Antônio Otávio de Sousa

Antônio Otávio de SousaAntônio Otávio de Sousa nasceu no dia 6 de novembro de 1924 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Otávio Balbino de Sousa e de Maria Clara de Sousa.
Os seus avós paternos se chamavam Antônio Balbino de Sousa e Maria Jovelina de Sousa, já os maternos eram Jerônimo Serafim de Sousa e Isabel Rodrigues de Sousa.
Na época em que nasceu o Município de Boa Viagem não dispunha de uma casa de parto, fato que obrigou aos seus pais a contar com os valiosos serviços de uma parteira na localidade de Jordão, onde passou grande parte de sua infância.

“Durante muitos anos, os únicos profissionais de saúde existentes em nossa região foram às parteiras, mulheres que normalmente recebiam esse aprendizado de forma hereditária, ou seja, a filha de uma parteira acompanhava a sua mãe no atendimento às mulheres em trabalho de parto auxiliando-a de acordo com as necessidades do momento, possibilitando, assim, após algum tempo de prática, o aprendizado para continuidade do ofício.” (SILVA JÚNIOR, 2016: A História da Saúde no Município de Boa Viagem. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/saude/. Acesso em 25 de outubro de 2016)

Segundo informações existentes no livro B-09, pertencente ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 765, folha 27, no dia 27 de novembro de 1944, na localidade de Poço da Pedra, contraiu matrimônio com Maria Rodrigues de Sousa, que era nascida no dia 23 de fevereiro de 1927, sendo filha de Vicente Rodrigues Fonseca e de Valdimira Rodrigues da Fonseca.
Era agropecuarista e na eleição municipal ocorrida no dia 15 de novembro de 1976, desejando entrar na vida pública por meio de um mandato eletivo na Câmara Municipal de Vereadores, militando nos quadros políticos do MDB, o Movimento Democrático Brasileiro, ficou em uma das suplências de sua coligação.

Imagem de seu material de campanha.

Imagem de seu material de campanha.

Na eleição municipal seguinte, ocorrida no dia 15 de novembro de 1982, dessa vez militando nos quadros políticos do PDS, o Partido Democrático Social, com a legenda nº 1.618, conseguiu receber a confiança de apenas 359 votos, ficando na quinta suplência de seu partido.
Nessa disputa eleitoral o voto era vinculado, quando o eleitor tinha de alinhar a sua escolha entre os poderes Executivo e Legislativo sob a pena de ter o seu voto anulado: 

“Em 15 de novembro de 1982 o eleitorado brasileiro foi chamado a eleger os governadores que administrariam os seus Estados pelo interregno temporal de quatro anos, a contar de 15 de março de 1983, num pleito que envolveu cerca de 70 milhões de eleitores sendo a primeira eleição direta para governador de Estado desde os anos 1960. Neste pleito valeu o ‘voto vinculado’: o eleitor teria que escolher candidatos de um mesmo partido para todos os cargos em disputa, sob pena de anular o seu voto.” (S.N.T)

Alguns meses depois, na sessão ordinária do dia 31 de maio de 1985, depois de uma licença para tratamento médico que foi solicitada pelo Vereador Raimundo Capistrano de Carvalho, tomou posse de sua cadeira por 90 dias.
Mais tarde, no dia 20 de setembro de 1985, assumiu a cadeira deixada pelo Vereador Marcos Luís Cidrão Uchôa, que solicitou uma licença de 120 dias para tratamento médico, fato que voltou a ocorrer no dia 18 de setembro de 1987.
Na sessão ordinária que ocorreu no dia 8 de abril de 1988, foi a vez de tomar posse da cadeira deixada pelo Vereador José Mendes Vieira, que solicitou uma licença de 90 dias para tratamento médico.
Embora tenha desempenhado um bom trabalho nessa legislatura, teve o seu mandato seriamente prejudicado por conta da quebra de sua continuidade e da extrema dependência do Gabinete do Prefeito.
Nessa legislatura, embora não tenha passado todo o período de seu mandato na Câmara, apoiou os projetos encaminhados pelo gabinete do Prefeito José Vieira Filho, sendo eles: A reconstrução da Praça Antônio de Queiroz Marinho; A construção do edifício anexo à Escola de Ensino Médio Dom Terceiro; A construção da Escola de Ensino Fundamental Pe. Paulo de Almeida Medeiros; A construção do edifício da Teleceará e instalação do sistema DDD; A construção do Parque de Vaquejadas e Eventos Joaquim Vieira Lima; A construção do Parque de Exposições Agropecuárias José Vieira de Lima; A construção do Açude Prefeito José Vieira Filho; A construção da Barragem Presidente Tancredo de Almeida Neves; A construção do Açude São José; A construção de cinquenta prédios escolares, postos de saúde e de uma Agência da Previdência Social.
Na eleição municipal seguinte, que ocorreu no dia 15 de novembro de 1988, ainda militando nos quadros políticos do PDS, dessa vez com a legenda nº 25.602, conseguiu receber a confiança de apenas 82 eleitores, ficando em uma das suplências de sua coligação.
Faleceu na cidade de Fortaleza no dia 8 de novembro de 2009, prestes a completar 85 anos de idade.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, por meio da lei nº 1.234, de 17 de abril de 2015, uma das ruas do Bairro Padre Paulo, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.