Antônia Gomes de Melo

Antônia Gomes de Melo nasceu no dia 7 de julho de 1947 no Município de Tamboril, que está localizado no Sertão de Crateús, no Estado do Ceará, distante 301 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filha de José Rodrigues Gomes e de Gervina Barbosa Gomes.
Os seus avós paternos se chamavam Raimundo Gomes da Silva e Maria Rodrigues da Silva, já os maternos eram Damião Barbosa Nascimento e Maria Cordolino Sousa.
Na época em que nasceu, por residir no limite com o Município de Boa Viagem, que possuía maior desenvolvimento, a cidade não dispunha de uma casa de parto, fato que obrigou aos seus pais a contar com os valiosos serviços de uma parteira na localidade de Espírito Santo, onde passou grande parte de sua infância:

“Durante muitos anos, os únicos profissionais de saúde existentes em nossa região foram às parteiras, mulheres que normalmente recebiam esse aprendizado de forma hereditária, ou seja, a filha de uma parteira acompanhava a sua mãe no atendimento às mulheres em trabalho de parto auxiliando-a de acordo com as necessidades do momento, possibilitando, assim, após algum tempo de prática, o aprendizado para continuidade do ofício.” (SILVA JÚNIOR, 2016: A História da Saúde no Município de Boa Viagem. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/saude/. Acesso em 23 de junho de 2017)

Pouco tempo depois, por volta de 1953, os seus pais passaram a residir na localidade de Nossa de Nossa Senhora do Livramento, na época dentro dos limites geográficos do Município de Boa Viagem, que algum tempo mais tarde passou a ser uma importante vila do Município de Monsenhor Tabosa:

“Em divisão territorial datada de 31 de dezembro 1937, o Distrito de Monsenhor Tabosa figura no Município de Tamboril, assim permanecendo em divisão territorial datada de 1º de julho de 1950. Elevado à categoria de Município com a denominação de Monsenhor Tabosa, pela lei estadual nº 1.153, de 2 de novembro de 1951, desmembrado de Tamboril, sendo instalado em 25 de março de 1955… Pela lei estadual nº 6.898, de 16 de dezembro de 1963, é criado o Distrito de Nossa Senhora do Livramento e anexado ao Município de Monsenhor Tabosa.” (IBGE, 2000: Histórico do Município de Monsenhor Tabosa. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=230860&search=ceara|monsenhor-tabosa|infograficos:-historico. Acesso no dia 23 de junho de 2017)

Nessa época, desejando dar instrução formal aos seus filhos, os seus pais contrataram os serviços de uma professora particular, que conseguiu lhe transmitir os conhecimentos equivalentes de um 4º ano do Ensino Fundamental de nossos dias.

Imagem de sua infância.

Mais tarde, depois do encerramento da sociedade comercial que havia entre o seu pai e o Sr. Luiz Alves de Mesquita, a sua família passou a residir na cidade de Crateús, aonde não se adaptaram e depois de seis meses retornaram para o Município de Tamboril, fixando residência nessa ocasião na localidade denominada de Grota Verde:

“De todos os estabelecimentos comerciais de Monsenhor Tabosa, o que mais me marcou, deixando-me grandes recordações, foi ‘A Quiteriense’, a loja de Luiz Alves de Mesquita… com o correr dos tempos e o desenvolvimento dos negócios, ‘A Quiteriense’ expandiu-se e abriu filiais, uma na Madalena, hoje Catunda… e outra no Livramento, sob a responsabilidade, inicialmente do Sr. João Veríssimo e depois, do Sr. Anastácio Martins de Araújo, do Sr. Gonçalo de Farias e por fim do Sr. José Rodrigues Gomes.” (MESQUITA, 2000: p. 43 – 44)

Nessa localidade, juntamente com os seus pais, assistiu a partida de alguns dos seus irmãos para cidade de Brasília, que nessa época estava sendo construída e se constituía em um local de refugiu para muitos cearenses que fugiam dos seguidos anos de secas.

Imagem de sua primeira comunhão.

Pouco tempo depois, nos primeiros meses de 1965, na gestão do Prefeito Dr. Manuel Vieira da Costa, o Nezinho, com apenas 17 anos de idade, morando na Fazenda Flores, propriedade que foi adquirida pelos seus pais, passou a lecionar como contratada pela Prefeitura de Boa Viagem na localidade de Poço Grande em uma escola denominada de Escola Silva e Sousa.
Mais tarde, no dia 25 de fevereiro de 1969, já na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, depois de prestar concurso público, foi efetivada no quadro de funcionários do Governo Municipal através da Portaria nº 159 como professora ruralista, chegando à façanha de ter 55 alunos distribuídos em turmas multisseriadas, lecionando inicialmente em sua residência e muitos anos depois na Escola de Ensino Fundamental Dr. Flávio Quintela.
Antes disso, no dia 12 de fevereiro de 1970, com apenas 22 anos de idade, na Igreja Matriz de Nossa Srª da Boa Viagem, em uma cerimônia que foi celebrada pelo Pe. Paulo de Almeida Medeiros, contraiu matrimônio com José Salviano de Melo, que nasceu no dia 8 de maio de 1942, sendo filho de Anastácio Alves de Melo e de Rita Alves Facundo.
Poucos dias depois, em 19 de fevereiro, segundo informações existentes no livro B-22, pertencentes ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 5.144, folha 20v, diante do Dr. Eudes Oliveira, confirmou os seus votos em uma cerimônia civil.
De seu matrimônio foram gerados seis filhos, entretanto apenas quatro conseguiram sobreviver, três homens e uma mulher, sendo eles: Nataniel Gomes de Melo, Jorniel Gomes de Melo, André Gomes de Melo e Flávia Gomes de Melo.
Depois de casada, passou a residir com a sua família na localidade que é denominada de Oiticica, na margem da Rodovia Estadual Senador Fernandes Távora, a CE-266, dentro dos limites do Município de Boa Viagem.
Mais tarde, juntamente com outros professores da rede pública municipal, passou alguns anos recebendo qualificação profissional através do Projeto de Autodidatismo, que tinha por finalidade dar oportunidade aos professores leigos concluírem o antigo primeiro grau, etapa que foi concluída no dia 15 de julho de 1988, sendo promovido pela Secretaria da Educação do Município na Escola de Ensino Fundamental David Vieira da Silva, onde também cursou o Projeto Logus II, recebendo finalmente a sua habilitação ao exercício docente no dia 22 de março de 1990.
Antes disso, nos primeiros meses de 1988, por conta dos baixos salários ofertados na educação, resolveu complementar a sua renda prestando concurso para servir como agente de saúde, estagiando durante oitenta dias no Hospital e Casa de Saúde Adília Maria de Lima, declinando dessa função pouco tempo depois por conta da carga excessiva de trabalho.
Nessa época, em um curto período de tempo, entre 1987 e 1992, juntamente com os seus irmãos, partilhou da perda de seus pais, algo que fortaleceu ainda mais os seus vínculos afetivos familiares.

Imagem da Profª Antônia Gomes de Melo.

No dia 31 de março de 1992, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, com apenas 42 anos de idade, depois de 25 anos ininterruptos de trabalho, foi afastada do quadro efetivo de funcionários ao requerer a sua tão merecida aposentadoria.

3 ideias sobre “Antônia Gomes de Melo

  1. Pingback: Gervina Barbosa Gomes | História de Boa Viagem

  2. Pingback: José Rodrigues Gomes | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Maria do Socorro Gomes Facundo | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta