Igreja Batista Ágape de Boa Viagem

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O templo da Igreja Batista Ágape de Boa Viagem está localizado na Rua Sérgio Alves de Morais, nº 35, no Bairro Recreio, na cidade de Boa Viagem, no Município de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Imagem do templo da Igreja Batista Ágape, em 2010.

A Igreja Batista Ágape é uma denominação cristã protestante que é classificada como pentecostal, tendo a sua sede na cidade de Campinas, no Estado de São Paulo, onde surgiu por volta de 1987.

O SIMBOLO UTILIZADO POR ESSA DENOMINAÇÃO:

Uma denominação cristã é uma organização religiosa que funciona com um nome, uma estrutura e uma doutrina que lhes são comuns. O denominacionalismo é o ponto de vista segundo o qual alguns ou todos os grupos cristãos são, em algum sentido, versões da mesma coisa, apesar de suas características distintivas.
O emblema utilizado pela denominação ao qual a Igreja Batista Ágape está filiada é o seguinte:

Imagem do brasão utilizado por esta denominação.

Mesmo possuindo essa interessante característica, que a distingue das demais comunidades religiosas existentes no Município, a igreja local não possui a obrigação de divulgá-la, fato que muitas vezes torna esse símbolo completamente desconhecido entre os seus membros.

A FORMA DE GOVERNO:

A Igreja Batista Ágape segue o modo de governo congregacional, onde o poder de decisão de seus atos repousa na assembleia de seus membros:

“O regime de administração eclesiástica denominado de congregacional é um sistema de governo em que cada igreja local é independente. A igreja local possui a sua autonomia para reflexão teológica, expansão missionária, relação com outras igrejas e a seleção de seu próprio corpo de ministros. As igrejas congregacionais são comunidades locais, formadas por cristãos unidos para adoração e obediência a Deus, no testemunho público e privado do Evangelho. Constituem-se em igrejas completas e autônomas, não sujeitas, em termos eclesiásticos, a qualquer outra entidade, senão à sua própria assembleia de membros.” (SILVA JÚNIOR, 2015: p. 65)

OS PASTORES / OFICIAIS / MISSIONÁRIOS: 

O quadro de oficiais de uma Igreja Batista Ágape é dividido em pastores, presbíteros e diáconos, que possuem o poder de dirigir e responder pelos trabalhos da comunidade, mas algumas de suas funções são limitadas pela assembleia de membros:

“Os oficiais são simples funcionários da igreja local, designados para ensinarem e para administrarem os interesses da igreja, e não tem poder de governo além do que possuem como membros da igreja.” (BERKHOF, 1990: p. 584)

  • Os Pastores:

O pastor é alguém com qualidades morais e espirituais, com formação especifica em um curso de Bacharelado em Teologia, que geralmente estudou em um seminário da própria denominação, ou indicado pela igreja, que foi avaliado por uma banca examinadora da junta regional e que foi ordenado por outros pastores, entre às suas várias funções destacamos: ensinar, disciplinar, aconselhar, realizar visitas e administrar o patrimônio da igreja.
Ao longo de sua história eclesiástica essa igreja já foi cuidadosamente dirigida pelos seguintes pastores:

  1. Rev. Rodolfo Amorim dos Santos – 2008 a 2015;
  2. Revdª. Fernanda Lima de Oliveira Amorim.

AS CONGREGAÇÕES E A IGREJA MATRIZ:

Entre os cristãos de confissão protestante o termo igreja matriz é pouco utilizado, costuma-se usar o nome de igreja mãe para àquela comunidade religiosa que consegue gerar outras igrejas.

Imagem do templo da Igreja Batista Ágape, em 2010.

Sobre essas igrejas, principalmente entre aquelas de modo de governo congregacionalista, toda igreja começa a sua vida eclesiástica como um ponto de pregação, que é um local que serve de referência para futuros encontros, onde de forma simples e reverente se expõe a palavra de Deus.
Algum tempo depois, dependendo do número de pessoas e da regularidade dessas reuniões, o local passa a ser considerado pela comunidade mantenedora como uma de suas congregações.
Essas congregações, que podem ter ou não um templo, geralmente possuem uma liderança leiga formada e comprometida, que presta regularmente satisfação de suas atividades religiosas nas assembleias da igreja mãe.
Com o passar do tempo essas congregações conseguem a sua autonomia financeira, daí solicitam da igreja mãe a sua independência eclesiástica para realizar as suas próprias assembleias administrativas.
No Município de Boa Viagem a Igreja Batista Ágape está distribuída da seguinte forma:

  • Zona Urbana:

A cidade:

  1. A Igreja Batista Ágape (Igreja Mae).

OS DEPARTAMENTOS / OS SERVIÇOS:

Para organizar as atividades de seus membros a Igreja Batista Ágape está dividida em departamentos e serviços, sendo eles:

  • Os Departamentos:

Os departamentos são as divisões administrativas que tratam de grupos específicos da comunidade.

  1. A Escola Dominical;
  2. A União Auxiliadora Feminina – UAF;
  3. A União de Adolescentes Congregacionais – UAC;
  4. A União de Mocidade Evangélica Congregacional – UMEC;
  5. A União de Homens Evangélicos Congregacionais – UHEC;
  6. O Departamento de Missões;
  7. O Departamento de Música.
  • Os Serviços:

Os serviços são atividades religiosas desenvolvidas na igreja, que tem a finalidade de atingir e fortalecer grupos específicos da sociedade.

  1. A Escola Dominical – (Domingo);
  2. O Culto de Doutrina – (Quarta-Feira);
  3. O Culto de Evangelismo – (Domingo);
  4. O Culto de Jovens – (Sábado);
  5. O Culto de Oração – (Sexta-Feira).

O CONTATO:

Os canais de comunicação com a Igreja Batista Ágape são os seguintes:

  • Telefone:
  1. 88.3427- (Secretaria Pastoral).

BIBLIOGRAFIA:

  1. FRANCO, G. A.; CAVALCANTE VIEIRA, M. D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 2007.
  2. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  3. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Andarilhos do Sertão. A Chegada e a Instalação do Protestantismo em Boa Viagem. Fortaleza: PREMIUS, 2015.

3 pensou em “Igreja Batista Ágape de Boa Viagem

  1. Pingback: RELIGIOSIDADE | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Bairro Recreio | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Rodolfo Amorim dos Santos | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta