Antônio dos Santos

Antônio dos Santos nasceu por volta de 1886 na cidade de Nápoles, uma comuna italiana que está localizada na região da Campânia, sendo filho de Francisco dos Santos e de Maria dos Santos.
Era comerciante do ramo de hotelaria, sendo casado com Maria José do Espírito Santo.
No dia 18 de janeiro de 1939, contando com o apoio do Mons. José Gaspar de Oliveira, juntamente com outros músicos da cidade, participou da fundação da 2º composição da banda filarmônica pertencente à Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem.

“Participaram dessa banda, dentre outros, os abnegados músicos: Raimundo Avelino Pinheiro, Francisco Ribeiro da Silva (Chico Doth), Sebastião Ribeiro da Silva, Franciné Ribeiro da Silva, Antônio dos Santos, João Xavier Guerreiro, Antônio Lopes de Freitas, Narsales de Oliveira, Antônio Bezerra do Vale, Luiz Ribeiro da Silva, José dos Santos (Galêgo), Raimundo Rosa, Jaime Oliveira e Silva, mais tarde Dr. Jaime Ribeiro e Hermenegildo Oliveira.” (NASCIMENTO, 2002: p. 166)

Faleceu na cidade de Boa Viagem.
Logo após o seu óbito, depois das despedidas fúnebres de costume, o seu corpo foi sepultado por seus familiares no Cemitério Parque da Saudade, que está localizado na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, no Centro da cidade de Boa Viagem.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, através da lei nº 559, de 5 de junho de 1992, um das ruas do Bairro Vila Azul, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.
    Nessa rua, vale registrar o erro grosseiro cometido pelo Governo Municipal quando na placa de identificação colocou o nome de “Antônio dus Santus”, fato que desobedece a lei nº 414, de 12 de dezembro de 1984, que diz o seguinte:

“Art. 153 – Não será permitida a locação de anúncios ou cartazes quando:
V – Contenham incorreções;
VI – Faça o uso de palavras em língua estrangeira, salvo aquelas que por insuficiência de nosso léxico a ele se hajam incorporado.”

2 ideias sobre “Antônio dos Santos

  1. Pingback: BIOGRAFIAS | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Rua Antônio dos Santos | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta