Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho está localizada na Rua José André da Cruz, s/nº, no Centro da vila de Boqueirão, dentro dos limites geográficos do Distrito de Boqueirão, distante 42 quilômetros do Centro da cidade de Boa Viagem, no Município de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Escola de Ensino Fundamental Pe. Vital Elias Filho em 2014.

Imagem da Escola de Ensino Fundamental Pe. Vital Elias Filho, em 2014.

Esse equipamento público, pertencente ao Governo Municipal, é gerenciado pela Secretaria da Educação, que segue as orientações e as normas da 12ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação, a CREDE 12, que está sediada no Município de Quixadá.

A BASE LEGAL DE SUA CRIAÇÃO:

Essa unidade de ensino teve a sua nomenclatura regulamentada na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef através da lei nº 765, de 4 de outubro de 2001.
Sendo credenciada pelo CEC, o Conselho de Educação do Ceará, o seu número no INEP, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, é 23098120.

AS MODALIDADES DE ENSINO:

Em nosso país a educação básica compreende a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, tendo uma duração ideal de dezoito anos, período da vida escolar em que se toma posse dos conhecimentos mínimos necessários para uma cidadania completa, servindo também para se definir sobre o futuro profissional e a área do conhecimento que se quer seguir.
Na Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho existe a oferta das seguintes modalidades de ensino:

  1. Educação Infantil;
  2. Ensino Fundamental.

Nessa unidade de ensino, por conta de uma parceria com o Governo do Estado, para melhor atender aos estudantes da região, existe uma das extensões da Escola de Ensino Médio Dom Terceiro.

OS SÍMBOLOS DA ESCOLA:

A palavra símbolo designa um tipo de signo em que o significante representa algo abstrato, por força de convenção ou semelhança, sendo um elemento essencial no processo de comunicação, encontrando-se difundido pelo quotidiano e pelas mais variadas vertentes do saber humano.
A representação específica para cada símbolo pode surgir como resultado de um processo natural, ou pode ser convencionado de modo a que o receptor, uma pessoa ou grupo específico de pessoas consiga fazer a interpretação do seu significado implícito e atribuir-lhe determinada conotação.
A Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho possui dois símbolos que a identificam, são eles:

1º. A BANDEIRA:

2º. O BRASÃO:

Imagem do brasão da EEF Pe. Vital Elias Filho.

A HISTÓRIA DA INSTITUIÇÃO:

O desejo pela instrução formal sempre foi algo muito acalentado pelos moradores dessa região, que no dia 30 de março de 1944, representados pela Profª. Olívia de Sousa Carneiro, contando com o apoio do Mons. Pedro Vitorino Dantas, que era inspetor escolar, apresentou um mapa apontando por nome aqueles que desejavam receber instrução elementar às autoridades dessa pasta em Fortaleza.
Nesse mapa temos o conhecimento da existência de uma escola na localidade de Santa Terezinha, distante 9 quilômetros do Belmonte, onde a escola foi posteriormente instalada, servindo aos estudantes das seguintes localidades: Argentina, Belmonte, Boa Sorte, Boa Ventura, Boqueirão, Lembranças, Suçuarana, Tabuleiro Alegre e Várzea da Tapera.
Mais tarde, nos últimos anos da década de 1950, de forma independente do poder público, os cristãos de confissão protestante demonstraram o interesse de que as pessoas da região tivessem acesso aos textos da Bíblia Sagrada, quando muitas crianças foram alfabetizadas no primeiro templo da Igreja Evangélica Congregacional de Várzea da Tapera pela Profª Odacir da Cunha Lima, uma missionária da UESA, a União Evangélica Sul Americana, formada pelo Instituto Betel Brasileiro, de João Pessoa.
Mesmo com esses esforços, conforme o registro existente no Plano de Governo para o Município de Boa Viagem entre os anos de 1963 e 1967, na gestão do Prefeito Dr. Manuel Vieira da Costa, o Nezinho, temos um pequeno relato das condições de oferta de instrução pública nessa região:

“Existe cinco prédios estaduais para escolas isoladas, sem funcionamento, dado precário estado de conservação no qual se encontram… Restauração e aparelhamento do Grupo Escolar Padre Antônio Correia de Sá, situado na sede do Município, bem como de mais cinco escolas isoladas, situadas nos povoados de Belmonte, Ipiranga, Santo Antônio, Guia e Boa Ventura, todas de propriedade do Estado, e que se encontram sem funcionar.” (COSTA, 1962: p. 4 – 5)

Como foi mencionado no referido plano de governo, mais tarde, já na década de 1970, sabendo que a disponibilidade de um local adequado e que ofertasse instrução pública na região era algo muito difícil, o Pe. Vital Elias Filho, pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, da cidade de Madalena, separou uma das salas de sua casa na localidade de Boqueirão para o funcionamento de algumas turmas de estudantes.
Esse comprometido religioso, dentro de sua ação pastoral, conseguiu desenvolver um destacado papel de agente em favor da expansão dos meios de educação dentro das comunidades em que cuidava, estando o Boqueirão entre elas.

“Em 3 de março de 1970, Pe. Vital Elias Filho conseguiu junto ao Dr. Lúcio Melo o Colégio da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade. O Colégio da CNEC funcionou inicialmente no prédio do Patronato, pertencente à Paróquia, com a denominação de Raimundo Falcão.” (SIMÃO, 2010: p. 123)

Algum tempo depois, nos primeiros meses de 1985, na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, essa unidade de ensino recebeu uma acanhada ampliação, pois nesse período possuía apenas duas salas de aula e uma cantina.
Depois disso, em 2004, ao lado dessa unidade de ensino, foi construída a Praça José André do Nascimento, que eventualmente serve como local de suas atividades pedagógicas.

“Alguns anos mais tarde, nos últimos meses de 2004, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, essa pequena praça foi construída, servindo de ponto de apoio para diversas atividades desenvolvidas pelo Governo Municipal, especialmente em eventos denominados de ‘Projeto Cidadão'”. (SILVA JÚNIOR, 2012: Praça José André do Nascimento. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/praca-jose-andre-do-nascimento-vila-de-boqueirao/. Acesso no dia 14 de setembro de 2019)

No primeiro semestre de 2005, novamente na gestão do Prefeito José Vieira Filho, por meio da lei nº 913, de 27 de junho, seguindo o plano de redimensionamento geográfico da Secretaria da Educação do Município, essa unidade de ensino passou a compor o território do Polo Quatro, sendo a sua escola sede.

Imagem dessa unidade de ensino, em 2000.

Nesse mesmo ano, necessitando de melhorias, a estrutura dessa escola foi reformada, recebendo novos banheiros, ampliação em três salas de aula, passarelas e rampas de acessibilidade para pessoas com baixa mobilidade.
Mais tarde, diante da mudança de perfil econômico e climático nessa região, essa unidade de ensino recebeu o corpo docente, discente e equipamentos da Escola de Ensino Fundamental Belarmino Matias Carneiro, que foi desativada:

“Alguns anos depois, por volta de 2010, diante do baixo número de alunos na região e buscando diminuir a despesa em sua manutenção, o corpo discente e docente dessa unidade de ensino foi transferido para Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho, que possui uma maior e melhor estrutura.” (SILVA JÚNIOR, 2012: Escola de Ensino Fundamental Belarmino André do Nascimento. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/escola-de-ensino-fundamental-belarmino-andre-do-nascimento/. Acesso no dia 13 de setembro de 2019)

Nos últimos dias de maio de 2012, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, essa unidade de ensino foi contemplada com a construção de uma quadra coberta, algo muito esperado por essa comunidade.
No dia 27 de fevereiro de 2018, tendo reforçado o número de votos que ajudou a eleger o Vereador José Anchieta Paiva Chaves à presidência da mesa diretor da Câmara Municipal, a Vereadora Maria da Conceição Costa Araújo, conhecida por Ceiça, passou a receber retaliação política por parte da prefeita do Município, Aline Cavalcante Vieira, que desmontou a estrutura social há anos existente em favor do povo de uma das regiões que lhe depositou confiança nas urnas, a Lagoa do Senador.
Diante desse fato, sem realizar nenhum tipo de consulta aos interessados, os alunos e professores da Escola de Ensino Fundamental Antônio Luís Severo foram transferidos para essa unidade de ensino, fazendo com que a referida vereadora divulgasse uma carta aberta ao povo em sua página pessoa de facebook:

“Tenho recebido algumas conversas das redes sócias através de amigos. Quero exteriorizar a todos os boaviagenses alguns pontos das mensagens: GOLPISTA, COSPE NO PRATO QUE COMEU, CHANTAGISTA, CONSPIRADORA, QUE SÓ PERFURA POÇOS EM FAZENDAS PARTICULARES, CEGA, EXTORQUISTA. Pois bem, para se comer em um prato ele tem de ter comida, não tenho esse peso em minha consciência, pois ajudei a colocar comida nesse prato que tanto falam, e desafio a qualquer um a dizer o que comi nele. Desafio também a dizerem qual tipo de chantagem que já fiz ou quando quis a metade da prefeitura e quando fiz extorsão. Sobre a cegueira, isso garanto que não possuo, pois consegui ver há tempo a maldade, o ódio, a perseguição com os professores e muitos outros funcionários. Acho que estou sendo ‘tachada’ disso por não ter aceito e cedido as negociatas que quiseram fazer comigo para que eu me calasse, mas vou deixar bem claro, NÃO ESTOU À VENDA, não devo nada a prefeita, pelo contrário, ela é quem me deve, pois lhe ajudei a eleger. Votei nela e ela não votou em mim. DEVO O MEU MANDATO E SATISFAÇÃO AO POVO. Deixo dito que golpe é o que estão fazendo com esses profissionais efetivos que tanto estudaram, perderam noites de sono e lutaram para serem aprovados em um concurso público, sendo agora alvos de perseguição. Só tem uma forma de me calar: pagando os funcionários atrasados, deixando os professores ampliados trabalharem. Golpe é enganar mais de 19 mil eleitores que confiaram nas promessas de palanque e, hoje, sofrem juntamente comigo a DECEPÇÃO. Golpe é fazer uma professora lecionar somente 3 crianças, fazendo um percurso de 23 km de distância, isso por pura perseguição. Golpe é a transferência de 80 alunos do fundamental menor da vila de Olho d’Água dos Facundos até a comunidade do Inharé. Golpe são as irregularidades que o relatório do extinto TCM aponta no ano de 2017. Golpe é tirar 100 horas dos professores que foram ampliados, assim não respeitando a lei e os 15 vereadores que a aprovaram. Golpe é colocar pessoas na folha dos 60% só para estarem levando e trazendo fofocas. Golpe é não pagar o transporte escolar. Golpe é não pagar os carros que transportam o lixo. Golpe é não pagar os garis, bolsistas e monitores de informática, isso ainda do ano passado. Golpe é não pagar o piso dos professores. Golpe é não pagar os meses de maio e junho de 2018 dos monitores do Projeto Mais Educação, onde o dinheiro se encontra nas contas das escolas desde 2018. Sobre a perfuração de poços profundos, não tenho lembrança de ter perfurado nenhum em nenhuma fazenda particular, uma vez que, quem marca o local de ser perfurado é o geólogo e não eu, e sou uma vereadora e não uma geóloga, mas até compreendo a senhora que postou isso, pois ela não mora em Boa Viagem, talvez se morasse soubesse a realidade do interior com a falta de água. Tem outro conhecido que lembro muito bem dele criticando a prefeita em 2017, um certo dia até perguntei o porquê da raiva dele, segundo a prefeita, ele queria um carro agregado, mas ela disse que não, pois ele mora em Fortaleza, certamente deve ter tido o seu carro locado ou coisa do tipo. Até entendo os funcionários que vão a câmara, pois estão com medo de perder os seus empregos, muitos deles até ilegais, cito: ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO E ESPECIALISTAS EM GESTÃO, onde alguns só tem uma graduação indo contra o plano cargos e carreiras que tem algumas exigências. ‘É melhor a vaia da democracia do que o silêncio dos oprimidos.’ Não poderia deixar de citar a secretária de educação, que nos anos de 2017 e 2018 entregou a secretaria 3 vezes, será por quê? Não vou entrar no mérito, pois ela tem os seus motivos, e uma coisa que aprendi é respeitar os mais velhos, mas sei que a autonomia é pouca, ela pode até ter certificados e diplomas e até ser mestra, mas lhe falta a maturidade espiritual. Falando é uma inteligente, calada é uma sábia. Sou Maria da Conceição Costa Araújo, entrei na vida pública no ano de 1992 e sigo até os dias de hoje, desafio a qualquer um que seja a apontar, investigar ou fiscalizar e comprovar algum indício de alguma irregularidade minha. E garanto que não recorrerei a justiça para tirar esse direito de ninguém, uma vez que sempre ouvi um ditado popular bem citado por aí ‘quem não deve, não teme!’ Agora, pergunto: Prefeita, qual o medo motivo do medo da câmara investigar esses dois anos de sua gestão? Qual será o medo? O que esconde? DEIXO DITO: a luta permanece, abraçarei, não arredarei o pé em qualquer campo de batalha, a ninguém renderei homenagem que tentem denegrir minha imagem. Apontarei qualquer irregularidade com a frieza do equilíbrio e atacarei com lâminas cortantes aos que se atreverem coagir, mentir, perseguir, humilhar o povo mais carente de Boa Viagem. Acredito no trabalho do Ministério Público do Estado do Ceará e acima de tudo confio na justiça divina.”

AS EQUIPES DE GESTÃO:

A equipe de administração de uma escola da rede municipal é cargo de confiança do prefeito, que indica os seus componentes.

  • 1985 – 1988

(Diretora Geral).

  • 1989 – 1992

(Diretora Geral).

  • 1993 – 1996

(Diretora Geral).

  • 1997 – 2000

Profª. Valdelúcia Rodrigues Cavalcante (Diretora Geral).

  • 2001 – 2004

Profª. Valdelúcia Rodrigues Cavalcante (Diretora Geral);
(Coordenadora Pedagógica);
(Secretário).

  • 2005 – 2008

Profª. Rita Maria Rodrigues de Sousa (Diretora Geral);
(Coordenadora Pedagógica);
(Secretário).

  • 2009 – 2012

Profª. Valdelúcia Rodrigues Cavalcante (Diretora Geral);
(Coordenadora Pedagógica);
(Secretário).

  • 2013 – 2016

Profª. Valdelúcia Rodrigues Cavalcante (Diretora Geral);
(Coordenadora Pedagógica);
(Secretário).

  • 2017 – 2020

Profª. Rita Maria Rodrigues de Sousa (Diretora Geral);
Profª. Lucivalda Rodrigues Cavalcante (Coordenadora Pedagógica);
Roberto Vagner Vieira da Silva (Secretário).

A ESTRUTURA FÍSICA:

Para executar bem as suas atividades pedagógicas, gerando segurança e conforto para os seus usuários, a Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho possui a seguinte estrutura:

  • Setor Administrativo:
  1. Banheiro: 2
  2. Cantina: 1
  3. Depósitos: 3
  4. Sala de direção: 1
  5. Sala de secretaria: 1
  6. Sala de recepção: 1
  • Setor Acadêmico:
  1. Banheiros: 2
  2. Laboratório de informática: 1
  3. Pátio aberto: 1
  4. Pátio coberto: 1
  5. Salas de aula: 6
  6. Sala de leitura: 1
  7. Sala de vídeo: 1

O CONTATO:

Os canais de comunicação com a Escola de Ensino Fundamental Padre Vital Elias Filho são os seguintes:

  • Telefone:
  1. 88.3427-7351.