Eleotério Manoel da Silva

Eleotério Manoel da Silva nasceu no dia 21 de fevereiro de 1921 no Município de Pombal, que está localizado no Sertão paraibano, distante 371 quilômetros da cidade de João Pessoa, sendo filho de Manoel Ananias da Silva e de Luíza Maria de Sousa.
O seu avô paterno se chamava Ananias de Sousa, já os maternos eram José Antônio de Sousa e Jobelina Silva Sousa.
Passou grande parte de sua infância e juventude no “Sítio Gado Bravo”, uma pequena localidade existente na zona rural do Município de Pombal, onde os seus pais possuíam uma pequena propriedade.
Nos primeiros anos da década de 1940, por conta das perseguições que foram motivadas pela intolerância religiosa, muitos de seus parentes e conhecidos saíram do Sertão paraibano e se estabeleceram em uma localidade que é denominada de Cachoeira, na zona rural do Município de Boa Viagem.
Antes disso, em 1941, segundo informações existentes no livro B-36, pertencente ao Cartório de Registro Civil de Pombal, tombo nº 1.296, folha 71v, contraiu matrimônio com Sebastiana Fragoso da Silva, que nasceu no dia 13 de março de 1927, sendo filha de Daniel Fragoso Vieira com Francisca Raquel de Freitas.
Desse matrimônio foram gerados onze filhos, sete homens e quatro mulheres, sendo eles: Almira Fragoso Vieira, Manoel Fragoso da Silva, Daniel Fragoso Neto, Josiel Fragoso da Silva, Altamira Silva de Sousa, Aurinete Fragoso da Silva, Misael Fragoso da Silva, Joel Fragoso Sobrinho, Ismael Fragoso da Silva, Aureni Fragoso da Silva e Israel Fragoso da Silva.
Em 1951, segundo informações existentes no livro de atas da Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira, depois de ter sido eleito em assembleia ao ofício de diácono, foi consagrado em um culto solene pelo Rev. Cecil Flechtel.

Imagem do Presb. Eleotério Manoel e a sua esposa, Sebastiana Vieira.

Imagem do Presb. Eleotério Manoel e a sua esposa, Sebastiana Fragoso.

Alguns anos depois, no dia 27 de fevereiro de 1966, foi escolhido pela assembleia da mesma igreja para o exercício do presbiterato, sendo consagrado poucos dias depois pelo Rev. Ezequiel Fragoso Vieira.
Durante muitos anos residiu com a sua família na Rua 21 de Novembro, nº 475, esquina com a Rua José de Queiroz Sampaio, no Bairro José Rosa, na cidade de Boa Viagem.
No dia 24 de maio de 1991, juntamente com os seus familiares, foi surpreendido pelo repentino falecimento de um de seus irmãos, José Pedro de Sousa.
Nessa época, embora nunca tenha se envolvido diretamente na política partidária do Município de Boa Viagem, deu apoio ao projeto político de seu sobrinho e genro, Ezaú Fragoso da Silva, em pleitear uma das cadeiras da Câmara Municipal de Boa Viagem, que recebeu uma grande quantidade de votos.

“No dia 3 de outubro de 1992, militando dentro dos quadros políticos do PSDB, o Partido da Social Democracia Brasileira, resolveu colocar o seu nome pela primeira vez em uma disputa eleitoral por uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores e com a legenda nº 45.661 conseguiu ser eleito com 771 votos, sendo o vereador com a maior votação dessa eleição.” (SILVA JÚNIOR, 2015: Ezaú Fragoso da Silva. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/ezau-fragoso-da-silva/. Acesso no dia 8 de março de 2019)

Mais tarde, no pleito eleitoral de 2004, contando com o desejo de seu genro, foi a vez de dedicar apoio ao seu filho caçula em ingressar na vida pública.

“No ano de 2004, lança o seu cunhado Ismael Fragoso, até então forte e valioso parceiro em sua trajetória política, ao cargo de vereador, recebendo também incontestável aprovação popular, sendo o vereador mais bem sufragado naquela eleição; também o apoiou em 2008 na candidatura vitoriosa do Ismael ao cargo de vice-prefeito do Município de Boa Viagem.” (SILVA JÚNIOR, 2012: Ezaú Fragoso da Silva. Disponível em http://www.camaraboaviagem.ce.gov.br/vereadores.php?bg=19. Acesso em 8 de março de 2019)

Algum tempo depois, no dia 8 de março de 2006, conforme informações existentes no livro C-06, pertencente ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 4.702, folha 209, faleceu vítima de ataque cardiorrespiratório, no Hospital e Maternidade Adília Maria de Lima, aos 85 anos de idade.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado no mausoléu da família que existe no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, no Bairro Centro da cidade de Boa Viagem.

Imagem do túmulo de Eleotério Manoel da Silva, em 2018.

BIBLIOGRAFIA:

  1. NASCIMENTO, Cícero Pinto de. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  2. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Andarilhos do Sertão: A Chegada e a Instalação do Protestantismo em Boa Viagem. Boa Viagem, CE: Premius, 2010.
  3. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Ezaú Fragoso da Silva. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/ezau-fragoso-da-silva/. Acesso no dia 8 de março de 2019.
  4. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Ezaú Fragoso da Silva. Disponível em http://www.camaraboaviagem.ce.gov.br/vereadores.php?bg=19. Acesso em 8 de março de 2019.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, través da lei nº 985, de 19 de dezembro de 2007, uma das ruas do Bairro de Nossa Srª de Fátima, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura;
  2. Em sua memória, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, través da lei nº 1.215, de 30 de setembro de 2014, uma das ruas do Bairro Tibiquari, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.