Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O edifício que abriga o plenário da Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem está localizado na Rua Antônio Domingues Álvares, nº 320, no Centro da cidade de Boa Viagem, no Município de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Imagem da Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem, em 2016.

A Câmara Municipal de Vereadores é o local da administração do Poder Legislativo do Município de Boa Viagem, nela os representantes eleitos pelo povo, segundo o artigo 23 da Lei Orgânica do Município, se reúnem semanalmente em assembleia para decidir os rumos do Município:

“A Câmara Municipal tem sede na cidade de Boa Viagem e recinto normal de seus trabalhos no Edifício situado à Rua Antônio Domingues Álvares, nº 320, Centro, para este fim destinado, considerando-se nulos os realizados fora dele.”

Em casos excepcionais, com autorização de sua mesa diretora e decisão da maioria absoluta de seus membros, essas reuniões podem ocorrer em outro recinto.

A BASE LEGAL DE SUA NOMENCLATURA:

Na gestão da Vereadora Maria Alzira Lima Vieira, por meio do Decreto Legislativo nº 1, do dia 19 de julho de 2013, o edifício que abriga a sede do Poder Legislativo de Boa Viagem recebeu a nomenclatura do Vereador Raimundo de Oliveira Mota.

A HISTÓRIA DE SUA CONSTRUÇÃO E DA SUA EVOLUÇÃO POLÍTICA:

Para que o Município de Boa Viagem viesse a ter a sua autonomia política fazia-se necessário aos seus moradores cumprir as formalidades da lei provincial nº 1.128, do dia 21 de novembro de 1864, que exigiam a existência na vila de equipamentos públicos para abrigar o seu órgão administrativo e de segurança:

“Art. 4º – A Villa será inaugurada quando tiver Casa de Câmara e Cadeia.”

Embora poucos saibam, para que esse edifício viesse a existir, ocorreram diversos episódios, muitos deles recheados de curiosidades.

  • A Primeira Doação:

No dia 8 de junho de 1875, por meio de um ofício emitido pela Câmara de Vereadores, temos o conhecimento da doação de um imóvel que foi feito pela Srª Francisca Umbelina de Magalhães, como também de uma soma em dinheiro que ficou no testamento da Srª Ana Gonçalves Leal, esposa do Cel. Vitoriano Rodrigues Pires, proprietário da Fazenda Almas, para construção de um local apropriado para receber os serviços da Câmara e da Cadeia municipal.
Alguns anos mais tarde, por meio de outro ofício, emitido no dia 7 de janeiro de 1885, nos dão conta que essa doação, ocorrida no dia 24 de janeiro de 1865, ao que nos parece, não chegou a ser concretizada por conta de seu inesperado falecimento e do imbróglio gerado posteriormente entre os seus herdeiros, que incluíram essa casa na partilha de sua herança:

“Em 1865, Dona Francisca Umbelina de Magalhães doara à Câmara que fora criada… na quadra da Matriz, construída de tijolo e cal, com quatro portas de frente, para nele funcionar a dita Câmara. Finando-se a doadora procedeu-se o inventário da partilha de seus bens, os quais, em número de oito, venderam as suas partes ao cidadão Delfino Alves Pinheiro e Lima.”

Sem os recursos necessários para construção de uma casa para abrigar a Câmara Municipal, com muita dificuldade o Município conseguiu cumprir as imposições dessa lei.

  • A Segunda Doação:

Segundo informações existentes em um ofício emitido no dia 1º de junho de 1873, a Câmara de Boa Viagem notificou ao Presidente da Província do Ceará, o Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel, que em 1869 o cidadão José Duarte de Araújo fez uma importante doação ao patrimônio do Município, onde inicialmente foi instalada a Cadeia e posteriormente a própria Câmara:

“A Câmara Municipal d’esta villa, em observância das ordens d’essa Presidência, contida em offícios circulares nº 8 e 9, de 12 de abril findo, informam a vossa excelência o seguinte: 1º O cidadão José Duarte de Araújo e a sua mulher fizeram donactivo d’uma casa que possuíam n’esta villa para servir a mesma de cadeia, isto no ano de 1869, quando foi inaugurada esta villa. Deu-se o facto de ter cahido este prédio em consequência das estações invernosas n’estes últimos tempos, convindo a declarar vossa excelência… se acha essa villa sem um prédio que sirva para cadeia, isto por que os habitantes que os possui não querem allugar. Clama portanto esta Câmara a maior attenção de vossa excelência a fim d’que o corpo legislativo em sua próxima reunião vote uma quantia afim de que se compre um prédio ou mesmo se edifique, contanto que tenha os precisos compartimentos para tal fim…”

Ao que nos parece, esse pequeno local, que dentro de pouco tempo e por conta das intempéries do clima teve de ser reformado, inicialmente serviu como Cadeia e posteriormente teve outras utilidades.
Pouco tempo depois de sua emancipação política, no dia 13 de agosto de 1874, sob à presidência do Vereador Vicente Alves da Costa, um episódio incomum ficou registrado nos anais de sua história política naquilo que consideramos ser o primeiro escândalo de nosso Poder Legislativo:

“Nessa data, o escrivão da Câmara, Delfino Alves Pinheiro e Lima, solicitou demissão de sua função por conta de sua mudança de domicílio e os vereadores prontamente propuseram a sua substituição. Na ocasião, o Vereador Joaquim Marinho Falcão indicou o nome de José Targino da Silveira, que era seu genro e cunhado de outro vereador, algo que não era permitido, fazendo com que o presidente da mesa [Vereador Vicente Alves da Costa] alertasse aos seus pares da possível improbidade administrativa. Insatisfeito com a recusa de sua proposta, o ignorante edil o fez inúmeros insultos, fazendo com que imediatamente interrompesse a sessão, propondo a sua reabertura em outra data. Depois dessa decisão, foi literalmente posto para fora da Câmara e os seus trabalhos foram reiniciados e conduzidos pelo vereador interessado na causa.” (SILVA JÚNIOR, 2015: Vicente Alves da Costa. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/vicente-alves-da-costa/. Acesso no dia 26 de julho de 2017)

Alguns anos depois desse episódio, nos primeiros meses de 1877, segundo informações extraídas de um ofício que foi emitido pela Câmara Municipal do dia 5 de maio de 1893, por conta de uma grave seca, a Comissão de Socorros e Serviços Públicos investiu na construção de um prédio de tijolos que servisse de Cadeia, porém o dinheiro aplicado nesse projeto não foi o suficiente para sua conclusão, deixando essa construção com as suas paredes praticamente erguidas.
Nessa época, a Câmara Municipal funcionava em um local alugado e durante os anos de 1878 e 1879, por conta da seca, ficou com os seus trabalhos completamente paralisados.

  • A Construção:

Ainda nesse período, sendo beneficiado pela lei Pompeu-Sinimbú, a Comissão de Socorros e Serviços Públicos do Município de Boa Viagem investiu a mão-de-obra dos desvalidos para sua construção, que foi divida em duas etapas, tendo a primeira delas deixado as suas paredes na altura de dois metros:

“Esse projeto pretendeu corrigir o desequilíbrio econômico entre o Norte e o Sul a partir da proposta de aproveitar a força de trabalho disponível durante as secas para realizar obras públicas, haja vista que elas significavam progresso material. Para tornar exequível essa proposta foi necessária elaborar uma política de socorros públicos, caracterizada por uma estrutura de assistência aos desvalidos que fosse centralizada em Fortaleza, capital do Ceará. Essa política de socorros evoluiu junto com o projeto de progresso, posto que ambos estavam interligados.” (FREITAS SOUZA, 2015: p. 179)

Mais tarde, por volta de 1895, depois das turbulências políticas ocasionadas pela Proclamação da República, ocorrida no dia 15 de novembro de 1899, o Governo Municipal resolveu retomar ao seu projeto inicial, que foi comandado em seus serviços por Bento Diniz Moreira, um artífice contratado para executar o serviço.

Casa de Câmara e Cadeia do Município de Boa Viagem.

Imagem da Casa de Câmara e Cadeia Pública do Município de Boa Viagem por volta de 1947.

Nesse meio tempo, a Câmara de Vereadores e posteriormente a Intendência Municipal, como também a Cadeia Pública, todas funcionavam em locais alugados, que foram previamente adaptados para os seus fins.
Antes disso, no dia 1º de julho de 1883, por meio de uma nota publicada no periódico O Libertador, ano 3, nº 162, publicada no dia 28 de julho, nem suas dependências ocorreram a fundação de uma sociedade filantrópica abolicionista denominada de Sociedade Libertadora de Boa Viagem, que congregava aqueles que queriam por fim à escravidão, conforme o registro a seguir:

“Era impossível que o Município de Boa Viagem continuasse por mais tempo estacionário, sem receber um impulso do magno e generoso movimento libertador que se desenvolve, estendendo-se por todos os ângulos da Província. Omnia tempus habent. Era pois chegada também a vez de Boa Viagem tomar um lugar, embora dos últimos, no grande festim da liberdade. No dia 1º de Julho, reunidos no salão da municipalidade, diversos cavalheiros dos mais prestantes da localidade, a convite do Revmo. Vigário da freguesia, e presente grande número de senhoras, instalou-se uma sociedade denominada Libertadora de Boa Viagem, cujo fim será promover, por todos os meios legítimos, a libertação do Município… O presidente declarou instalada a sociedade, apresentando 17 cartas de liberdade, todas oferecidas espontaneamente, dos quais 7 foram oferecidas pelo Capitão Antônio Sabino de Araújo, sendo declarados libertos os seus últimos escravos: Maria, Maria, Magdalena, Anna e Francisca; 2 por parte de sua digna mãe, D. Maria Sabina da Conceição, concedendo liberdade aos seus dois últimos escravos: João e Luíza; e 1 por parte de sua irmã, D. Maria de Jesus Araújo, a sua única escrava, Raymunda; 3 oferecidos pelo prestante cidadão Joaquim Cavalcante Bezerra, libertando as suas escravas: Benedicta, Galdina e Agueda; 2 pelo Capitão Vicente Alves da Costa, concedendo liberdade aos seus dois escravos: Caetano e Nicácio; 1 pelo cidadão José Rabêlo e Silva, libertando a sua escrava Maria; 1 pela digna professora pública dessa vila, D. Joaquina Beleza de Macêdo Nogueira, libertando a sua única escrava,  Joana; 1 oferecido pelo cidadão João Lobo dos Santos, dando liberdade a sua escrava Alexandrina e finalmente 1 oferecido pelo cidadão Manoel Mendes Machado. São poucos os escravos que restam no Município, talvez não excedam a 40. Mas a sociedade não conta com bastantes recursos para acelerar, como desejara, a sua completa extinção. Entretanto, convencidos como já devem estar os senhores de que improficua será a resistência que por ventura poderão opor, serão levados a libertar voluntariamente os poucos que ainda restam. E prazam a Deus que se realizem as aspirações do digno presidente da Libertadora de Boa Viagem, isto é, que brevemente possamos dizer por nossa vez a Província: não há mais senhores e nem escravos no Município de Boa Viagem.”

Nessa época, antes da Proclamação da República, não havia no Brasil a divisão dos poderes como conhecemos hoje, cabendo a esse órgão legislativo a execução das atribuições que são pertinentes ao Poder Executivo, determinando o modo das construções e as obras particulares e públicas, o modo de comportamento na zona urbana e determinando a forma da coleta e aplicação dos impostos.

“Com a Independência do Brasil a autonomia de que gozavam as câmaras municipais é drasticamente diminuída com a Constituição de 1824. A duração da legislatura é fixada em quatro anos e o vereador mais votado assumia a presidência da câmara, visto que até então não havia a figura do prefeito. Com a Proclamação da República as câmaras municipais são dissolvidas e os governos estaduais nomeavam os membros do ‘conselho de intendência’. Em 1905, cria-se a figura do ‘intendente’ que permanecerá até 1930 com o início da Era Vargas. Com a Revolução de 1930 criam-se as prefeituras, às quais serão atribuídas as funções executivas dos Municípios. Assim, as câmaras municipais passaram a ter especificamente o papel de casa legislativa. Durante o Estado Novo, entre 1937 e 1945, as câmaras municipais são fechadas e o poder legislativos dos Municípios é extinto. Com a restauração da democracia em 1945, as câmaras municipais são reabertas e começam a tomar a forma que hoje possuem.” (S.N.T.)

Sobre a utilização desse prédio, no final da década de 1920, temos um breve relato que nos foi fornecido pelo Farmacêutico Antenor Gomes de Barros Leal mostrando a importância e a variedade de eventos que ocorriam nesse local, entre eles uma escola:

“Na linha de contorno da cidade, ao lado do Oeste, apenas uma rua, 7 de Setembro, e, no alto, o cemitério. Nessa mesma rua também uma velha e grande casa que servia de cadeia e dormitório para os soldados solteiros, tendo ao lado o salão para julgamento de delinquentes, conhecido como Casa de Câmara, que servia muitas vezes para festas dançantes, apresentação de dramas, teatros, sessões de cinema e cantorias…  É curioso recordar que, quando chovia, as quermesses em benefício da igreja eram realizadas dentro do salão e os rapazes se apressavam em arrematar as prendas do leilão para que o sarau dançante pudesse ser iniciado. O gás de acetileno, que se transformava em luz, iluminava o ambiente…” (BARROS LEAL, 1996: p. 138 – 139)

Em uma dessas festas, quando estavam fazendo a ornamentação do local, um dos trabalhadores, que era conhecido na cidade pelo apelido de “Muchuré”, estava na cumeeira do prédio e inesperadamente caiu um raio, que o matou imediatamente, causando terror e aflição nos presentes.

Imagem da Cadeia Pública.

Imagem da Casa de Câmara e Cadeia Pública do Município de Boa Viagem por volta de 1947.

Nessa época, depois que foi construído, esse prédio serviu também como escola municipal.

  • A Dissolução de Seus Trabalhos:

Algum tempo depois desses episódios, com a eclosão da Revolução de 1930, no dia 20 de maio de 1931, no governo do Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, interventor federal do Estado, por força do decreto nº 193, o Município de Boa Viagem foi extinto e a Câmara Municipal de Vereadores foi dissolvida, parando de existir:

“O interventor federal do Estado do Ceará, Manoel do Nascimento Fernandes Távora, considerando que a atual organização municipal deve ser modificada por não atender ao interesse público; Considerando que, para a constituição de qualquer Município, se torna necessária uma população nunca menor de quinze mil habitantes, uma renda anual não inferior a trinta contos de reis e outros fatores de valor; Considerando que muitos dos atuais Municípios não preenchem esses requisitos, sendo meras expressões territoriais, sem vida própria. Considerando que, dest’art, para proporcionar aos Municípios uma existência normal, se impõe a supressão de alguns deles, decreta: Art. 1º – O território do Estado divide-se, administrativamente; em 51 Municípios e estes em distritos. Art. 4º – Ficam extintos os seguintes Municípios:…. Campos Sales, Conceição do Cariry, Santa Cruz, Várzea Alegre…. Boa Viagem que passará respectivamente a fazer parte do Município de Quixeramobim…” (MOTA, 1989: p. 38-39)

Algum tempo depois, por força da lei nº 260, de 28 de dezembro de 1936, na gestão do Governador Francisco de Menezes Pimentel, interventor federal, o Município de Boa Viagem teve a sua autonomia politica restaurada.
Nessa época, na nova configuração política do país, não havia a existência das câmaras municipais e o prefeito, que na época era denominado de interventor, era indicado pelo Governo do Estado.

  • O Fórum:

Mais tarde, no dia 7 de dezembro de 1947, com a redemocratização do país, depois de 18 anos sem poder escolher os seus representantes municipais, o povo do Município de Boa Viagem retornou às urnas eleitorais, nessa eleição as principais novidades foram o voto feminino e o voto secreto, que definiu a nova configuração do Governo Municipal.

Imagem do Fórum de Boa Viagem na década de 1960.

Imagem do Fórum de Boa Viagem na década de 1960.

No ano seguinte, no dia 16 de agosto de 1948, a cidade de Boa Viagem passou a ser a sede de uma comarca e o Município necessitava urgentemente de um local adequado para instalação do fórum, que imediatamente passou a funcionar em um salão existente nos fundos da cadeia pública.
Sem alternativas adequadas para a sua instalação, a Câmara de Boa Viagem foi transferida para um local alugado, passando a funcionar em outro local adaptado, enquanto aguardava o surgimento de um espaço apropriado para o desempenho de seus serviços.
Nos primeiros anos da década de 1950, na gestão do Prefeito Aluísio Ximenes de Aragão, esse pequeno prédio passou por sua primeira grande reforma e permaneceu funcionando como cadeia e fórum até os últimos meses de 1975, quando foi construída uma nova penitenciária.
Ao final de seu governo, por conta do assassinato do Vereador Antônio de Queiroz Marinho, na época presidente da mesa diretora da Câmara, ocorreu uma das maiores crises entre os poderes, quando os trabalhos do Poder Legislativo foram interrompidos por praticamente um ano, conforme relato em uma de suas atas:

“Aos 22 dias do mês de fevereiro de 1955, às 13 horas, no salão destinado ao funcionamento da Câmara Municipal de Boa Viagem… em virtude de haver falecido o sr. presidente desta casa, aliás de maneira trágica e traiçoeiramente, o vereador de saudosa memória Antônio de Queiroz Marinho… em seguida o sr. presidente usando da palavra relembrou a atuação benéfica e salutar do presidente extinto, Antônio de Queiroz Marinho. Concluindo a sua fala solicitou da casa um minuto de silêncio em memória daquele inesquecível vereador, que tanto soube corresponder ao mandato que o povo de sua terra lhe confiou e que as forças do mal tramaram covardemente contra a sua existência.”

Durante esse período, as atividades da câmara funcionaram em uma pequena sala na Rua José Rangel de Araújo, nº 144, no Centro da cidade, em um edifício que também abrigava o Poder Executivo.

Prefeitura de Boa Viagem em 1964.

Imagem da Prefeitura de Boa Viagem, em 1964.

Nessa época, demonstrando a total falta de autonomia do Poder Legislativo, muitas das reuniões da Câmara Municipal eram presididas pelo prefeito e aos edis só restava a alternativa de balançar a cabeça, concordando com as imposições feitas pelo chefe do Poder Executivo, fato que permaneceu até os primeiros anos da década de 1980.

  • O Retorno de Seus Trabalhos:

No final da década de 1970, necessitando de um espaço maior, o fórum foi retirado desse local, fazendo com que a Câmara Municipal passasse a funcionar em seu lugar, recebendo para isso uma grande reforma e ampliação, quando foi demolida partes da parede da primeira cela da antiga penitenciária, que passou a ser a sala de trabalho das comissões.

Câmara Municipal de Boa Viagem.

Imagem da Câmara Municipal de Boa Viagem na década de 1990.

Nessa reforma, a faixada externa e o piso desse edifício receberam revestimento cerâmico e uma placa luminosa que identificava o prédio.
Ainda nesse período, a cadeia foi desativada, passando o seu edifício a ser ocupado inicialmente pelo Instituto de Educação Paulo Moody Davidson, depois pela CODAGRO, a Companhia de Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará, e por fim pela Secretaria da Cultura do Município, que lhe deu várias funcionalidades.
Mais tarde, na legislatura de 1982, sob à presidência do Vereador Francisco Valdenir Vieira da Silva, o Poder Legislativo retomou a sua autonomia administrativa quando impôs ao Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, a obrigação do repasse dos recursos destinados a esse poder.
Antes disso, o vereador era tratado como um simples funcionário da prefeitura, estando totalmente sujeito às vontades do gestor do Poder Executivo.
Mais tarde, por volta de 2002, na gestão da Vereadora Rosa Vieira Fernandes, esse edifício recebeu uma grande reforma, quando foi construída uma cozinha, a sala de imprensa, uma das celas da cadeia foi anexa ao edifício da Câmara passando a ser o local da entrada principal do edifício e o velho rol de entrada se transformou na sala de auditório, sendo construído também o seu primeiro pavimento, que recebeu várias salas, dentre elas a secretaria, a presidência, banheiros e outras.

Imagem interna da Câmara Municipal por volta de 1990.

Imagem do plenário da Câmara nos últimos anos da década de 1990.

Nos primeiros meses de 2013, na gestão da Vereadora Maria Alzira Lima Vieira, esse edifício passou por uma nova ampliação e reforma, quando foi demolida algumas paredes, sendo anexo ao seu edifício mais uma das celas do antigo presídio e uma parte do pátio, que se transformaram em uma sala intima com uma escada que dá acesso ao primeiro pavimento, como também em um corredor de acesso ao plenário.
Pouco tempo antes disso, no dia 1º de janeiro de 2013, essa casa assistiu um grande escândalo por conta da eleição para presidência da mesa diretora. Nessa eleição, depois de muitos empurrões, mesmo consciente de ter recebido a maioria de votos, o Vereador José Anchieta de Paiva Chaves foi impedido de assumir a função de presidente pelos assessores da Vereadora Maria Alzira Lima Vieira, algo que causou sérios transtornos a governabilidade do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef:

“O prefeito do Município de Boa Viagem, no Sertão Cearense, a 217 quilômetros de Fortaleza, Dr. Fernando Antonio Vieira Assef, do PSD, toma posse para o mandato 2013-2016, na tarde desta quinta-feira, dia 24, a partir das 15 horas, em frente à Câmara Municipal. Por decisão judicial, todos os atos da antiga Mesa Diretora, então presidida pela Vereadora Maria Alzira Lima Vieira, do DEM, foram nulos. Inclusive a posse do prefeito, no último dia 1º. O único problema, de acordo com o atual presidente da Mesa Diretora, Vereador José Anchieta Paiva Chaves, do PDT, é que a presidente cassada ainda não entregou a chave da Câmara Municipal. ‘É provável que a posse seja do lado de fora da Câmara Municipal’, lamentou o vereador.” (LIMA, 2013: Prefeito de Boa Viagem toma posse novamente na tarde desta quinta-feira. Disponível em http://blog.opovo.com.br/blogdoeliomar/prefeito-de-boa-viagem-toma-posse-novamente-na-tarde-desta-quinta-feira/. Acesso no dia 23 de outubro de 2016)

Passando alguns dias desse conflito, o vereador preterido da função de presidente tornou-se o líder do bloco formado pelos oito vereadores que acompanharam o seu nome, sendo eles: Ademir Carneiro de Freitas, Antônio Alves Barbosa Júnior, Arnaldo Cavalcante LimaJessé Alves da Silva FilhoJosé Airto Vieira LimaJovino Mendes Neto e Rosana Clotilde Vieira Fernandes.

Imagem da sessão da Câmara de Vereadores que ocorreu no meio da rua.

Imagem da sessão da Câmara de Vereadores que ocorreu no meio da rua.

Poucos dias depois desse fato, na manhã do dia 30 de janeiro de 2013, ocorreu uma reunião extraordinária no meio da rua, que contou com a presença da Deputada Estadual Gorete Pereira e findou com o arrombamento da porta principal da Câmara Municipal.
Depois disso, por meio das vias legais, esse grave imbróglio ético-político foi paulatinamente sendo sufocado pelos altos custos judiciais e por conta da lentidão da justiça, que nunca julgou o caso, mas produziu algo de bom, pois forçou aos vereadores dessa legislatura a mudarem o regimento interno da Câmara, fazendo com que as eleições passassem a ser abertas.
Mais tarde, em janeiro de 2018, na gestão do Vereador Antônio Alves Barbosa Júnior, o plenário da Câmara teve o seu forro rebaixado, surgindo mais espaços para construção de salas no primeiro pavimento.

A SUA ADMINISTRAÇÃO:

O primeiro funcionário da Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem foi Delfino Alves Pinheiro e Lima, que durante alguns anos foi contratado como seu secretário.
Os registros existentes no arquivo da Câmara Municipal afirmam que no dia 27 de outubro de 1958, por meio de uma decisão da mesa diretora, na época presidida pelo Vereador Joaquim Vieira da Silva, foram criados os cargos de diretor geral, escriturário e arquivista.
Muitos anos depois, o primeiro concurso público realizado para esses cargos ocorreu em 2015, na gestão do Vereador Ezaú Fragoso da Silva, antes disso essas funções eram executadas por pessoas indicadas pelos próprios vereadores.

  • A relação dos presidentes:
  1. Enéas de Vasconcelos Galvão – 1869 a 1873;
  2. Vicente Alves da Costa – 1873 a 1877;
  3. José da Silva Bezerra – 1877 a 1881;
  4. Manoel Hermínio de Sousa Leitão – 1881 a 1883;
  5. Casimiro da Silva Nogueira – 1883 a 1885;
  6. Manoel Hermínio de Sousa Leitão – 1885 a 1887;
  7. José Gomes da Costa Mendes – 1887 a 1889;
  8. José Gomes da Costa Mendes – 1890;
  9. Manoel Mendes Correia Lima – 1890;
  10. Manoel Benício Bezerra de Menezes – 1891;
  11. Manuel Honor da Costa Mendes – 1891;
  12. Aristóteles José da Silva Lobo – 1892 a 1896;
  13. Aristóteles José da Silva Lobo – 1897 a 1900;
  14. Aristóteles José da Silva Lobo – 1901 a 1903;
  15. José Ribeiro e Silva – 1904 a 1907;
  16. José Cândido de Carvalho – 1908 a 1912;
  17. Manoel Hermínio de Sousa Leitão – 1912 a 1914;
  18. Antônio de Queiroz Marinho – 1952 a 1954;
  19. Cícero Carneiro Filho – 1954 e 1955;
  20. José Vieira de Lima – 1955 a 1956;
  21. Cícero Carneiro Filho – 1956 e 1957;
  22. Joaquim Vieira da Silva – 1958;
  23. Delfino de Alencar Araújo – 1959 a 1961;
  24. José Pereira de Almeida – 1962;
  25. Cícero Carneiro Filho – 1963 a 1964;
  26. Eduardo Patrício de Almeida – 1964 e 1965;
  27. Otávio Alves Franco – 1966;
  28. João Fragoso Vieira – 1967;
  29. José Pereira de Almeida – 1968;
  30. João Inácio de Sousa – 1969;
  31. Antônio Alves Capistrano – 1970 a 1971;
  32. Samuel Alves da Silva – 1971 a 1973;
  33. Benjamim Alves da Silva – 1973 a 1976;
  34. Sebastião de Sousa Santiago – 1976 a 1977;
  35. Raimundo Chagas de Mesquita – 1977 a 1979;
  36. Jacob Carneiro de França Neto – 1979 a 1981;
  37. José de Queiroz Sampaio Neto – 1981 a 1983;
  38. Jacob Carneiro de França Neto – 1983 a 1985;
  39. Francisco Valdeni Vieira da Silva – 1985 a 1987;
  40. José de Queiroz Sampaio Neto – 1987 e 1988;
  41. Francisco Valdeni Vieira da Silva – 1989 e 1990;
  42. Antônio Argeu Nunes Vieira – 1991 e 1992;
  43. Francisco Valdeni Vieira da Silva – 1993 e 1994;
  44. João Mozart Silus Cunha – 1995 e 1996;
  45. José Diniz Vieira Filho – 1997 e 1998;
  46. Rosa Vieira Fernandes – 1999 e 2000;
  47. Rosa Vieira Fernandes – 2001 e 2002;
  48. Rosa Vieira Fernandes – 2003 e 2004;
  49. Rosa Vieira Fernandes – 2005 e 2006;
  50. Benjamim Alves da Silva – 2007 e 2008;
  51. Benjamim Alves da Silva – 2009 e 2010;
  52. Rosa Vieira Fernandes – 2011 e 2012;
  53. Maria Alzira Lima Vieira – 2013 e 2014;
  54. Ezaú Fragoso da Silva – 2015 e 2016;
  55. Antônio Alves Barbosa Júnior – 2017 e 2018;
  56. José Anchieta Paiva Chaves – 2019 e 2020.

O CONTATO:

Os canais de comunicação com a Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem são os seguintes:

  • Telefone:
  1. 88.3427-1450;
  2. 88.3427-1956.
  • E-mail:
  1. cmbv.ce@hotmail.com
  • Site:
  1. www.camaraboaviagem.ce.gov.br

312 ideias sobre “Câmara Municipal de Vereadores de Boa Viagem

  1. Pingback: Bairro Centro | História de Boa Viagem

  2. Pingback: BVs | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Raimundo de Oliveira Mota | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Antônio Marques Dias de França | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Benjamim Alves da Silva | História de Boa Viagem

  6. Pingback: Deonete Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  7. Pingback: Francisco Tibiriçá Façanha | História de Boa Viagem

  8. Pingback: Francisco Rangel de Araújo | História de Boa Viagem

  9. Pingback: Samuel Alves da Silva | História de Boa Viagem

  10. Pingback: Delfino Alves Pinheiro e Lima | História de Boa Viagem

  11. Pingback: Manoel Duarte de Araújo | História de Boa Viagem

  12. Pingback: José Duarte de Araújo | História de Boa Viagem

  13. Pingback: Manoel Araújo Marinho | História de Boa Viagem

  14. Pingback: Polo de Atendimento Dr. Sérgio Amaro Sátiro Fernandes | História de Boa Viagem

  15. Pingback: João Abreu Lima | História de Boa Viagem

  16. Pingback: Antônio Marinho Falcão | História de Boa Viagem

  17. Pingback: Luís Ximenes de Aragão | História de Boa Viagem

  18. Pingback: Cícero Carneiro Filho | História de Boa Viagem

  19. Pingback: José Assef Fares | História de Boa Viagem

  20. Pingback: Bradesco | História de Boa Viagem

  21. Pingback: Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  22. Pingback: Osmar de Oliveira Fontes | História de Boa Viagem

  23. Pingback: Otacílio de Alencar Araújo | História de Boa Viagem

  24. Pingback: Raimundo Alves Campos | História de Boa Viagem

  25. Pingback: José Leal de Oliveira | História de Boa Viagem

  26. Pingback: Deodato José Ramalho | História de Boa Viagem

  27. Pingback: José Rangel de Araújo | História de Boa Viagem

  28. Pingback: Enéas de Vasconcelos Galvão | História de Boa Viagem

  29. Pingback: Aristóteles José da Silva Lobo | História de Boa Viagem

  30. Pingback: José Ribeiro e Silva | História de Boa Viagem

  31. Pingback: Luiz Antônio de França | História de Boa Viagem

  32. Pingback: Manoel Nunes Leitão | História de Boa Viagem

  33. Pingback: Manuel Henrique de Albuquerque | História de Boa Viagem

  34. Pingback: Francisco Ferreira Brasil | História de Boa Viagem

  35. Pingback: Francisco Nunes de Rezende Oliveira | História de Boa Viagem

  36. Pingback: João Inácio de Sousa | História de Boa Viagem

  37. Pingback: COMENDAS E TÍTULOS | História de Boa Viagem

  38. Pingback: Walter Batista de Santana | História de Boa Viagem

  39. Pingback: Marcos José Cavalcante Sampaio | História de Boa Viagem

  40. Pingback: Vila Lourdinha Campos Rabêlo | História de Boa Viagem

  41. Pingback: Loteamento Floresta Bela | História de Boa Viagem

  42. Pingback: Theófilo da Costa Oliveira | História de Boa Viagem

  43. Pingback: Antônio Tupinambá de Araújo | História de Boa Viagem

  44. Pingback: José Cândido de Carvalho | História de Boa Viagem

  45. Pingback: Francisco de Assis Marinho | História de Boa Viagem

  46. Pingback: Ignácio José de Carvalho | História de Boa Viagem

  47. Pingback: Antônio Lopes de Mesquita Galvão | História de Boa Viagem

  48. Pingback: Distrito de Águas Belas | História de Boa Viagem

  49. Pingback: Distrito de Boa Viagem | História de Boa Viagem

  50. Pingback: Distrito de Guia | História de Boa Viagem

  51. Pingback: Distrito de Massapê dos Paés | História de Boa Viagem

  52. Pingback: Distrito de Ipiranga | História de Boa Viagem

  53. Pingback: Distrito de Domingos da Costa | História de Boa Viagem

  54. Pingback: Distrito de Boqueirão | História de Boa Viagem

  55. Pingback: Distrito de Jacampari | História de Boa Viagem

  56. Pingback: Distrito de Olho d’Água do Bezerril | História de Boa Viagem

  57. Pingback: Distrito de Ibuaçu | História de Boa Viagem

  58. Pingback: Distrito de Olho d’Água dos Facundos | História de Boa Viagem

  59. Pingback: Várzea da Ipueira | História de Boa Viagem

  60. Pingback: ECONOMIA | História de Boa Viagem

  61. Pingback: Anastácio Pereira Lobo | História de Boa Viagem

  62. Pingback: Paulo Eugênio Facundo Costa | História de Boa Viagem

  63. Pingback: Instituto de Educação Paulo Moody Davidson | História de Boa Viagem

  64. Pingback: Maria Rosary Pereira | História de Boa Viagem

  65. Pingback: Joaquim Marinho Falcão | História de Boa Viagem

  66. Pingback: Joaquim Mendes de Araújo | História de Boa Viagem

  67. Pingback: Manoel Gonçalves de Sousa Pinheiro | História de Boa Viagem

  68. Pingback: Antônio Bezerra do Vale | História de Boa Viagem

  69. Pingback: Vicente Alves da Costa | História de Boa Viagem

  70. Pingback: O Obelisco do Centenário | História de Boa Viagem

  71. Pingback: Patrício Alves Pinheiro Lima Filho | História de Boa Viagem

  72. Pingback: POTENCIALIDADE VIÁRIA | História de Boa Viagem

  73. Pingback: Fórum Desembargador Júlio Carlos de Miranda Bezerra | História de Boa Viagem

  74. Pingback: História do Distrito de Jacampari | História de Boa Viagem

  75. Pingback: Benjamim Bastos | História de Boa Viagem

  76. Pingback: José Ribeiro Campos Benício | História de Boa Viagem

  77. Pingback: Manoel Mendes Correia Lima | História de Boa Viagem

  78. Pingback: Estádio Municipal Dr. Francisco Segismundo Rodrigues dos Santos Neto | História de Boa Viagem

  79. Pingback: Mons. José Cândido de Queiroz Lima | História de Boa Viagem

  80. Pingback: Hélio Alves da Silva | História de Boa Viagem

  81. Pingback: Hospital e Casa de Saúde Adília Maria de Lima | História de Boa Viagem

  82. Pingback: Flávio Augusto Oliveira de Menezes | História de Boa Viagem

  83. Pingback: José Jôfre da Silva | História de Boa Viagem

  84. Pingback: Francisco Pinto de Sousa | História de Boa Viagem

  85. Pingback: Manoel de Assis Marinho | História de Boa Viagem

  86. Pingback: Francisco Erialdo Rodrigues Costa | História de Boa Viagem

  87. Pingback: Rev. Francisco Souto Maior | História de Boa Viagem

  88. Pingback: Sérgio Amaro Sátiro Fernandes | História de Boa Viagem

  89. Pingback: Adília Maria de Lima | História de Boa Viagem

  90. Pingback: Sebastião de Sousa Santiago | História de Boa Viagem

  91. Pingback: Loja Maçônica Cavaleiros do Amor | História de Boa Viagem

  92. Pingback: Administração de 1973 – 1977 | História de Boa Viagem

  93. Pingback: Aluísio Ximenes de Aragão | História de Boa Viagem

  94. Pingback: José Bezerra do Vale | História de Boa Viagem

  95. Pingback: José Vieira Filho (Mazinho) | História de Boa Viagem

  96. Pingback: Ignácio de Sousa Mota | História de Boa Viagem

  97. Pingback: Francisco de Oliveira Mota | História de Boa Viagem

  98. Pingback: Manoel Martins Chaves Neto | História de Boa Viagem

  99. Pingback: Adriano José da Silva | História de Boa Viagem

  100. Pingback: Luís Vieira de Sousa | História de Boa Viagem

  101. Pingback: Unidade Básica de Saúde Luiz Gonzaga Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  102. Pingback: A Bandeira do Município | História de Boa Viagem

  103. Pingback: Mons. Luiz Orlando de Lima | História de Boa Viagem

  104. Pingback: Francisco de Assis Marinho (Chico França) | História de Boa Viagem

  105. Pingback: Ezequiel Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  106. Pingback: Associação Atlética Boa-viagense | História de Boa Viagem

  107. Pingback: Francisca Ione Vieira Assef | História de Boa Viagem

  108. Pingback: A HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM | História de Boa Viagem

  109. Pingback: José Maria Sampaio de Carvalho | História de Boa Viagem

  110. Pingback: Rosana Clotilde Vieira Fernandes | História de Boa Viagem

  111. Pingback: Rosa Vieira Fernandes | História de Boa Viagem

  112. Pingback: Francisco Valdeni Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  113. Pingback: Clícia Muniz de Melo | História de Boa Viagem

  114. Pingback: Antônio Sérgio Vieira Fernandes | História de Boa Viagem

  115. Pingback: Adelmo Rodrigues de Freitas | História de Boa Viagem

  116. Pingback: Arnaldo Cavalcante Lima | História de Boa Viagem

  117. Pingback: Antônio Alves Barbosa Júnior | História de Boa Viagem

  118. Pingback: Fernando Verçosa Pereira | História de Boa Viagem

  119. Pingback: Ademir Carneiro de Freitas | História de Boa Viagem

  120. Pingback: Emanoel da Costa Braz | História de Boa Viagem

  121. Pingback: Gilberto Alves de Sousa | História de Boa Viagem

  122. Pingback: Gutemberg Mendes Farias Filho | História de Boa Viagem

  123. Pingback: Jardel Linistefeson de Sousa Fernandes | História de Boa Viagem

  124. Pingback: José Anchieta Paiva Chaves | História de Boa Viagem

  125. Pingback: Ismael Fragoso da Silva | História de Boa Viagem

  126. Pingback: Jovino Mendes Neto | História de Boa Viagem

  127. Pingback: José Airto Vieira Lima | História de Boa Viagem

  128. Pingback: Maria da Conceição Costa Araújo | História de Boa Viagem

  129. Pingback: Maria Alzira Lima Vieira | História de Boa Viagem

  130. Pingback: Luís Alves Batista | História de Boa Viagem

  131. Pingback: Maria Mocinha Teixeira Pinto Batista | História de Boa Viagem

  132. Pingback: Evaldo Neco Barreto Júnior | História de Boa Viagem

  133. Pingback: Edson Alves da Silva | História de Boa Viagem

  134. Pingback: Márcio Ary Machado de Morais | História de Boa Viagem

  135. Pingback: Vera Lúcia Cavalcante Dantas de Sousa | História de Boa Viagem

  136. Pingback: Hermínio Veras Jorge | História de Boa Viagem

  137. Pingback: Maria das Graças Evangelista Abreu | História de Boa Viagem

  138. Pingback: Luís Carneiro Garcia | História de Boa Viagem

  139. Pingback: Sidônio Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  140. Pingback: Antônio Alves | História de Boa Viagem

  141. Pingback: José Diniz Vieira Filho | História de Boa Viagem

  142. Pingback: Hozano Melo Cavalcante | História de Boa Viagem

  143. Pingback: João Martins de Lima | História de Boa Viagem

  144. Pingback: Marcos Luís Cidrão Uchôa | História de Boa Viagem

  145. Pingback: Pedro Eugênio Cidrão Uchôa | História de Boa Viagem

  146. Pingback: Luiz Araújo | História de Boa Viagem

  147. Pingback: Francisco Jonas de Oliveira Vieira | História de Boa Viagem

  148. Pingback: Antônio Argeu Nunes Vieira | História de Boa Viagem

  149. Pingback: O Brasão do Município | História de Boa Viagem

  150. Pingback: Maria Lúcia Costa Campos | História de Boa Viagem

  151. Pingback: Ivonete Leitão Facundo | História de Boa Viagem

  152. Pingback: Jacob Carneiro de França Neto | História de Boa Viagem

  153. Pingback: Jessé Alves da Silva Filho | História de Boa Viagem

  154. Pingback: José Soares de Macêdo | História de Boa Viagem

  155. Pingback: Ladislau Vieira Carneiro | História de Boa Viagem

  156. Pingback: Deusimar de Almeida Fontes | História de Boa Viagem

  157. Pingback: Francisco de Assis Lobo de Sousa | História de Boa Viagem

  158. Pingback: Misrain Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  159. Pingback: Francisco Antônio Gomes de Almeida | História de Boa Viagem

  160. Pingback: Antônio Almir Pereira Mota | História de Boa Viagem

  161. Pingback: José Martins da Silva | História de Boa Viagem

  162. Pingback: José Facundo Campos | História de Boa Viagem

  163. Pingback: José Mendes Vieira | História de Boa Viagem

  164. Pingback: João Mozart Silus Cunha | História de Boa Viagem

  165. Pingback: Francisco Alves Facundo | História de Boa Viagem

  166. Pingback: João Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  167. Pingback: Antônio Pereira Batista | História de Boa Viagem

  168. Pingback: Eduardo Patrício de Almeida | História de Boa Viagem

  169. Pingback: José de Queiroz Sampaio Neto | História de Boa Viagem

  170. Pingback: Delfina Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  171. Pingback: José Adauto Sales | História de Boa Viagem

  172. Pingback: José Bruno Maciel | História de Boa Viagem

  173. Pingback: Otávio Alves Franco | História de Boa Viagem

  174. Pingback: João Soares de Lima Filho | História de Boa Viagem

  175. Pingback: Adonias Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  176. Pingback: Raimundo Capistrano de Carvalho | História de Boa Viagem

  177. Pingback: Manoel Moreira de Melo | História de Boa Viagem

  178. Pingback: Jacob Angelim de Sousa | História de Boa Viagem

  179. Pingback: João Saraiva Leão | História de Boa Viagem

  180. Pingback: Antônio Alves Capistrano | História de Boa Viagem

  181. Pingback: Manoel Mateus Sobrinho | História de Boa Viagem

  182. Pingback: Manuel Magalhães Gomes | História de Boa Viagem

  183. Pingback: Érica Berenice Teixeira Batista | História de Boa Viagem

  184. Pingback: Walkmar Lobo de Sousa | História de Boa Viagem

  185. Pingback: Antônio Soares Ximenes | História de Boa Viagem

  186. Pingback: Raimundo Lobo de Sales | História de Boa Viagem

  187. Pingback: Francisco Joel Lima e Silva | História de Boa Viagem

  188. Pingback: Jerônimo Alves Bezerra | História de Boa Viagem

  189. Pingback: Oliveira Ferreira Franco | História de Boa Viagem

  190. Pingback: Ataciso Cavalcante Mota | História de Boa Viagem

  191. Pingback: José Vieira de Lima | História de Boa Viagem

  192. Pingback: Mozart Galvão Monteiro | História de Boa Viagem

  193. Pingback: Quintiliano Vieira Filho | História de Boa Viagem

  194. Pingback: José Alves Araújo Filho | História de Boa Viagem

  195. Pingback: Antônio Vieira de Lima | História de Boa Viagem

  196. Pingback: Joaquim Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  197. Pingback: Manoel Ximenes de Araújo | História de Boa Viagem

  198. Pingback: Francisco João Mendes | História de Boa Viagem

  199. Pingback: José Pereira de Almeida | História de Boa Viagem

  200. Pingback: Antônio de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  201. Pingback: José Serafim dos Santos | História de Boa Viagem

  202. Pingback: Raimundo Chagas de Mesquita | História de Boa Viagem

  203. Pingback: Raimundo Soares Freitas | História de Boa Viagem

  204. Pingback: José Camurça Ribeiro | História de Boa Viagem

  205. Pingback: Fernando Antônio Vieira Assef | História de Boa Viagem

  206. Pingback: Administração de 2009 – 2012 | História de Boa Viagem

  207. Pingback: Administração de 2017 – 2020 | História de Boa Viagem

  208. Pingback: Administração de 2013 – 2016 | História de Boa Viagem

  209. Pingback: Administração de 2005 – 2008 | História de Boa Viagem

  210. Pingback: Administração de 2001 – 2004 | História de Boa Viagem

  211. Pingback: Administração de 1993 – 1996 | História de Boa Viagem

  212. Pingback: Maria Carmelina Sampaio Queiroz | História de Boa Viagem

  213. Pingback: José de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  214. Pingback: Administração de 1997 – 2000 | História de Boa Viagem

  215. Pingback: Administração de 1955 – 1959 | História de Boa Viagem

  216. Pingback: Açude Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  217. Pingback: Administração de 1959 – 1963 | História de Boa Viagem

  218. Pingback: José de Sousa Jales | História de Boa Viagem

  219. Pingback: Administração de 1951 – 1955 | História de Boa Viagem

  220. Pingback: Cristóvam de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  221. Pingback: Joaquim Pereira Cavalcante | História de Boa Viagem

  222. Pingback: Francisco Vieira Lima – Chico Ermínio | História de Boa Viagem

  223. Pingback: Teófilo da Costa Filho | História de Boa Viagem

  224. Pingback: Francisco Deoclécio Ramalho | História de Boa Viagem

  225. Pingback: Administração de 1963 – 1967 | História de Boa Viagem

  226. Pingback: José Vieira Dantas | História de Boa Viagem

  227. Pingback: Administração de 1967 – 1971 | História de Boa Viagem

  228. Pingback: Administração de 1971 – 1973 | História de Boa Viagem

  229. Pingback: Valdemar de Paiva Bezerra | História de Boa Viagem

  230. Pingback: Administração de 1977 – 1983 | História de Boa Viagem

  231. Pingback: Administração de 1983 – 1988 | História de Boa Viagem

  232. Pingback: Antônio Otávio de Sousa | História de Boa Viagem

  233. Pingback: Antônio Egídio Serafim Dias | História de Boa Viagem

  234. Pingback: Raimundo Nonato Oliveira | História de Boa Viagem

  235. Pingback: Antônio Alves Martins | História de Boa Viagem

  236. Pingback: Ozeas Alves Facundo | História de Boa Viagem

  237. Pingback: Rodolfo Amorim dos Santos | História de Boa Viagem

  238. Pingback: Ezaú Fragoso da Silva | História de Boa Viagem

  239. Pingback: Administração de 1989 – 1992 | História de Boa Viagem

  240. Pingback: Comissões de 1989 – 1992 | História de Boa Viagem

  241. Pingback: Maria Dias Cavalcante Vieira | História de Boa Viagem

  242. Pingback: Manoel Ademar de Sousa | História de Boa Viagem

  243. Pingback: Lúcia de Fátima Araújo Brilhante | História de Boa Viagem

  244. Pingback: Raimunda Facundo de Sales | História de Boa Viagem

  245. Pingback: Eliel Rafael da Silva | História de Boa Viagem

  246. Pingback: José Onedir Lima Sales | História de Boa Viagem

  247. Pingback: Administração de 1869 – 1873 | História de Boa Viagem

  248. Pingback: José Aroldo Cavalcante Mota | História de Boa Viagem

  249. Pingback: Administração de 1873 – 1877 | História de Boa Viagem

  250. Pingback: José da Silva Bezerra | História de Boa Viagem

  251. Pingback: Antônia Ivani Soares Vieira | História de Boa Viagem

  252. Pingback: Teodoro Amaro de Oliveira | História de Boa Viagem

  253. Pingback: Administração de 1883 – 1887 | História de Boa Viagem

  254. Pingback: Administração de 1887 | História de Boa Viagem

  255. Pingback: Casimiro da Silva Nogueira | História de Boa Viagem

  256. Pingback: João Alves de Oliveira Guerra | História de Boa Viagem

  257. Pingback: Guiomar Oliveira Sampaio | História de Boa Viagem

  258. Pingback: Francisco de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  259. Pingback: Terminal Rodoviário Samuel Alves da Silva | História de Boa Viagem

  260. Pingback: Mercado Público Municipal Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  261. Pingback: Francisco de Oliveira Lima | História de Boa Viagem

  262. Pingback: Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  263. Pingback: Pe. José Erineudo Ferreira de Souza | História de Boa Viagem

  264. Pingback: Pe. Thomas James Thacheril | História de Boa Viagem

  265. Pingback: Pe. José Evanílson de Sousa | História de Boa Viagem

  266. Pingback: Pe. Raimundo Nonato de Oliveira | História de Boa Viagem

  267. Pingback: Pe. José Adauberto de Lima | História de Boa Viagem

  268. Pingback: Relação das Avenidas, Ruas e Travessas da Cidade de Boa Viagem | História de Boa Viagem

  269. Pingback: A RELIGIOSIDADE DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM | História de Boa Viagem

  270. Pingback: Agência da Previdência Social | História de Boa Viagem

  271. Pingback: Praça José de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  272. Pingback: Alonso Abreu Lima | História de Boa Viagem

  273. Pingback: Igreja Evangélica Boa-viagense (História) | História de Boa Viagem

  274. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem (História) | História de Boa Viagem

  275. Pingback: José Aroldo Cavalcante Mota (Bibliografia) | História de Boa Viagem

  276. Pingback: Hermínio Rodrigues Chagas | História de Boa Viagem

  277. Pingback: Praça da Imagem de Nossa Srª da Boa Viagem | História de Boa Viagem

  278. Pingback: Açude Público José de Alencar Araújo | História de Boa Viagem

  279. Pingback: Barragem Presidente Tancredo de Almeida Neves | História de Boa Viagem

  280. Pingback: Açude do Poço da Onça | História de Boa Viagem

  281. Pingback: Açude Público São José | História de Boa Viagem

  282. Pingback: Francisco Wilson Machado | História de Boa Viagem

  283. Pingback: Gerardo Felix da Silva | História de Boa Viagem

  284. Pingback: Aline Cavalcante Vieira | História de Boa Viagem

  285. Pingback: Joaquim Vieira Lima | História de Boa Viagem

  286. Pingback: Guarda Civil Municipal de Boa Viagem | História de Boa Viagem

  287. Pingback: QUEM SOMOS | História de Boa Viagem

  288. Pingback: Pedro Costa Filho | História de Boa Viagem

  289. Pingback: Hercília de Sousa Costa | História de Boa Viagem

  290. Pingback: Aristides Alves Cavalcante | História de Boa Viagem

  291. Pingback: José Vieira Neto | História de Boa Viagem

  292. Pingback: GOVERNO MUNICIPAL | História de Boa Viagem

  293. Pingback: Administração de 1873 – 1877 | História de Boa Viagem

  294. Pingback: Manoel Hermínio de Sousa Leitão | História de Boa Viagem

  295. Pingback: João Cirilo de Sousa Leitão | História de Boa Viagem

  296. Pingback: Francisco Mendes Machado | História de Boa Viagem

  297. Pingback: José Ferreira Byhé | História de Boa Viagem

  298. Pingback: José Gomes da Costa Mendes | História de Boa Viagem

  299. Pingback: Francisco Auto de Lima | História de Boa Viagem

  300. Pingback: Quartel da 4ª Companhia do 4º Batalhão da Polícia Militar do Estado do Ceará | História de Boa Viagem

  301. Pingback: Francisco Melchiades Mendes | História de Boa Viagem

  302. Pingback: João de Araújo da Costa Mendes | História de Boa Viagem

  303. Pingback: Henrique Cavalcante de Albuquerque | História de Boa Viagem

  304. Pingback: Eliel Rafael da Silva Júnior | História de Boa Viagem

  305. Pingback: Manuel Teófilo da Costa Mendes | História de Boa Viagem

  306. Pingback: Pe. Paulo Ângelo de Almeida Medeiros | História de Boa Viagem

  307. Pingback: Administração de 1877 – 1883 | História de Boa Viagem

  308. Pingback: Administração de 1892 – 1896 | História de Boa Viagem

  309. Pingback: Eleotério Manoel da Silva | História de Boa Viagem

  310. Pingback: Marília Prado dos Santos | História de Boa Viagem

  311. Pingback: Antônio Jayme de Alencar Araripe | História de Boa Viagem

  312. Pingback: Açude Raimundo Rodrigues | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta