Manoel Mateus Sobrinho

Manoel Mateus Sobrinho nasceu no dia 27 de outubro de 1931 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de João Mateus de Sousa e de Maria de Jesus dos Passos.
Os seus avós paternos se chamavam José de Sousa Jales e Maria Senhora da Conceição, já os maternos eram Joaquim Venâncio da Silva e Francisco Jales de Oliveira.
Em sua juventude, não sabemos por qual motivo, passou a ser popularmente conhecido pelo nome de “Fernando Mateus”.
Nessa época, quando trabalhava na loja de tecidos de seu avô paterno, na cidade de Boa Viagem, ao cortar uma fazenda, costumava brincar com o freguês dizendo: “eu toro o tecido e você embola”, ficando conhecido também pelos seus clientes como o apelido de “Toraembola”.
Na eleição municipal ocorrida em 1950, juntamente com outros familiares, abraçou o projeto político de seu avô paterno, que pleiteou por uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores.

“No pleito eleitoral que ocorreu no dia 3 de outubro de 1950, desejando entrar na vida pública por meio de um mandato eletivo na Câmara Municipal de Vereadores, militando nos quadros políticos do PSP, o Partido Social Progressista, apoiando ao candidato Aluízio Ximenes de Aragão, pleiteou uma das vagas do Poder Legislativo Municipal e conseguiu receber a confiança de 113 eleitores, ficando na terceira suplência de seu partido.” (SILVA JÚNIOR, 2017: José de Sousa Jales. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/jose-de-sousa-jales/. Acesso no dia 8 de agosto de 2018)

Alguns anos depois, no pleito eleitoral que ocorreu no dia 3 de outubro de 1958, desejando entrar na vida pública por meio de um mandato eletivo na Câmara Municipal de Vereadores, depois de uma acirrada campanha, foi conduzido ao exercício de um mandato eletivo no Poder Legislativo.
Nessa legislatura, em apoio ao governo do Prefeito Dr. Gervásio de Queiroz Marinho, votou em favor da compra de um trator, que tinha o intuito de servir aos agricultores do Município; A realização de um convênio com o Governo Federal para fomentar o Ensino Primário; A instalação de água e esgoto na cidade de Boa Viagem; A criação do serviço de manutenção de estradas municipais; A aprovação e modificação da nomenclatura das ruas da cidade.
No ano seguinte, no dia 12 de dezembro de 1959, segundo informações existentes no livro B-17, pertencente ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 2.941, folha 18, contraiu matrimônio com Suzete Carvalho, que nasceu no dia 22 de fevereiro de 1926, sendo filha de José Cândido de Carvalho e de Maria Emília de Carvalho.
Desse matrimônio foram gerados quatro filhos, todos homens, sendo eles: Fernando, Simão, Pedro e José Cândido.
Algum tempo depois de eleito, nos primeiros meses de 1961, por motivos pessoais, solicitou licença de seu mandato, quando em seu lugar assumiu o suplente, o Vereador Antônio Alves Capistrano.
O motivo de sua saída foi o fato de ir morar com a sua família no Município de Ilhéus, onde havia uma fazenda produtora de cacau, que era propriedade de seu cunhado, o Dr. José Cândido de Carvalho Filho.