Antônio Almir Pereira Mota

antonio-almirAntônio Almir Pereira Mota nasceu no dia 2 de janeiro de 1956 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Raimundo de Oliveira Mota e de Alice Pereira Mota.
Os seus avós paternos se chamavam Francisco de Oliveira Mota e Maria dos Anjos de Sousa, já os maternos eram José Pereira de Sousa e Joana de Almeida Braga.
Deu início a sua vida escolar sendo matriculado por seus pais em uma das turmas da Escola de Ensino Fundamental Padre Antônio Correia de Sá, onde cursou até a 4ª série do Primeiro Grau.
Mais tarde, depois de prestar o exame de admissão, foi matriculado na Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, onde concluiu o Ensino Fundamental, passando a residir na cidade de Fortaleza.
Nessa época, mesmo sendo uma criança, assistia ao seu pai, que semelhantemente ao seu bisavô paterno ganhava projeção política no Município de Boa Viagem:

“Na eleição municipal que ocorreu no dia 15 de novembro de 1966, desejando entrar na vida pública por meio de uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores, mesmo caminho tomado por seu avô paterno, militando nos quadros políticos do MDB, o Movimento Democrático Brasileiro, partido político que abrigava os opositores do Regime Militar, conseguiu ser eleito ao receber nessa disputa a confiança de 171 eleitores, sendo o primeiro de sua coligação e o último do cômputo geral dessa disputa. Mais tarde, depois de um bom tempo fora da vida pública, no pleito eleitoral ocorrido no dia 15 de novembro de 1976, com muito esforço conseguiu voltar a compor o quadro de representantes do povo na Câmara Municipal de Vereadores.” (SILVA JÚNIOR, 2016: Raimundo de Oliveira Mota. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/raimundo-oliveira-mota/. Acesso no dia 5 de dezembro de 2016)

Pouco tempo antes disso, residindo na cidade de Fortaleza, passou a estudar no Colégio Municipal Filgueiras Lima, que está localizado na Avenida dos Expedicionários, nº 3.910, no Bairro Benfica, onde concluiu o curso Científico.
Mais tarde, nos últimos anos da década de 1970, depois de prestar exame vestibular, passou a estudar no IBESC, o Instituto Brasileiro de Estudos do Ceará, onde cursou o primeiro ano do curso de Economia, trancando o curso pouco tempo depois.
Nessa época, no dia 17 de setembro de 1981, passou a trabalhar no PROAFA, o Programa de Assistência às Favelas da Região Metropolitana de Fortaleza, órgão que estava ligado à Secretaria da Ação Social do Governo do Estado.
Nos últimos anos da década de 1980, já na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, foi cedido pelo Governo do Estado para Secretaria de Promoção Social da Prefeitura de Boa Viagem.
Nessa época, no dia 3 de fevereiro de 1992, depois de algum tempo de namoro, passou a viver em união estável com Vasconcelândia Mesquita Araújo, que nasceu no dia 14 de março de 1952, sendo filha de Antônio Araújo Filho com Maria Mesquita Araújo.
Desse relacionamento foram gerados três filhos, todos homens, sendo eles: Hátila Araújo Pereira Mota, Antônio Almir Pereira Mota Filho e Arthur Araújo Pereira Mota.
Pouco tempo depois, na eleição municipal que ocorreu no dia 3 de outubro de 1992, desejando entrar na vida pública por meio de uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores, militando nos quadros político do PSDB, o Partido da Social Democracia Brasileira, com a legenda nº 45.667, conseguiu ser eleito depois de receber à confiança de 373 eleitores, ficando na penúltima vaga disponível dessa disputa.
Na eleição municipal seguinte, que ocorreu no dia 3 de outubro de 1996, desejando a sua reeleição, dessa vez compondo a bancada do PSC, o Partido Social Cristão, com a legenda nº 20.620, conseguiu receber 915 sufrágios e ficou entre os seis vereadores de maior votação dessa eleição.
Nessa época, em 1999, na gestão do Governador Tasso Ribeiro Jereissati, resolveu sair do quadro de funcionários do Governo do Estado depois de aderir ao PDV, o Plano de Demissão Voluntária, lançado por esse governo.
No ano seguinte, no pleito eleitoral que ocorreu no dia 1º de outubro de 2000, o primeiro a ser completamente informatizado no Município de Boa Viagem, caminhando para o seu terceiro mandato, dessa vez compondo a bancada do PSD, o Partido Social Democrático, com a legenda nº 41.222, recebeu 707 votos e ficou entre os dezessete vereadores de maior preferência entre os eleitores.

Imagem de seu material de campanha.

Imagem de seu material de campanha.

Na eleição municipal do dia 3 de outubro de 2004, voltando aos quadros políticos do PSC, com a legenda nº 20.000, conseguiu receber apenas 681 votos e ficou na suplência de seu partido.

Imagem de seu material de campanha

Imagem de seu material de campanha

No dia 5 de outubro de 2008, decidido a disputar a sua quinta eleição, ainda compondo os quadros políticos do PSC, com a mesma legenda do pleito anterior, conseguiu receber apenas 411 votos, ficando novamente na suplência de sua coligação.

Imagem de seu material de campanha.

Imagem de seu material de campanha.

Algum tempo depois, no dia 26 de maio de 2013, juntamente com os seus familiares, partilhou da inesperada perda de seu pai, que faleceu no Hospital São Carlos, na cidade de Fortaleza.

BIBLIOGRAFIA:

  1. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  2. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Raimundo de Oliveira Mota. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/raimundo-oliveira-mota/. Acesso no dia 5 de dezembro de 2016.