Antônio Lopes de Mesquita Galvão

Antônio Lopes de Mesquita GalvãoAntônio Lopes de Mesquita Galvão nasceu no dia 17 de abril de 1862 no Município de Santa Quitéria, que está localizado na região Noroeste do Estado do Ceará, distante 222 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Antônio Matias de Magalhães Oliveira e de Felisbela Maria de Barros.
Era casado com Maria Pia Martins Galvão, com quem gerou apenas uma filha, que se chamava Amabélia Martins Galvão.
Foi agropecuarista e possuía terras na localidade de Belém do Biés, no Distrito de Ibuaçú.
No dia 29 de novembro de 1882, em um discurso de repúdio proferido na tribuna da Assembleia Provincial do Ceará, o Deputado João Paulino de Barros Leal nos relata as condições de convivência entre as autoridades nomeadas pelo Governo da Província e os criminosos da região:

“O delegado e subdelegado de Independência convivem com criminosos de morte, com eles se divertindo em sambas, onde os seus brasões ou as suas proezas são contadas por aqueles ao som da infalível viola, como há pouco sucedeu na povoação das Vertentes, entre aquelas autoridades e o criminoso Julião, ex-escravo de D. Luíza de Matos, feroz assassino do infeliz Antônio Joaquim; como muitas vezes tem sucedido entre o subdelegado de polícia do Distrito de Belém, termo de Quixeramobim, Antônio Lopes de Mesquita Galvão, e os criminosos Joaquim, Geracina (mais outros, nomeia) reunidos desfrutam os sambas da serra do Machado, nos quais figuram de músico o subdelegado, com o seu realejo, e um dos criminosos com a sua rabeca, para fazer dançar os demais…” (MARTINS FILHO, 2000: p. 139)

Mesmo depois desse inflamado discurso, que envolveu o seu nome, segundo as informações existentes no periódico abolicionista O Libertador, ano 3, nº 279, página 2, edição do dia 20 de dezembro de 1883, foi novamente nomeado sub-delegado no Município de Boa Viagem exercendo esse ofício na comunidade de Belém do Biés.

Antônio Lopes de Mesquita Galvão e família.

Imagem de Antônio Lopes de Mesquita Galvão e a sua família.

Alguns anos depois desse incidente, que foi relatado na Assembleia da Província, conseguiu ser eleito intendente do Município de Boa Viagem no lugar de Salviano de Sousa Leitão.
Assumiu essa função pública depois de ter sido escolhido pela Câmara Municipal de Vereadores do Município de Boa Viagem para o exercício do cargo entre os dias 28 de setembro de 1912 ao dia 21 de abril de 1914, quando foi substituído por Josias Barbosa Maciel.
Segundo as informações contidas no relatório do Recenseamento dos Estabelecimentos Rurais do Estado do Ceará, documento que foi publicado no dia 1º de setembro de 1920 pelo Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria, página 35, era agropecuarista e a sua propriedade era localizada em um local denominado de Lages dos Sousas.
Segundo informações existentes no livro C-01, pertencente ao Cartório de Registro Civil da vila de Ibuaçu, 1º Ofício, tombo nº 60, folha 11v, faleceu às 6 horas da manhã, aos 93 anos de idade, no dia 3 de fevereiro de 1955.
Logo após o seu óbito, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no mausoléu da família existente no Cemitério da vila de Ibuaçu.

5 ideias sobre “Antônio Lopes de Mesquita Galvão

  1. Pingback: Josias Maciel | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Administração de 1913 – 1916 | História de Boa Viagem

  3. Pingback: BIOGRAFIAS | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Salviano de Sousa Leitão | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Mozart Galvão Monteiro | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta