José Targino da Silva

José Targino da Silva nasceu no Município de Quixeramobim, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza.
Na época do seu nascimento a cidade de Boa Viagem, que também era conhecida pela alcunha de “Cavalo Morto”, era apenas um pequeno povoado existente dentro dos limites geográficos do Município de Quixeramobim.

“Distrito criado com a denominação de Boa Viagem, ex-povoado de Cavalo Morto, pela lei provincial nº 1.025, de 18 de novembro de 1862. Elevado à categoria de vila com a denominação de Boa Viagem, pela lei provincial nº 1.128, de 21 de novembro de 1864, desmembrado de Quixeramobim.” (IBGE, 2010: Histórico de Boa Viagem. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=230240&search=ceara|boa-viagem|infograficos:-historico. Acesso no dia 13 de julho de 2017).

No dia 29 de outubro de 1864, de acordo com as informações existentes na página 15 do livro B-01, destinado ao tombo dos casamentos da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, em uma cerimônia que foi celebrada pelo Pe. João Antônio do Nascimento e Sá, contraiu matrimônio com Custódia Engrácia de Jesus.
No dia 11 de agosto de 1890 foi indicado pelo Presidente do Estado para ocupar uma das cadeiras do Conselho de Intendência do Município de Boa Viagem, que nessa época era ocupada por Manoel Mendes Correia Lima, função exercida até o dia 31 de março de 1892.

BIBLIOGRAFIA:

  1. CARVALHO, José Murilo de. Sistemas Eleitorais no Brasil. Instituto Tancredo Neves: Fortaleza, 1987.
  2. FERREIRA NETO, Cicinato. A Tragédia dos Mil Dias: A seca de 1877-79 no Ceará. Premius: Fortaleza, 2006.
  3. MOTA, José Aroldo Cavalcante. História Política do Ceará (1889-1930). ABC: Fortaleza, 1996.
  4. VIEIRA JÚNIOR, Antônio Otaviano. Entre Paredes e Bacamartes. História da Família no Sertão (1780-1850). Edições Demócrito Rocha: Fortaleza, 2004.

2 ideias sobre “José Targino da Silva

  1. Pingback: Administração de 1890 – 1892 | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Manoel Mendes Correia Lima | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta