pela Revolução de 1930, às Câmaras Municipais foram extintas e os prefeitos eram nomeados pelo Governo do Estado como interventores.
No dia 27 de maio de 1940, juntamente com os seus familiares, partilhou da notícia do falecimento de sua mãe, que veio a óbito aos 75 anos de idade.
Mais tarde, depois da abertura política, na eleição municipal que ocorreu no dia 7 de dezembro de 1947, militando nos quadros políticos do PSD, o Partido Social Democrático, conseguiu ser eleito para o exercício de seu quarto mandato, assumindo essa função no dia 25 de março de 1948, permanecendo nela até o dia 24 de março de 1951.
Poucos meses antes da conclusão desse mandato, na eleição municipal que ocorreu no 3 de outubro de 1950, ainda compondo a bancada do PSD, desejando seguir para o seu quinto mandato no Poder Legislativo, conheceu a sua primeira derrota nas urnas quando ficou na segunda suplência de seu partido depois de receber a confiança de apenas 90 eleitores.
Nos primeiros dias de 1952, depois de alguns meses de arrecadação para ereção de um busto em homenagem ao Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima, juntamente com outras pessoas, sendo elas: O Pe. Francisco Clineu Ferreira (presidente e orador); Antenor Gomes de Barros Leal (vice-presidente e tesoureiro); José de Queiroz Sampaio (1º secretário); Ernesto Ferreira de Souza (2º secretário); Cristóvam de Queiroz Sampaio (3º secretário); José Edmar Bezerra Costa e Manoel Araújo Marinho (conselho de honra e consultivo), entregou esse equipamento aos moradores da cidade de Boa Viagem:

“No dia 1º de janeiro de 1952, realizou-se em Boa Viagem a inauguração, na Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima, de um busto de bronze desse piedoso e santo sacerdote, que foi vigário dessa paróquia por muitos anos. A homenagem ao venerado apóstolo que tão santamente guiou o seu povo nesta terra de paz e copiosas bênçãos, teve a cooperação de todos os boa-viagenses.” (BARROS LEAL, 1996: p. 148)

Ainda nessa legislatura, de forma inesperada, assumiu uma das cadeiras do Poder Legislativo depois do assassinato do Vereador Antônio de Queiroz Marinho, que era sobrinho de sua esposa, acontecido na manhã do dia 5 de agosto de 1954, assumindo essa função nos primeiros meses de 1955 e retirando-se definitivamente da vida pública depois da conclusão desse mandato.
Depois disso, já em avançada idade, às lembranças do passado assombravam a sua mente por conta dos traumas e das decepções comerciais sofridas:

“Depois de atingido pela quebra violenta e imprevisível, jamais voltou à condição comercial anterior. Isso atingiu tão profundamente que, quase quarenta anos após, estando na companhia da minha mãe em visita à minha família em Ilhéus, na Bahia, revelou já um principio de arteriosclerose, ao pretender apressar a sua volta ao Ceará, porque precisava receber um gado que estava sendo transportado de Senador Pompeu para Boa Viagem. Percebi que ele não estava bem de saúde. A verdade é que consumado aquele fracasso de 1926, que o levara a uma crise sentimental, foi obrigado a interromper os estudos de suas filhas. Depois disso, voltou à sua loja de Boa Viagem, com algumas dívidas e sem fôlego para reativar o seu comércio.” (CARVALHO FILHO, 2008: p. 24)

Pouco tempo depois, segundo informações existentes no livro C-10, pertencente ao Cartório Geraldina, tombo nº 3.655, folha 20, faleceu em sua residência, na cidade de Boa Viagem, no dia 13 de outubro de 1963, aos 80 anos de idade, vítima de sincope cardíaca, que foi atestada pelo Dr. Solon Ximenes de Araújo.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, no Centro da cidade de Boa Viagem.

BIBLIOGRAFIA:

  1. CARVALHO FILHO, José Cândido. Boa Viagem da Minha Infância. São Paulo: Thesauros/Itiquira, 2008.
  2. MOTA, José Aroldo Cavalcante. História Política do Ceará (1930-1945). Fortaleza: Stylus Comunicações, 1989.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, através da lei nº 139, de 12 de março de 1970, a rua que divide os Bairros Ponte Nova e Vila Azul, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.

42 ideias sobre “José Cândido de Carvalho

  1. Pingback: Rua Coronel José Cândido de Carvalho | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Administração de 1924 – 1927 | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Administração de 1948 – 1951 | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Administração de 1951 – 1955 | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Manoel Araújo Marinho | História de Boa Viagem

  6. Pingback: Rua Adelide de Carvalho | História de Boa Viagem

  7. Pingback: Rua Edite Carvalho Câmara | História de Boa Viagem

  8. Pingback: Rua Enedina de Carvalho | História de Boa Viagem

  9. Pingback: Antenor Gomes de Barros Leal | História de Boa Viagem

  10. Pingback: Praça Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  11. Pingback: José Leal de Oliveira | História de Boa Viagem

  12. Pingback: Enedina de Carvalho | História de Boa Viagem

  13. Pingback: OUTUBRO | História de Boa Viagem

  14. Pingback: Edite Carvalho Câmara | História de Boa Viagem

  15. Pingback: Adelide Carvalho | História de Boa Viagem

  16. Pingback: Administração de 1910 – 1913 | História de Boa Viagem

  17. Pingback: Administração de 1913 – 1916 | História de Boa Viagem

  18. Pingback: Administração de 1916 – 1919 | História de Boa Viagem

  19. Pingback: José Leorne Leitão | História de Boa Viagem

  20. Pingback: POTENCIALIDADE VIÁRIA | História de Boa Viagem

  21. Pingback: Mercado Público Municipal Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  22. Pingback: Aluísio Ximenes de Aragão | História de Boa Viagem

  23. Pingback: Açude da Comissão | História de Boa Viagem

  24. Pingback: Luiz Araújo | História de Boa Viagem

  25. Pingback: Salviano de Sousa Leitão | História de Boa Viagem

  26. Pingback: BIOGRAFIAS | História de Boa Viagem

  27. Pingback: Ataciso Cavalcante Mota | História de Boa Viagem

  28. Pingback: José Cândido de Carvalho Filho | História de Boa Viagem

  29. Pingback: Maria Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  30. Pingback: Açude Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  31. Pingback: Manoel Mateus Sobrinho | História de Boa Viagem

  32. Pingback: Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  33. Pingback: Júlia Alves Facundo | História de Boa Viagem

  34. Pingback: Pedro Facundo Carneiro | História de Boa Viagem

  35. Pingback: Francisco de Assis Alves Facundo | História de Boa Viagem

  36. Pingback: Raimunda Facundo de Sales | História de Boa Viagem

  37. Pingback: Ozeas Alves Facundo | História de Boa Viagem

  38. Pingback: Francisco Deoclécio Ramalho | História de Boa Viagem

  39. Pingback: Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem | História de Boa Viagem

  40. Pingback: Deoclécio Leite de Macêdo | História de Boa Viagem

  41. Pingback: Pe. Francisco Clineu Ferreira | História de Boa Viagem

  42. Pingback: Cristóvam de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta