Sebastião Alves da Silva

sebastiao-alves-da-silvaSebastião Alves da Silva nasceu no dia 30 de abril de 1907 no Município de Catolé do Rocha, que está localizado no Sertão paraibano, distante 411 quilômetros da cidade de João Pessoa, sendo filho de José Alves da Silva e de Maria Delfina do Amor Divino.
Na época do seu nascimento veio ao mundo em uma localidade denominada de “Brejo dos Santos”, que nesse período era conhecida pelo topônimo de “Brejo dos Cavalos”.
A mudança desse nome ocorreu por conta de uma grande onda de intolerância religiosa ocorrida nos últimos anos da década de 1930, na mesma época em que ocorria grandes transformações em sua vida.

“A Igreja Evangélica Congregacional instalou-se nesse  Município em 1928. O pastor era o Rev Henry Briault, de nacionalidade inglesa, que trabalhou, de certo modo, pelo progresso do lugar. Pelos anos de 1937 a 1939, as duas forças religiosas do lugar tiveram divergências, desentendimento este que gerou até violência.”  (IBGE: A história de Brejo dos Santos. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/brejo-dos-santos/historico. Acesso no dia 24 de fevereiro de 2018)

Para falarmos sobre a sua vida precisamos montar o contexto de sua época para compreendermos as motivações que o fizeram vir para a cidade Boa Viagem e a importância de sua família para o cenário político e econômico de nosso Município nas últimas décadas.
Diante disso faz-se necessário conhecermos os fatos que estavam acontecendo em sua terra natal:

“Mas nessa mesma noite de festa começavam os problemas com os católicos daquele sítio e região; eles não possuíam um templo, uma capela sequer, e ficaram tomados de inveja, eles que se diziam pertencer a igreja verdadeira estavam em desvantagem.” (LIMA CARNEIRO, 2006: p. 27)

Por conta desses fatos uma boa parte dos protestantes que se estabeleceram na localidade de Pitombeira, a 17 quilômetros da cidade de Boa Viagem, vieram perseguidos pela intolerância religiosa que estava acontecendo no Sertão do Estado da Paraíba.
A população sertaneja dessa época não estava preparada para a quebra do monopólio religioso existente, a chegada de pessoas que interpretavam o Cristianismo de uma forma diferente de Roma assustava. Todos eram da mesma religião, possuíam o mesmo credo, porém confessavam a Cristo de forma diferente da confissão romana:

“A perseguição aos protestantes de Brejo dos Cavalos, atual Brejo dos Santos, não se limitou à derrubada dos templos evangélicos, mas também às ameaças de morte e espancamentos que deixaram sequelas e, por conseguinte, até a morte. Todas as ações eram comandadas por um sacerdote católico chamado Padre Otaviano. Dentre as ações temerárias, só para deixar patente o nível rasteiro da perseguição imposta aos protestantes, o referido sacerdote chegou a disseminar entre toda a população que o batismo dos crentes se dava da seguinte forma: ‘o indivíduo ficava de ponta-cabeça, berrando igual a um bode, com uma vela preta na mão e um punhado de sal grosso no ânus’. Por este motivo o pastor protestante da época realizou, no final do ano de 1926, vários batismos no pátio externo da congregação, com o fito único de desmistificar o ardil montado pelo padre.” (VIEIRA CARNEIRO, 2008: p. 1)

Os protestantes que vieram para o Município de Boa Viagem estavam divididos em diversos ramos de uma mesma família. Esse grupo era caracterizado pela instabilidade e a inconstância em seu estabelecimento definitivo.
Algumas destas famílias ficaram vagando entre as diversas localidades da zona rural do Município de Boa Viagem, dependendo completamente das estações chuvosas para poder se fixar.
O primeiro desse grupo de paraibanos, Martins José da Silva, chegou ao Município de Boa Viagem no mês de março de 1926 motivado pelo baixo preço das terras cearenses. Ele era viúvo, antes disso havia sido casado com Francisca Vieira de Freitas, chamada carinhosamente pelos sobrinhos de tia “Queco”, e que, anos antes, em 8 de julho de 1923, por conta de um parto bastante difícil, trigêmeos, havia falecido.
Com o falecimento da sua primeira esposa ele contraiu novas núpcias, dessa vez com Maria Margarida de Andrade, conhecida como “Marizinha”, e decidiu vir para o Ceará. Nessa época, antes de mudarem de Estado, alguns de seus filhos demonstraram grande insatisfação com essa mudança.

Imagem de Sebastião Alves da Silva ao lado de sua esposa.

Imagem de Sebastião Alves da Silva ao lado de sua esposa.

Entre esses filhos estava Delfina Vieira de Freitas, nascida no dia 27 de dezembro de 1911, que temendo perder o contato com Sebastião Alves da Silva, seu pretendente e filho de um mártir protestante, decidiu fugir de casa para casar-se, fato que ocorreu, segundo informações existentes no Cartório de Registro Civil de Catolé do Rocha, tombo nº 21, página 185, no dia 30 de agosto de 1929.

“Ao começar a demolição do templo os crentes que moravam próximos acordaram com o estrépito ensurdecedor dos predadores que agiam como vândalos descontrolados. Um dos presbíteros, José Alves da Silva, que era o patriarca de uma grande família que frequentava aquela igreja, não conformado com aquele barbarismo inconcebível foi reclamar daquela atitude. Os arruaceiros, com fúria infernal, bateram nele até deixá-lo gravemente ferido. Depois de alguns dias, não resistindo aos ferimentos, faleceu!” (LIMA CARNEIRO, 2006: p. 106)

Vale salientar que, mesmo sem permitir o casamento, devido a pouca idade da moça, Sebastião Alves mantinha um bom relacionamento com a família do seu futuro sogro:

“A fuga de sua filha não mudou os seus planos, Martins José da Silva deu continuidade a sua intenção de vir para o Ceará com o restante de sua família.” (SILVA JÚNIOR, 2010: p. 215)

Adquiriu na zona rural do Município de Boa Viagem uma propriedade que era denominada de Pitombeira e ali se estabelece até que, em 1940, Sebastião Alves da Silva e a sua esposa, agora Delfina Vieira da Silva, chegaram ao Município.
O seu estabelecimento definitivo na terra cearense não foi fácil, vieram e voltaram para o Estado da Paraíba outras vezes:

“Ainda em 1938 os irmãos Sebastião Alves da Silva e José Vieira Filho, por causa da perseguição religiosa em Catolé do Rocha e Brejo dos Santos – PB deixam a Paraíba e fixam residência em Pitombeira, no Município de Boa Viagem, dando inicio a uma congregação.” (FRAGOSO VIEIRA, 1990: p. 1)

Nessa primeira passagem moraram próximo ao Rio Conceição, também conhecido como o Rio dos Cachorros, em uma localidade chamada de Lembranças, na propriedade de Antônio Ramiro Carneiro Bié.
Em 1941 passaram uma curta temporada em Pedra Branca, uma localidade rural que existe próximo da vila de Ibuaçu, antigamente denominada de Socorro, até que, em 1942, retornaram novamente para o Estado da Paraíba:

“Depois surgiu outra congregação em Pedra Branca, também no Município de Boa Viagem. Esses trabalhos tornaram-se depois congregações da Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira, dirigida na época pelo Rev. Paulo Moody Davidson.” (SANTANA FILHO, 1996: p. 12)

Em 1943, mais uma vez retornando para o Município de Boa Viagem, adquiriu uma propriedade pertencente ao seu cunhado, Argemiro Vieira da Silva, e para lá mudou-se estabelecendo-se com toda a sua família.
No dia 4 de janeiro de 1949, em uma assembleia de membros da Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira, foi eleito diácono, sendo consagrado a esse ofício pelo Rev. Paulo Moody Davidson.
Nessa época, em sua residência, ocasionalmente eram realizados os cultos da localidade, que costumeiramente tinha a presença de um grande e atento auditório. Ao mesmo tempo mantinham um trabalho religioso na localidade de Pocinhos, na casa de José Totô.
Sebastião e Delfina possuíam uma grande família, ao todo foram doze filhos, sendo eles: Samuel Alves da Silva, Idelzuite Alves da Silva, Delzumira Alves da Silva, Jerniel Alves da Silva, Martins Alves da Silva, Jessé Alves da Silva, Benjamim Alves da Silva, Irenilda Alves da Silva, Natanael Alves da Silva, Iraci Alves de Freitas, Jurandi Alves da Silva e Juraci Alves da Silva.
Em 1955 uma morte prematura marcou a vida dessa família, um de seus filhos, Martins Alves da Silva, de apenas 17 anos, cursando o primeiro ano do curso de Bacharelado em Teologia no Seminário Teológico Congregacional do Nordeste foi acometido de uma terrível doença, o câncer.
Em seu dormitório, na cidade do Recife, em um momento de brincadeira, recebeu uma pancada na perna direita, que mais tarde veio a se originar em uma doença maligna. O período de convalescença foi sentido por toda a família, o seminarista, por medo, não quis aceitar a opinião médica de amputação.
Conta-se que os seus últimos dias foram marcantes sobre a face da terra. Os seus contemporâneos afirmam que Martins era um jovem que fazia sentir a presença de Deus, as pessoas que o vinham confortar saiam admirados com a confiança que ele possuía nos desígnios do Criador.
Antes de sua morte chegou a preparar um grupo de pessoas para celebrarem os cânticos de exaltação a Deus a serem feitos em seu velório. O seu sepultamento foi feito no cemitério da vila de Várzea da Ipueira, sendo uma despedida muito triste, ao ponto de seus familiares se desfigurarem em lágrimas.
O testemunho do jovem Martins era muito apreciado na comunidade em que residia, tão marcante que, entre os amigos de confissão católica foram feitos pedidos para que ele, depois de morto, rogasse a Deus por um copioso inverno.
Coincidentemente até esse dia, 26 de abril, a estação chuvosa parecia não começar, todos acreditavam que o ano seria de grande seca, mas, após a morte de Martins, depois que o seu corpo, dentro de uma rede, repousou no fundo da cova, veio um enorme temporal e todos regressaram para seus lares debaixo de uma forte tempestade.
Em 1956, depois desse marcante episódio, Sebastião e toda a sua família vieram definitivamente para cidade de Boa Viagem e se constituíram em uma grande força para o trabalho protestante que se iniciava na cidade, passando a residir na Rua 26 de Junho, nº 325, Centro.
Sebastião Alves da Silva foi batizado aos 22 anos de idade pelo Rev. Harry Gerald Briault, missionário da UESA, União Evangélica Sul-americana, em 1929, em Brejo dos Santos, e foi reconhecido como diácono da Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem no dia 24 de junho de 1956.

Sebastião Alves da Silva e Pompeu Fragoso Vieira.

Sebastião Alves da Silva e Pompeu Fragoso Vieira.

O seu amor pela Palavra de Deus o motivou a aprender a ler, nunca frequentou uma escola, mas, com muito esforço, aprendeu a decifrar os signos da leitura estudando a Bíblia Sagrada. Era um homem detentor de muitas virtudes, entre elas, além do constante bom humor e simpatia estava à hospitalidade.
Depois que chegou a cidade iniciou a exploração de uma mercearia no Mercado Público Municipal, que mais tarde receberia o nome de um de seus filhos, Jessé Alves da Silva. Na época a sua clientela era formada principalmente pelos homens alistados nas forças de trabalho patrocinadas pelo Governo Federal contra a estiagem.
Muito temente a Deus, sempre que tinha oportunidade, compartilhava de sua fé com aqueles que não conheciam o Evangelho. Comprometido com a expansão do Reino deu uma enorme contribuição para a construção do templo da congregação que atualmente existe na localidade de Pitombeira.
Mesmo residindo na cidade conciliava as suas atividades de comerciante e agropecuarista, nunca abandonando o campo, mesmo depois de aposentado continuou a explorar a sua atividade de vocação até que, na manhã do dia 30 de maio de 1977, juntamente com a sua família, foi surpreendido pelo trágico acidente sofrido pelo seu filho primogênito:

“Em uma dessas viagens, quando buscava o entroncamento que levasse à Rodovia Federal Alberto Santos Dumont, a BR-116, trafegava pelo Estado de Goiás e estava atrasado para a entrega dos animais. Nessa oportunidade o veículo era conduzido por um inexperiente motorista, de apenas 23 anos de idade, visto que não sabia dirigir e provavelmente estava bastante cansado da enfadonha viajem. O seu caminhão Mercedes Bens 1113, de cor vermelha, sofreu um grave acidente frontal envolvendo uma caçamba que estava carregada de arroz, nesse desastre todos os envolvidos vieram a óbito.” (SILVA JÚNIOR, 2009: Samuel Alves da Silva. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/samuel-alves-da-silva/. Acesso no dia 30 de abril de 2016)

Pouco tempo depois, no dia 24 de novembro de 1979, em uma infeliz coincidência, uma nova tragédia se abateu sobre a sua família, quando foi surpreendido pelo falecimento de seu neto, Hélio Alves da Silva, em um acidente automobilístico:

“Apesar da significativa perda tudo caminhava bem em sua vida até que, na noite do dia 24 de novembro de 1979, sozinho em sua cabine, trafegando pela Rodovia Estadual CE-060, conhecida como ‘a rodovia do algodão’, quando voltava da cidade de Juazeiro do Norte, ao atingir a localidade de Sítio Bravo, prestes a entrar na cidade de Iguatu, na região Centro-Sul do Estado, o seu veículo sofreu um gravíssimo desastre. Nessa ocasião o caminhão já vinha descarregado e em alta velocidade até que, quando chegou a um local de declive e em curva, perdeu a direção e bateu violentamente contra um corte que ainda existe na rodovia. No impacto o veículo tombou violentamente na pista danificando todo o lado direito, deixando o seu motorista gravemente ferido.” (SILVA JÚNIOR, 2009: Hélio Alves da Silva. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/helio-alves-da-silva-2/. Acesso no dia 30 de abril de 2016)

No dia 20 de janeiro de 1990, prestes a completar 83 anos de idade, veio repentinamente a falecer na cidade de Boa Viagem.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, que foram realizadas pelo Rev. Ezequiel Fragoso Vieira no templo da Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, n° 295, Centro.

Mausoléu da Família Alves.

Imagem do mausoléu da Família Alves da Silva, em 2010.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, através da lei nº 550, de 12 de dezembro de 1991, uma das ruas do Bairro de Nossa Srª de Fátima, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua denominação;
  2. Em sua memória, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, através da lei n° 763, de 4 de outubro de 2001, uma escola da rede municipal recebeu o seu nome;
  3. Em sua memória, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva o hospital infantil recebeu a sua nomenclatura, mas essa regulamentação só veio através da lei nº 1.071, de 19 de outubro de 2010, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef.

32 ideias sobre “Sebastião Alves da Silva

  1. Pingback: Benjamim Alves da Silva | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Samuel Alves da Silva | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Natanael Alves da Silva | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Boa Viagem | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Rua Samuel Alves da Silva | História de Boa Viagem

  6. Pingback: Rua Natanael Alves da Silva | História de Boa Viagem

  7. Pingback: Rua Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  8. Pingback: Hélio Alves da Silva | História de Boa Viagem

  9. Pingback: Biografias | História de Boa Viagem

  10. Pingback: Rua Sebastião Alves da Silva | História de Boa Viagem

  11. Pingback: Hospital Infantil Sebastião Alves da Silva | História de Boa Viagem

  12. Pingback: Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  13. Pingback: Rua Padre José Patrício de Almeida | História de Boa Viagem

  14. Pingback: ABRIL | História de Boa Viagem

  15. Pingback: JANEIRO | História de Boa Viagem

  16. Pingback: Edina da Silva Vieira | História de Boa Viagem

  17. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Várzea da Tapera | História de Boa Viagem

  18. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Pitombeira | História de Boa Viagem

  19. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem | História de Boa Viagem

  20. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira | História de Boa Viagem

  21. Pingback: Rev. Antônio Francisco Neto | História de Boa Viagem

  22. Pingback: Jessé Alves da Silva Filho | História de Boa Viagem

  23. Pingback: Edson Alves da Silva | História de Boa Viagem

  24. Pingback: Travessa Sebastião Alves da Silva | História de Boa Viagem

  25. Pingback: José Gomes de Oliveira | História de Boa Viagem

  26. Pingback: Manoel Antero da Silva | História de Boa Viagem

  27. Pingback: Porcina Luiza dos Santos | História de Boa Viagem

  28. Pingback: Salomé Antero de Oliveira | História de Boa Viagem

  29. Pingback: Enoque Antero da Silva | História de Boa Viagem

  30. Pingback: Moisés Antero da Silva | História de Boa Viagem

  31. Pingback: Delfina Alves da Silva | História de Boa Viagem

  32. Pingback: Travessa Padre José Bezerra do Vale Filho | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta