Enedina de Carvalho

Enedina de Carvalho nasceu no dia 15 de dezembro de 1906 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filha de José Cândido de Carvalho e de Maria Emília Araújo de Carvalho.
Os seus avós paternos se chamavam Francisco Alves Madeira e Izabel Fausta de Carvalho, já os maternos eram Manoel Duarte de Araújo e Maria Amélia de Araújo.
Alguns dias depois do seu nascimento, em 2 de janeiro de 1907, seguindo o costume da confissão religiosa de seus pais, recebeu o batismo pelas mãos do Mons. José Cândido de Queiroz Lima.
Pouca coisa sabemos de sua infância, que ocorreu quase que completamente na cidade de Boa Viagem, período em que teve como prefeito o seu pai ou outro descendente de sua família.
Segundo informações existentes no livro B-05, pertencente à secretaria da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, tombo nº 24, folha 125v, no dia 2 de julho de 1921, diante do Mons. José Cândido de Queiroz Lima, com apenas 15 anos de idade, contraiu núpcias com o comerciante José Leorne Leitão, que havia nascido no dia 12 de janeiro de 1895, sendo filho de  Manoel Hermínio de Sousa Leitão e de Luzia Pires de Oliveira.
Desse casamento foram gerados dois filhos, um homem e uma mulher, sendo eles: Mirtes de Carvalho Leitão e Flávio de Carvalho Leitão.
Pouco tempo depois, no dia 29 de maio de 1927, juntamente com os seus familiares, amargou a dura perda de seu esposo, que faleceu repentinamente com apenas 32 nos de idade.
Algum tempo depois, estando viúva, consumou um novo relacionamento conjugal, dessa vez com Joaquim Cândido de Carvalho, que nasceu em 1907 e era conhecido pela alcunha de “Quincas Palestino”, sendo filho de Manoel Martins de Carvalho e de Maria Lelis de Carvalho:

“Falecido o seu primeiro esposo, minha irmã se casou em segundas núpcias, contra a vontade da família, com o seu primo, Joaquim Cândido de Carvalho, o Quincas. Foi uma união desastrosa e passageira.” (CARVALHO FILHO, 2008: p. 26)

Desse novo relacionamento conjugal foram gerados quatro filhos, três mulheres e um homem, sendo eles: Maria Emília de Carvalho Carneiro, José Carvalho, Mirsa de Carvalho e Maria do Carmo de Carvalho.
No dia 16 de fevereiro de 1945, na gestão de seu cunhado, Antenor Gomes de Barros Leal, foi nomeada tesoureira da Prefeitura de Boa Viagem.

Imagem de Enedina de Carvalho entre os seus netos.

Durante o período da história do Brasil que ficou conhecido como o Estado Novo, foi uma das pessoas nomeadas pelo interventor Federal do Estado, o Dr. Benedito Augusto Carvalho dos Santos, para assumir o comando do Governo Municipal, tornando-se a primeira mulher a assumir essa função.
Nessa ocasião, assumiu a função de interventora do Município de Boa Viagem, no lugar do Dr. Lourival Soares e Silva, do dia 4 ao dia 21 de dezembro de 1945, quando assumiu um novo interventor, Aluísio Ximenes de Aragão.
Segundo informações existentes no livro C-10, pertencentes ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 4.264, folha 106, faleceu de câncer, aos 60 anos de idade, na cidade de Boa Viagem, no dia 6 de agosto de 1966.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, no Centro da cidade de Boa Viagem.

Imagem do túmulo de Enedina de Carvalho, em 2015.

BIBLIOGRAFIA:

  1. CARVALHO FILHO, José Cândido. Boa Viagem da Minha Infância. São Paulo: Thesauros/Itiquira, 2008.
  2. CAVALCANTE MOTA, José Aroldo. História Política do Ceará (1930-1945). Fortaleza: Stylus Comunicações, 1989.
  3. MACÊDO, Deoclécio Leite. Notariado Cearense. História dos Cartórios do Ceará. Fortaleza: Expressão Gráfica, 1991.
  4. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  5. PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM. Livro de registro dos batismos. 1906-1909. A-06. Tombo nº 6. Página 39v.
  6. PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM. Livro de registro dos casamentos. 1922-1924. B-05. Tombo nº 24. Página 125v.
  7. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. A História da Instrução Pública no Município de Boa Viagem: A sua formação pedagógica e social entre 1864 e 1931. Dissertação apresentada a Flórida Christian University, 2019.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito José Vieira Filho – o Mazinho, através da lei nº 139, de 12 de março de 1970, a rua que sai do Centro e vai até ao Bairro Floresta, dividindo os Bairros Tibiquari e José Rosa da Boaviaginha, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.