Adelide de Carvalho

adelide-iAdelide de Carvalho nasceu no dia 11 de fevereiro de 1918 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão Central do Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filha de José Cândido de Carvalho e de Maria Emília Araújo de Carvalho.
Os seus avós paternos se chamavam Francisco Alves Madeira e Izabel Fausta de Carvalho, já os maternos eram Manoel Duarte de Araújo e Maria Amélia de Araújo.
Durante a sua infância e juventude teve a magnífica oportunidade de acompanhar a projeção política de seu pai, que teve a oportunidade de desempenhar diversos cargos eletivos no Município de Boa Viagem.
Em 1925, juntamente com o resto de sua família, residiu por uma pequena temporada na cidade de Fortaleza, onde o seu pai passou a ser comerciante, conforme o relato de um de seus irmãos:

“Meu pai adquiriu uma casa comercial em Fortaleza, na Rua Floriano Peixoto, esquina ao lado da antiga Biblioteca Pública. Na mesma rua, na outra esquina do quarteirão, dando para a Praça do Ferreira, estavam o ‘Café Baturité’ e o ‘Café Globo’.” (CARVALHO FILHO, 2008: p. 20)

Depois dessa temporada na cidade de Fortaleza voltou a residir na cidade de Boa Viagem, depois que o seu pai decidiu regressar para o sobrado ainda existente na Rua Agronomando Rangel, nº 345, no Centro da cidade.

Imagem da Família Carvalho em um dia de passeio.

Imagem da Família Carvalho em um dia de passeio.

No dia 20 de maio de 1931, embora ainda sendo muito jovem, engrossou a fileira daqueles que ficaram insatisfeitos com a decisão do interventor de nosso Estado, Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, que decretou a extinção do Município de Boa Viagem.
Nessa ocasião, o Município de Boa Viagem perdeu a sua autonomia política, voltando à condição de Distrito do Município de Quixeramobim:

“O interventor federal do Estado do Ceará, Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, considerando que a atual organização municipal deve ser modificada por não atender ao interesse público; Considerando que, para a constituição de qualquer Município, se torna necessária uma população nunca menor de quinze mil habitantes, uma renda anual não inferior a trinta contos de reis e outros fatores de valor; Considerando que muitos dos atuais Municípios não preenchem esses requisitos, sendo meras expressões territoriais, sem vida própria. Considerando que, dest’art, para proporcionar aos Municípios uma existência normal, se impõe a supressão de alguns deles, decreta: Art. 1º – O território do Estado divide-se, administrativamente; em 51 Municípios e estes em Distritos. Art. 4º – Ficam extintos os seguintes Municípios:…. Campos Sales, Conceição do Cariry, Santa Cruz, Várzea Alegre…. Boa Viagem que passará respectivamente a fazer parte do Município de Quixeramobim…” (MOTA, 1989: p. 38-39)

Algum tempo depois disso, retomada a sua autonomia administrativa, uma de suas irmãs, Enedina de Carvalho, foi nomeada interventora do Município de Boa Viagem, sendo a primeira mulher a ocupar essa função.
Antes disso, no dia 15 de agosto de 1945, aos 27 anos de idade, constatada a sua vocação ao claustro, no paroquiato do Pe. Pedro Vitorino Dantas, foi encaminhada ao noviciado na Serra do Estevão, que está localizada no Município de Quixadá.

“A Serra do Estevão é uma pequena cadeia montanhosa com aproximadamente 24 km de comprimento por 10 km de largura, localizada na região central do Estado do Ceará. Ela funciona como um divisor de águas entre as bacias hidrográficas dos rios Sitiá e Choró.” (S.N.T)

Depois disso, no dia 15 de agosto de 1946, fez os seus votos temporários adotando o nome de Terezinha, costume adotado pela congregação como símbolo de renúncia.
Mais tarde, no dia 18 de agosto de 1949, na cidade de Canindé, finalmente pronunciou os seus votos perpétuos consagrando-se ao serviço na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição.

Imagem do dia em que confirmou os seus votos.

Imagem do dia em que confirmou os seus votos.

Algum tempo depois, no dia 13 de dezembro de 1963, mesmo no claustro, foi surpreendida pelo inesperado falecimento de seu genitor. Pouco tempo depois disso, no dia 6 de agosto de 1968, foi surpreendida pela notícia do falecimento de uma de suas irmãs, Enedina de Carvalho.
No dia 6 de agosto de 1976, outra notícia lhe toma de assalto, dessa vez foi a morte de outra de suas irmãs, Edite Carvalho Câmara.
Por fim, no dia 17 de novembro de 1999, prestes a completar 82 anos de idade, encerrou os seus dias sobre a face da terra na sede do Colégio Santa Isabel, que está localizado na Avenida Bezerra de Menezes, nº 2.848, no Bairro São Gerardo, na cidade de Fortaleza.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, o seu corpo foi sepultado no Cemitério Parque da Paz, que está localizado na Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, nº 4.454, Passaré, na cidade de Fortaleza.

BIBLIOGRAFIA:

  1. CARVALHO FILHO, José Cândido. Boa Viagem da Minha Infância. São Paulo: Thesauros/Itiquira, 2008.
  2. MOTA, José Aroldo Cavalcante. História Política do Ceará (1930-1945). Fortaleza: Stylus Comunicações, 1989.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, através da lei nº 818, de 12 de dezembro de 2002, uma das ruas do Bairro Ponte Nova, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.

5 ideias sobre “Adelide de Carvalho

  1. Pingback: Rua Adelide de Carvalho | História de Boa Viagem

  2. Pingback: FEVEREIRO | História de Boa Viagem

  3. Pingback: José Cândido de Carvalho | História de Boa Viagem

  4. Pingback: NOVEMBRO | História de Boa Viagem

  5. Pingback: BIOGRAFIAS | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta