A Lagoa do Cavalo Morto

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A Lagoa do Cavalo Morto é um atrativo com potencialidade turística que faz parte dos equipamentos da Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima, que está localizada entre a Avenida São Vicente de Paulo e a Rua José Rangel de Araújo, no Centro da cidade de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Busto de Antônio Domingues Álvares e Agostinha Sanches de Carvalho, o local é considerado como marco 0 da cidade.

Imagem da estátua de Antônio Domingues Álvares e Agostinha Sanches de Carvalho, o local é considerado como “o Marco Zero do Município”.

Uma estátua é uma obra de escultura criada com a finalidade de representar uma pessoa, real ou imaginária, ou situação vivida por ela.

UM POUCO DE SUA HISTÓRIA:

Esse local é tido como onde o cavalo que transportava ao Alferes Antônio Domingues Alvares e a sua companheira, Agostinha Sanches de Carvalho, tombou morto por conta da fatigante viagem a qual foi submetido, dando origem a versão romântica da história da fundação do Município de Boa Viagem.

Imagem da Lagoa do Cavalo Morto na década de 1990.

Alguns anos depois, nos primeiros anos da década de 1980, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, depois da construção do Centro Administrativo Governador Virgílio de Morais Fernandes Távora, essa obra de arte foi colocada em sua entrada para representar esse episódio.

“… na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, desejando construir um edifício para abrigar o centro administrativo do Poder Executivo em uma área nobre da cidade, o Governo Municipal negociou parte do terreno dessa praça com o administrador do patrimônio da Paróquia, que na época era gerenciado pelo Pe. Paulo Ângelo de Almeida Medeiros. Depois dessa negociação o Centro Administrativo Governador Virgílio de Morais Fernandes Távora, que foi isolado por uma grade, ficou separado daquilo que era conhecido como Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima. No espaço separado como paço municipal, inicialmente foi colocado o busto do Mons. Jose Cândido…” (SILVA JÚNIOR, 2015: Praça Monsenhor José Cândido de Queiros Lima. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/praca-monsenhor-jose-candido-de-queiroz-lima-2/. Acesso no dia 29 de dezembro de 2017)

Nessa época, por conta de uma polêmica gerada pelo pároco do Município, o Pe. Paulo Ângelo de Almeida Medeiros, que não permitia a colocação de bancos na praça, essas estátuas foram colocadas dentro do perímetro da Prefeitura de Boa Viagem.

“… essa praça, que ficava fora da grade do paço municipal, recebeu a sua primeira colocação de piso, que era de mosaico vermelho, jardinação e o plantio de algumas palmeiras. Desse período, uma curiosidade desse local é que a praça não possuía bancos, uma imposição do pároco da época.” (SILVA JÚNIOR, 2015: Praça Monsenhor José Cândido de Queiros Lima. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/praca-monsenhor-jose-candido-de-queiroz-lima-2/. Acesso no dia 29 de dezembro de 2017)

Pouco tempo depois, por conta do desleixo de algumas administrações, essa praça ficou bastante deteriorada, passando aos olhos do povo que necessitava de uma ampla reforma.
Muitos anos depois, nos primeiros anos de 2000, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, essa praça passou por uma grande reforma e essas estátuas foram transferidas de local, ficando entre o prédio da prefeitura e à Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem.

“Depois da morte do pároco do Município, o Pe. Paulo Ângelo de Almeida Medeiros, a pedido da população, o Governo Municipal resolveu instalar os bancos e fechar uma rua que existia na lateral esquerda da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem. Outra mudança que merece destaque foi a retirada da grade que mantinha o paço municipal isolado da Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima e a junção dessa com a Praça José de Queiroz Sampaio, que hoje é tratada como se nunca tivesse existido. Ainda nesse tempo, de forma artística, o calçadão da praça foi valorizado recebendo o desenho que simboliza a ‘Lagoa do Cavalo Morto’ e a construção de um monumento que representa o Cachoeirão das Almas, importante atrativo com potencialidade turística de nosso Município.” (SILVA JÚNIOR, 2015: Praça Monsenhor José Cândido de Queiros Lima. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/praca-monsenhor-jose-candido-de-queiroz-lima-2/. Acesso no dia 29 de dezembro de 2017)

Ainda nesse tempo, de forma artística, o calçadão da praça foi valorizado recebendo o desenho que simboliza a “Lagoa do Cavalo Morto” e a construção de um monumento que representa o Cachoeirão das Almas, um importante atrativo com potencialidade turística de nosso Município.

Imagem da reforme da Lagoa do Cavalo Morto.

No dia 22 de setembro de 2014, nesse local, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, por meio pela lei municipal nº 1.214, esse local foi declarado como o marco geográfico de partida das distâncias do Município de Boa Viagem, recebendo o Marco Zero.

AS SUAS CARACTERÍSTICAS:

A Lagoa do Cavalo Morto, que possui uma intencionalidade turística, apresenta algumas características físicas, sendo elas:

Acessibilidade: Sim.
Administração: Governo do Município.
Coordenadas: (S) 05° 07′ 34.4” (W) 39° 43′ 48.7”.
Iluminação: Sim.
Informações: 88.3427-1132.
Responsável: Secretaria da Infraestrutura.
Tipo: Público.
Vigilância: Sim.