Também Vou

Francisco Erialdo Rodrigues Costa
Rogerlando G. Cavalcante (Ilustrador)

Dizem que alguém da sociedade boaviagense gostava muito de farrear.
Certa vez, ao chegar em casa ao raiar do sol, sua esposa estava de malas prontas. Assustado ele perguntou: – “O que houve amor, vai viajar? ”.
Ela respondeu: – “Não, tô indo embora mesmo, não aguento mais esta vida”.
E ele tratou logo de contornar a situação dizendo: – “E eu serei louco para deixar uma mulher bonita como você ir embora sozinha? Negativo, faço minhas malas que eu vou também”.
E os dois acabaram se acertando.

Um comentário em “Também Vou

  1. Pingback: CRÔNICAS E POESIAS | História de Boa Viagem

Deixe um comentário