Igreja Evangélica Boa-viagense (História)

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A Igreja Evangélica Boa-viagense está localizada na Rua Agronomando Rangel, nº 84, esquina com a Rua Jaime Ribeiro e Silva, no Centro da cidade de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Imagem da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2011.

Imagem da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2011.

Essa igreja, que possui a sua forma de governo congregacional, não possui nenhum tipo de vinculo denominacional, sendo uma instituição religiosa cristã independente classificada como reformada.

A SUA HISTÓRIA:

Entre os cristãos de confissão protestante, quando não existe coesão de ideias, seja sobre liturgia, forma de governo, usos e costumes, abordagem teológica e até mesmo sobre a filosofia de relacionamento com outros grupos religiosos, é comum esse grupo se fragmentar.
Nos últimos meses de 1997, por conta de uma transição de pastorado muito turbulenta, que gerou muitas divergências, um grupo de pessoas insatisfeitas com os rumos tomados pela Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem resolveu permanecer em suas origens teológicas buscando um novo espaço para se congregar.
Esse pequeno grupo de crentes, que inicialmente não tinha o interesse em formar uma nova igreja, estava indeciso entre ser assistido pastoralmente pela Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira ou passar a compor o quadro de membresia da Igreja Presbiteriana de Boa Viagem, possibilidade que logo foi descartada por conta da forma de governo.

Imagem da residência da Srª Ademilde Fragoso dos Santos, em 2018.

Nesse tempo, esse grupo de crentes se congregava regularmente no primeiro andar da residência da Srª. Ademilde Fragoso dos Santos, que está localizada na Rua Carlos Sabóia, nº 69, Centro.

“Essa igreja deu início aos seus trabalhos no dia 15 de abril de 1998. Surgiu da união das pioneiras famílias protestantes do cristianismo reformado em nosso Município. A principio, antes de organizarem-se juridicamente como igreja, seus membros reuniam-se na residência da Senhora Ademilde Fragoso dos Santos, na Rua Carlos Saboia, s/n°, Centro. Inicialmente não havia intenção dessas famílias em organizar uma igreja, mas apenas realizar reuniões de culto em louvor a Deus com agradecimentos e uma exposição piedosa da Palavra de Deus proclamada pelo Rev. Ezequiel Fragoso Vieira Júnior. Essas reuniões eram extremamente agradáveis, chegando ao ponto do salão de nossa irmã Ademilde não comportar a quantidade de pessoas reunidas. Por conta disso viu-se a necessidade da construção de um local amplo para abrigar aquela igreja que se formava. Devido a este fato, os crentes reunidos em uma assembleia resolveram pedir o apoio da Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira para ser a sua tutora enquanto não se organizava eclesiasticamente.” (NASCIMENTO, 2002: p. 109 – 110)

Esse pavimento, que era recém construído, teve a sua sala principal e a varanda dianteira adaptadas para receberem essas reuniões, já os outros cômodos, serviam como salas de estudo para as crianças e os adolescentes.
Segundo o livro de atas dessa igreja, a sua primeira assembleia administrativa aconteceu no dia 3 de junho de 1998, quando ocorreram os primeiros ajustes de seu funcionamento:

“Ata da sessão especial da congregação da Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira, Boa Viagem, Ceará. Sobre a presidência do Reverendo Ezequiel Fragosos Vieira Júnior, tem início às 21h45min, do dia 3 de junho de 1998, contando com a presença de 23 membros… Esta sessão tem a finalidade de eleger a diretoria e organizar os trabalhos desta congregação… os dias e horários dos trabalhos desta congregação…”

Pouquíssimo tempo depois, em uma assembleia ocorrida no dia 12 de agosto de 1998, percebendo a necessidade de ter um espaço próprio, foi nomeada uma comissão para levantar fundos para construção de seu templo, que teve a seguinte composição: Jessé Alves da Silva, Adelmo Vieira de Freitas, Otoniel Fragoso Vieira, Cirilo Fragoso Vieira e os pastores, Rev. Ezequiel Fragoso Vieira e Rev. Ezequiel Fragoso Vieira Júnior.
Nesse mesmo período, desejando dar uma solução ao problema, o Sr. Cirilo Fragoso Vieira, mesmo ainda não sendo membro da congregação, fez a importante doação do terreno para construção do templo, que possui 18.90 metros de frente por 36.80 de fundo, totalizando uma área superficial de 695.52 m².

Imagem da Igreja Evangélica Boa-viagense na época de sua construção.

Pouco tempo depois dessa doação, o irmão Otoniel Fragoso Vieira apresentou um planta de construção, que foi assinada pelo engenheiro civil Dr. José Menescal Neto, teve como arquiteto Luiz Nunes de Melo e as suas obras, diante do CREA, o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, foi representada pelo Dr. Sivanildo Fragoso Vieira.

“Em 25 de setembro de 1998 foi lançada a pedra fundamental de seu suntuoso templo na Rua Agronomando Rangel, nº 84, Centro. Os trabalhos pastorais estão aos cuidados do Rev. Ezequiel Fragoso Vieira Júnior com a assessoria do Rev. Ezequiel Fragoso Vieira e do Licenciado Eliel Rafael da Silva Júnior. Embora não traga em seu nome, a Igreja Evangélica Boa-viagense segue o sistema congregacional, regida por princípios de autonomia e independência.” (NASCIMENTO, 2002: p. 110)

No dia 9 de setembro de 1998, em uma assembleia administrativa extraordinária, que contou com a presença de 28 de seus membros, foi aprovado o seu estatuto, que teve por finalidade torná-la pessoa jurídica.
Algum tempo depois, em outra assembleia extraordinária, ocorrida no dia 16 de junho de 1999, contando com a presença de 34 de seus membros, foi aprovado por unanimidade o seu regimento interno, as regras e normas parlamentares a serem utilizadas em suas assembleias e a sua confissão de fé.

Imagem da Igreja Evangélica Boa-viagense na época de sua construção.

Imagem da Igreja Evangélica Boa-viagense na época de sua construção.

Mais tarde, no dia 5 de janeiro de 2000, com os rápidos avanços da obra e já funcionando no local, em uma assembleia especial, conforme informações existentes na página 23 de seu livro de atas nº 1, o Rev. Ezequiel Fragoso Vieira Júnior destacou o nome de algumas pessoas que investiram tempo e dinheiro para a sua construção:

“Agradecemos o empenho de todos os irmãos que colaboraram no trabalho da congregação, desde a sua fundação, por muitos que mesmo no anonimato foram e continuam sendo fiéis… destaco os irmãos Cirilo Fragoso Vieira pela doação do terreno… Ademilde Fragoso dos Santos, pela casa que nos deixou usar durante todo o tempo em que não tínhamos lugar para nos reunir; Adelmo Vieira de Freitas, pela doação de todos os tijolos que foram necessários para construção… Iraci Alves de Freitas, pelo esforço e campanhas que tem realizado na arrecadação de fundos… Jessé Alves da Silva, pelo empenho na ajuda financeira… Otoniel Fragoso Vieira, pela doação de toda a cal que foi necessário. A todos os membros e congregados, que dedicadamente se empenharam para que hoje fosse possível estarmos usufruindo desse local de adoração, que tudo isso seja revertido em bençãos sem medida das dadivosas mãos de nosso Deus, que merece toda a honra e glória e o nosso maior agradecimento…”

Nessa mesma época, crescendo o número de seus membros e congregados, fez-se necessário a compra de mais 100 cadeiras plásticas para o seu santuário, que dentro de pouco tempo recebeu melhorias, sendo elas: as luminárias, as janelas de alumínio e vidro, o forro em PVC, os refletores da torre, etc.

Imagem do santuário da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2001.

Imagem do santuário da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2001.

Pouco tempo depois, no dia 2 de janeiro de 2002, conforme registro na página 37v de seu livro de atas nº 1, essa igreja recebeu a sua tão desejada carta de emancipação eclesiástica, organizando depois disso o seu quadro de membresia.

“Prezados irmãos, saudações no Senhor. Pela presente, comunicamos que a igreja-mãe, em assembleia especial realizada domingo passado, considerando que a Congregação de Boa Viagem é pessoa jurídica com o nome de Igreja Evangélica Boa-viagense, como também sentindo o seu anseio por independência e reconhecendo a sua condição de se organizar de forma autônoma, para facilitar as suas atividades e desenvolvimento de seus trabalhos, podendo tomar as suas próprias decisões e executar os seus planos sem consultar ou ouvir a igreja-mãe, a Igreja Evangélica Congregacional de Cachoeira concede a emancipação desejada entre as duas igrejas, continuando os mesmos laços de amizade e comunhão, bem como de cooperação e companheirismo nas lutas e trabalhos, atendendo as diversas necessidades da causa evangélica.”

Mais tarde, nos últimos meses de 2002, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, a rua existente na lateral desse templo recebeu pavimento em pedra tosca e iluminação pública, melhorando as cercanias da igreja.

Imagem do santuário da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2018.

No dia 3 de novembro de 2004, depois de alguns anos executando atividades de evangelismo nas localidade de Anafuê e Juazeiro, segundo informações existentes na página 63 de seu livro de atas nº 1, essa igreja recebeu como doação uma propriedade para construir a sua primeira congregação.

“Em seguida o Rev. Ezequiel Fragoso Vieira anuncia aos irmãos sobre a doação de um terreno feita pelo irmão Asael Leandro Alves. O terreno fica na localidade de Anafuê, medindo 25mx25m e que está sendo providenciado a documentação. Fica assim o desafio para igreja iniciar um novo trabalho.”

Algum tempo depois, nos últimos meses de 2009, dentro de seu plano de expansão, essa igreja passou a desenvolver atividades de evangelismo com algumas crianças do Bairro Floresta, utilizando inicialmente a estrutura da Escola de Ensino Fundamental José Adauto Sales, e logo depois em um espaço adaptado existente na residência dos irmãos Francisco Irineu Oliveira e Cosma Rodrigues de Sousa.
Antes disso, no dia 4 de junho de 2008, de acordo com informações existentes na página 99 de seu 1º livro de atas, consta o nome das pessoas que contribuíram com a compra de 60 bancos de madeira, uma campanha que teve início no dia 16 de novembro de 2007 e conseguiu arrecadar R$ 23.140,00.
No dia 2 de junho de 2010, conforme decisão de uma assembleia ordinária que está registrada na página 20 e 20v de seu livro de atas nº 2, ficou decidido a instalação de uma linha telefônica e câmeras para vigilância e transmissão dos cultos via internet.
Pouco tempo depois, no dia 20 de dezembro de 2011, por meio da lei municipal nº 1.128, diante da execução de suas atividades, essa igreja foi reconhecida pela Câmara Municipal de Vereadores como sendo de utilidade pública.

Imagem do veículo adquirido pela igreja, em 2018.

Em dezembro de 2012, desejando dar melhor assistência aos seus membros e congregados, essa igreja conquistou um sonho antigo, que foi a aquisição de um micro-ônibus.
Esse veículo é de vital importância para o transporte de pessoas e equipamentos para os cultos externos, evitando também que a igreja viva dependendo dos representantes políticos locais, que costumam ceder os transportes da prefeitura em troca de sustentação eleitoral.
O plano de arquitetura desse templo apresenta um estilo moderno, seguindo o alinhamento da rua principal, ficando bem localizado em uma esquina que é bastante movimentada, sendo protegido por grades de ferro que possuem pontas de lança em alumínio.
Na faixada externa, na parte superior, esse templo possui uma cúpula de policarbonato, um domo de cor azul de forma hemisférica que à noite, quando está acesa, serve de elemento visual para informar que está ocorrendo algum tipo de atividade religiosa.
Na sua parte frontal, o templo possui duas paredes semi-curva, que são formadas por 555 blocos de vidro azul em cada lado, o mesmo material de uma parede em formato circular existente sobre a sua porta principal, que é de alumínio e vidro, mesmo material das duas portas laterais.

Imagem do santuário da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2018.

As demais paredes externas são revestidas de porcelanato na cor bege, que possuem detalhes em preto, tendo janelas azuis circulares falsas, tanto na frente quanto nas laterais.
O santuário, que possui um pequeno espaço de recuo na frente e nas laterais, tem em suas dimensões internas 11.80 metros de frente por 23 metros de fundo, uma área superficial no piso inferior de 271.40 m².
Dentro do santuário existe uma galeria, que possui 11.80 metros de frente por 7.60 metros de fundo, uma área no piso superior de 89.68 m², totalizando uma área no santuário de 361.08 m². No futuro, quando estiver concluído a sua galeria, esse templo terá uma capacidade para acomodar 528 espectadores.
O piso do santuário também é de porcelanato na cor bege e no centro da igreja, servindo como passarela, a cor do piso é mesclada com pedras na cor preta, mesmo material utilizado no altar, que possui um belo púlpito de granito.
O altar, que está em um plano superior ao piso, fica em um perfeito ângulo para quem está tanto na galeria, quanto na nave principal, existindo nos fundos dele uma parede falsa, que serve para esconder o corredor que dá acesso ao edifício destinado para educação religiosa, onde se localiza o gabinete pastoral.
No altar o teto é de gesso, que possui uma bela sanca do mesmo material em sua base, que recebe uma iluminação especial, já em suas paredes laterais encontramos detalhes circulares feitos com os mesmos blocos de vidro da parte frontal do santuário, que também foram utilizados na parede que esconde o corretor traseiro.

Imagem do santuário da Igreja Evangélica Boa-viagense, em 2018.

Na parte dos fundos existe um edifício que é dividido em três pavimentos, o térreo e o primeiro andar são destinados para educação religiosa, enquanto o segundo andar acomoda um amplo salão social, que possui 109.71 m².
No térreo, as três salas existentes são climatizadas e estão destinadas ao público infantil nos horários de culto.
No primeiro andar, onde existem quatro salas, além delas serem utilizadas nos cultos para os adolescentes e jovens, servem também como base para as parcerias firmadas entre a igreja e os institutos de educação religiosa, entre elas o SIBIMA, o Seminário e Instituto Bíblico Maranata, e a APEC, a Aliança Pró Evangelização de Crianças, conforme decisão em assembleia do dia 10 de junho de 2015:

“Continuando com a palavra, o Pr. Ezequiel Fragoso Vieira Júnior fala sobre a extensão com o SIBIMA, o Seminário e Instituto Bíblico Maranata, que se pretende instalar aqui em Boa Viagem para atender a necessidade das igrejas locais e de Municípios vizinhos… no curso de música, com ensino de teclado, violão, violino, flauta, regência, sonoplastia, teoria musical, canto e técnica vocal.”

Nos últimos anos, mesmo sofrendo com as consequências da crise econômica de nosso país, essa igreja tem investido na formação de músicos, novos obreiros e na manutenção de missionários.

A ESTRUTURA FÍSICA DO TEMPLO:

Para executar bem as suas atividades, a Igreja Evangélica Boa-viagense possui a seguinte estrutura:

  1. Banheiros: 6;
  2. Cozinha: 1;
  3. Depósito: 5;
  4. Gabinete pastoral: 1;
  5. Salão social: 1;
  6. Salas de aula: 7;
  7. Santuário: 1;
  8. Secretaria pastoral: 1.

A PROGRAMAÇÃO:

As atividades semanais da programação da Igreja Evangélica Boa-viagense são as seguintes:

  • CULTOS:
  1. Domingo ⇒ 19h30min.
  2. Sexta-Feira ⇒ 19h30min.
  3. Quarta-Feira ⇒ 19h30min.
  • REUNIÕES:
  1. Jovens: Sábado ⇒ 19h30min.
  2. Senhoras: Segunda ⇒ 19h30min.
  • ESCOLA DOMINICAL:
  1. Domingo ⇒ 10h.

Uma ideia sobre “Igreja Evangélica Boa-viagense (História)

  1. Pingback: Igreja Evangélica Boa-viagense | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta