Administração de 1948 – 1951

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O poder de gerenciamento do Município é dividido em três, sendo eles: Executivo, Legislativo e Judiciário, que devem atuar de forma separada, independente e harmônica, mantendo, no entanto, as características do poder de ser uno, indivisível e indelegável.

Imagem representativa dos três poderes, que devem trabalhar em harmonia.

O objetivo dessa separação é evitar que o poder se concentre nas mãos de uma única pessoa, para que não haja abuso, como o ocorrido no Estado Absolutista.

O PODER EXECUTIVO:

O Poder Executivo do Município é o poder que, nos moldes da constituição de um país, possui a atribuição de governar o povo e administrar os interesses públicos, cumprindo fielmente as ordenações legais, estando nessa legislatura sob a responsabilidade do seguinte gestor:

O PODER LEGISLATIVO:

O Poder Legislativo é o poder ao qual, seguindo o princípio da separação dos poderes, é atribuída a função legislativa. O seu objetivo é a elaboração de normas de direito de abrangência geral ou individual que devem ser aplicadas à toda sociedade com o objetivo de satisfazer os grupos de pressão, a administração pública, a sociedade e a própria causa. Nessa legislatura foram esses os vereadores eleitos:

  1. Antônio de Queiroz Marinho;
  2. Ataciso Cavalcante Mota;
  3. Cícero Carneiro Filho;
  4. José Bezerra do Vale;
  5. José Camurça Ribeiro;
  6. José Cândido de Carvalho;
  7. José Vieira de Lima;
  8. Mozart Galvão Monteiro;
  9. Quintiliano Vieira Filho.
  • Comissões Permanentes.

O PODER JUDICIÁRIO:

O Poder Judiciário é exercido pelos juízes e possui a capacidade e a prerrogativa de julgar, de acordo com as regras constitucionais e leis criadas pelo Poder Legislativo em determinado país.
A relação dos juízes desse período consta no Fórum Desembargador Júlio Carlos de Miranda Bezerra.

3 ideias sobre “Administração de 1948 – 1951

  1. Pingback: GOVERNO MUNICIPAL | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Praça Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Francisco Rangel de Araújo | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta