Francisco Melchiades Mendes

Francisco Melchiades Mendes nasceu no dia 3 de dezembro de 1890 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Manuel Melchiades Mendes Machado e de Maria Salvina Mendes.
Os seus avós paternos se chamavam Manuel Mendes Machado e Maria do Espírito Santo.
Seguindo os costumes da confissão religiosa de seus pais, foi solenemente batizado no dia 6 de janeiro de 1891 pelo Pe. José Antônio Cavalcante na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem.
Segundo informações existentes no livro B-23, pertencente ao Cartório Geraldina, 1º Ofício, tombo nº 9, folha 34v, no dia 24 de julho de 1907 contraiu matrimônio com Maria Luíza de Queiroz, que nasceu em 1895, sendo filha de Manoel Cosme Cavalcante e de Francisca Pereira de Queiroz.
Algum tempo depois, no dia 26 de junho de 1911, segundo informações existentes no livro B-04, pertencente à secretaria da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, tombo nº 52, folha 33, confirmou os seus votos diante do Mons. José Cândido de Queiroz Lima.
Desse matrimônio foram gerados doze filho, dentre eles destacamos Raimunda Mendes da Silva.
Era agropecuarista, residindo durante muitos anos com a sua família na localidade de Serrotinho, na zona rural do Município de Boa Viagem.
No dia 8 de dezembro de 1929, juntamente com os seus familiares, partilhou da notícia do falecimento de sua mãe, que veio a óbito aos 65 anos de idade.

Imagem da Casa de Câmara e Cadeia do Município de Boa Viagem, fim da década de 1940.

Pouco tempo antes disso, desejando entrar na vida pública, conseguiu ser eleito para uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores, desempenhando o seu mandato eletivo na legislatura que ocorreu entre 1928 e 1930.
Faleceu em sua propriedade no dia primeiro de setembro de 1954, aos sessenta e quatro anos de idade.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, Centro.

BIBLIOGRAFIA:

  1. CAVALCANTE MOTA, José Aroldo. História Política do Ceará (1889-1930). ABC: Fortaleza, 1996.
  2. FERREIRA NETO, Cicinato. A Tragédia dos Mil Dias: A seca de 1877-79 no Ceará. Premius: Fortaleza, 2006.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto de. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.