Capela de São José – Boa Ventura

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A Capela de São José, em Boa Ventura, está localizada próximo do trecho carroçável da Rodovia Estadual CE-265, dentro dos limites geográficos do Distrito de Boqueirão, ficando a 36 quilômetros distante do Centro da cidade de Boa Viagem, no Município de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Capela de São José

Imagem da Capela de São José, em Boa Ventura, em 2005.

Essa localidade, que está sob os cuidados da  Paróquia de Nossa Senhora da Guia, pertencente à Diocese de Quixadá, costuma celebrar às festividades do seu padroeiro, seguindo o calendário litúrgico, no dia 19 de março.

“São José ou José de Nazaré ou José o Carpinteiro foi, segundo o Novo Testamento, o esposo da Virgem Maria e o pai adotivo de Jesus.”

O HISTÓRICO DE SUA CONSTRUÇÃO:

No passado, quando recebia a visita de algum padre para realizar “desobrigas”, algo que era muito raro, as celebrações religiosas que aconteciam nessa localidade costumavam ocorrer na residência de algum de seus moradores.
Diante disso, segundo registros paroquiais, possivelmente nos últimos anos da década de 1890, surgiu no coração de seus frequentadores a necessidade de um espaço adequado para essas celebrações, quando essa capela ficou conhecida como “Capela de São José do Rio Nossa Senhora da Conceição.”
Mais tarde, por volta de 1930, essa capela passou por algumas melhorias patrocinadas pelo Agropecuarista José Alves de Oliveira, tendo recebido a sua bênção em uma solenidade presidida por Dom Manoel da Silva Gomes, bispo de Fortaleza, quando esteve em visita pastoral a essa freguesia.

Imagem de seu altar, em 2020.

Algum tempo depois, nos últimos anos dessa década, por muito pouco essa propriedade não foi adquirida por uma família de protestantes que migravam do Estado da Paraíba, negócio que não foi concretizado por conta da interferência do Mons. José Gaspar de Oliveira.

“Com todos esses parentes morando no Ceará, Manoel Maria de Jesus resolveu se aventurar em Boa Viagem, e, em 1939, veio averiguar a região para confirmar a compra de uma propriedade que antes de sua vinda havia sido intermediada por um de seus filhos que já morava aqui. A propriedade era chamada de Boa Ventura, media 2.000 ha., a 36 km da sede do Município e pertencia a José Alves de Oliveira. O negócio foi acertado pelo valor de 63 mil contos de réis. O motivo da venda se deu pelo fato de José Alves de Oliveira ter constituído uma nova família e estar se separando de sua primeira esposa, Corina Pereira Nóbrega. Esse fato levou a José Alves de Oliveira a se mudar para o Choró Limão, Distrito de Quixadá, de onde resolvia o negócio da venda. Para finalizar o negócio, Manoel Maria de Jesus decidiu enviar para o Ceará, no intuito de concretizar a transação, dois de seus filhos, Cícero e Pompeu, que a contra gosto vieram, pois não queriam sair do Jacu. Entretanto, quando chegaram a Boa Viagem, foram se agradando da terra e mudaram de opinião. O negócio estava prestes a ser fechado quando o pároco do Município, Pe. José Gaspar de Oliveira (*1905 †2000), interrompeu o acordo, visto que, na propriedade, havia um templo romano e este alegava que os protestantes iriam derrubá-lo.” (SILVA JÚNIOR, 2015: p. 181-182)

Nos últimos anos da década de 1940, com a criação da Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, da cidade de Madalena, parte do território da Paróquia de Nossa da Boa Viagem passou aos cuidados dessa nova circunscrição eclesiástica, com quem permaneceu durante muitos anos.

“Em 1º de janeiro de 1947, Dom Lustosa, pelo Decreto de nº 0033, criou a Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, com território destacado principalmente de Quixeramobim mas com parte retirada também de Canindé (quando foi necessário um entendimento com o superior dos franciscanos em virtude dos direitos que assistem a essa ordem, pelo contrato que lhes entregou à freguesia da São Francisco) e outra parte de Boa Viagem. O Pe. Edmundo, primeiro vigário do lugar, ficara de chagar em 28 de abril de 1947, porque no outro dia seria a sua posse; só que era um a época muito chuvosa e ele só pôde chegar no dia 29 de abril… Em 30 de abril do mesmo ano, Pe. Raimundo Nonato Camelo (Pe. Edmundo), foi empossado pelo Pe. Clineu, de Boa Viagem e desde logo, passou a considerar a possibilidade de ergue uma nova matriz.” (Histórico sobre a fundação da Paróquia de Madalena. Disponível em http://walquimarhistoria.blogspot.com/2011/12/historico-sobre-fundacao-da-paroquia-de.html. Acesso no dia 2 de março de 2020)

Nos últimos meses de 1962 essa capela passou por uma reforma patrocinada pelo por Clóvis Holanda de Oliveira, proprietário da Fazenda Boa Ventura, algo que voltou a ocorrer em 1974, quando o seu teto caiu.

Imagem de seu sacrário, em 2020.

Mais tarde, nos primeiros anos da década de 1990, reunindo às qualidades necessárias, os limites dos territórios das paróquias existentes nessa região foram reformulados para criação da Paróquia de Nossa Senhora da Guia, a quem o patrimônio dessa capela passou a pertencer.

“Alguns anos depois, no dia 16 de janeiro de 1994, finalmente a freguesia foi transformada em paróquia com a posse de seu primeiro pároco, o Pe. Raimundo Nonato de Oliveira.” (SILVA JÚNIOR, 2012: Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/paroquia-de-nossa-senhora-da-guia/. Acesso do dia 12 de setembro de 2019)

Essa capela, que em nossos dias não possui uma programação fixa, é utilizada apenas uma vez por ano no encerramento da festa de seu padroeiro, quando consegue reunir pessoas das localidades vizinhas, sendo apropriada para acomodar em média 60 pessoas sentadas.
As suas paredes, que são de tijolo comum, possuem em média 58 centímetros e suas portas e janelas são de madeira, os seus bancos originais não mais existem e o seu altar guarda os traços de uma de suas primeiras reformas, quando foi adornado com desenhos.

Imagem de alguns dos traços de semelhança com o cemitério, em 2020.

Nas proximidades dessa capela existe um cemitério que possivelmente seja tão antigo quanto ela, mas infelizmente foi abandonado, e por analogia percebemos forte semelhança em seus detalhes, indicando que o mesmo artesão que trabalhou em sua estrutura ergueu as colunas tumulares.

OS DIRIGENTES DA CAPELA:

Essa humilde localidade não possui condições para manter um padre residente, mas já contou com o trabalho voluntário de vários dirigentes, sendo eles:

  1. Patrícia Carneiro Silva.

A ESTRUTURA FÍSICA DO TEMPLO:

Para executar bem as suas atividades a Capela de São José possui a seguinte estrutura:

  1. Santuário: 1

A PROGRAMAÇÃO:

As atividades semanais da programação da Capela de São José, na Boa Ventura, são as seguintes:

  • MISSAS:
  1. 19 de Março ⇒ 19h (noite).
  • ENCONTRO DOS FILHOS DE SÃO JOSÉ:
  1. Móvel ⇒ 19h (noite).

O CONTATO:

O canal de comunicação com a Capela de São José, na localidade de Boa Ventura, é o seguinte:

  • Telefone:
  1. 88.3427-4050 (Secretaria Paroquial).

BIBLIOGRAFIA:

  1. FRANCO, G. A.; CAVALCANTE VIEIRA, M. D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 2007.
  2. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  3. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Andarilhos do Sertão: A Chegada e a Instalação do Protestantismo em Boa Viagem. Boa Viagem: Premius, 2015.
  4. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Boa Ventura. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/boa-ventura/. Acesso no dia 27 de fevereiro de 2020.

3 ideias sobre “Capela de São José – Boa Ventura

  1. Pingback: Paróquia de Nossa Senhora da Guia | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Raimundo Alves Batista | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Boa Ventura | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta