Pe. João Antônio do Nascimento e Sá

Padre-João-Antônio-do-Nascimento-e-SáJoão Antônio do Nascimento e Sá nasceu no dia 29 de setembro de 1839 no Município de Sousa, que está localizado no Sertão paraibano, distante 427 quilômetros da cidade de João Pessoa, sendo filho de Antônio José Pereira de Sá e de Antônia Nunes da Silveira.
Pouco sabemos sobre a sua infância, mas o certo é que, ainda bem jovem, demonstrando pendor ao sacerdócio, foi encaminhado aos estudos eclesiásticos, até concluí-los no Seminário Episcopal do Ceará, atual Seminário da Prainha, que está localizado na Rua Tenente Benévolo, nº 201, Centro, onde foi ordenado aos 25 anos de idade, na cidade de Fortaleza, capital da Província do Ceará, no dia 20 de setembro de 1862, pelo bispo diocesano, Dom Luís Antônio dos Santos.
Algum tempo depois, no dia 15 de maio de 1864, foi nomeado mestre de cerimonia da Catedral Metropolitana de Fortaleza, função que exerceu por pouquíssimo tempo, pois alguns dias depois, em 25 de maio, foi designado pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem, que está localizada no Sertão de Canindé da Província do Ceará, ocasião em que substituiu ao Pe. Antônio Correia de Sá.
Tomou posse de sua provisão no dia 12 de maio e nessa paróquia, de acordo com as notas do Dr. Leonardo Mota, existentes no Arquivo Público do Estado do Ceará, deu continuidade a mesma solicitação feita incessantemente pelo seu antecessor, que foi a construção de um cemitério público na cidade de Boa Viagem:

Ofício de 1º de agosto de 1864 – O vigário da paróquia, Pe. João Antônio do Nascimento e Sá presta informações ao presidente da Província, Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo, sobre as necessidades de sua freguesia, as quais são muitas, avultadas a de um cemitério.” (MOTA, APEC: p. 214)

Diante das grandes dificuldades a serem enfrentadas, permaneceu como pároco do Município de Boa Viagem por pouco tempo, pois solicitou a sua transferência à Diocese de Fortaleza, ficando nessa paróquia até o dia 28 de setembro de 1866, período em que acumulou a função de inspetor escolar, também executada por seu antecessor.
Depois disso, após as formalidades de praxe, entregou à inspetoria escolas de Boa Viagem e o comando da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem aos cuidados do Pe. Francisco Inácio da Costa Mendes, e pouco tempo depois, no dia 12 de março de 1867, foi nomeado pároco encomendado da Paróquia de Nossa Senhora da Glória, no Município de Maria Pereira, atual Mombaça, que também está localizada no Sertão cearense:

Ofício de 12 de outubro de 1866 – O bispo, D. Luis Antônio dos Santos, comunica ao presidente da Província, João de Sousa Melo e Alvim, que o Pe. João Antônio do Nascimento e Sá foi exonerado da coadjutoria de Boa Viagem.”  (MOTA, APEC: p. 215)

Nessa ocasião, por coincidência, como ocorreu no Município de Boa Viagem, foi designado vigário coadjutor da Paróquia de Nossa Senhora da Glória ao lado de seu tio, o Pe. João do Nascimento e Sá, tomando posse dessa função no dia 12 de abril de 1867 e um ano depois, justamente em 12 de abril de 1868, passou a ser o seu vigário:

Ofício de 13 de março de 1868 – O bispo da Diocese de Fortaleza, D. Luís Antônio dos Santos, comunica ao presidente da Província do Ceará, Pedro Leão Veloso, que o Pe. João Antônio do Nascimento e Sá foi transferido da vigaria de Boa Viagem para a de Maria Pereira e o Pe. Francisco Inácio da Costa Mendes, dispensado da coadjutoria de Boa Viagem, foi nomeado vigário da mesma freguesia e o Pe. João Antônio do Nascimento e Sá, dispensado da vigaria de Maria Pereira, foi nomeado coadjutor da mesma freguesia.” (MOTA, APEC: p. 215)

Depois disso, no dia 29 de novembro de 1870, foi nomeado inspetor literário do Distrito de Pedra Branca, hoje Município, que também está localizado no Sertão do Ceará, pelo presidente da Província, João Antônio de Araújo Freitas Henriques.
De acordo com o testemunho de alguns de seus contemporâneos, era um homem portador de brilhante inteligência, possuía uma boa oratória e no exercício de suas funções eclesiásticas sempre deu as mais positivas provas do seu valor moral e do seu bem formado espírito de cristão.
Segundo informações do escritor Fernando Antônio Lima Cruz, era “considerado um sacerdote de costumes puros, de alto e nobre caráter, muito querido e respeitado por seus paroquianos, tinha, porém, alguns hábitos interessantes, era exímio marcador de quadrilha e excelente dançarino de valsas vienenses. Sempre que tinha oportunidade, comparecia aos bailes promovidos pela melhor sociedade local vestindo em uma elegante casaca”.
No dia 4 de janeiro de 1874, já residindo na cidade de Pedra Branca, tomou posse da Paróquia de São Sebastião, pouco tempo depois, segundo informações do periódico A Constituição, ano XII, edição do dia 29 de abril de 1874, página nº 3, foi levianamente acusado de realizar um casamento irregular, fato cuidadosamente justificado por Delfino Alves Pinheiro e Lima:

“Ilmo. Sr. Redator da Constituição, na Fraternidade, jornal do dia 4 de fevereiro que veio às mãos por intermédio de um amigo de Quixeramobim… um comunicado em que alguém procura fazer mal ao Rev. João Antônio do Nascimento e Sá, digno vigário encomendado de Maria Pereira, invocando o meu nome como testemunha do casamento de Antônio Sabino de Araújo com uma filha da Srª D. Francisca Maria da Glória, dizendo-se que esse casamento fora feito com violência e com as formalidades canônicas, mediante a quantia de um conto de réis… então vigário dessa freguesia. Parecia-me que não houvesse quem acreditasse em semelhante calunia… contra o digno vigário cuja reputação ilibada o tem feito estimado de todos que o conhecem.”

Durante muitos anos foi o líder do Partido Liberal no Município de Maria Pereira, conseguindo inclusive ser eleito Deputado Provincial em duas legislaturas:

“Outro ramo da família, os Nascimento e Sá, membros do Partido Liberal e liderados pelo Pe. João Antônio do Nascimento e Sá, esteve à frente do Governo do Município em um determinado período.” (LIMA CRUZ, 2010: p. 44)

Na primeira delas, em 1881, sob a presidência do Dr. Helvécio da Silva Monte, participou da composição da mesa diretora da Assembleia Legislativa da Província, ocupando dessa feita a função de 1º vice-presidente.
Já na segunda, na legislatura de 1883, conseguiu ser eleito pelos seus pares como presidente da mesa diretora da Assembleia Legislativa na sessão do dia 2 de outubro de 1883:

“É de se assinalar que o Pe. João do Nascimento e Sá, o primeiro pároco de Pedra Branca, fora o quinto de Maria Pereira no período de 1838 a 1842. Ainda em Maria Pereira, o Pe. João do Nascimento e Sá foi o seu sétimo pároco, de 12 de abril de 1867 a 12 de março de 1868; foi substituído pelo seu sobrinho, Pe. João Antônio do Nascimento e Sá, que paroquiou no largo período de 12 de março de 1868 a 21 de agosto de 1884, data em que morreu, sendo sepultado na Matriz de Nossa Senhora da Glória… Deputado provincial por duas legislaturas, sendo presidente da Assembleia em 1883…. Os Padres João e João Antônio eram parentes do Padre Sarmento Benevides, vigário de Maria Pereira…” (CAVALCANTE, 2004: p. 245-246)

Foi pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, em Maria Pereira, durante 16 anos, quando repentinamente, no Sítio Sobradinho, no dia 21 de agosto de 1884, com apenas 45 anos de idade, provavelmente depois de um infarto fulminante, veio a óbito no auge de seu ministério pastoral e carreira política.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória em Mombaça.

Imagem da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, na cidade de Mombaça.

A notícia de seu falecimento causou forte comoção entre os seus paroquianos, e depois de longas homenagens o seu corpo foi sepultado no interior da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, em Mombaça.

BIBLIOGRAFIA:

  1. LIRA, João Mendes. Subsídios para a História Eclesiástica e Política do Ceará. Fortaleza: Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1984.
  2. LIMA CRUZ, Fernando Antonio. Padre Sarmento de Benevides: Poder e Política nos Sertões de Mombaça (1853-1867). Fortaleza: Expressão Gráfica, 2010.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto de. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  4. SILVEIRA, Aureliano Diamantino. Ungidos do Senhor na Evangelização do Ceará (1700-2004). 1º Vol. Fortaleza: PREMIUS, 2004.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em 1935, em sua homenagem, passou a funcionar no Município de Mombaça o Grupo Escolar Padre João Antônio Nascimento e Sá, com sete professoras, sucedendo às Escolas Reunidas do Município.