OS RECURSOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O Estado do Ceará está dividido em quatorze regiões geográficas de planejamento, sendo elas: Grande Fortaleza; Região do Cariri; Sertão de Sobral; Vale do Jaguaribe; Litoral Oeste/Vale do Curu; Litoral Norte; Região Centro Sul; Sertão Central; Serra da Ibiapaba; Litoral Leste; Sertão de Crateús; Maciço do Baturité; Sertão de Canindé e Sertão dos Inhamuns.

Imagem de uma conferência dos carros pipas no Centro Administrativo Governador Virgílio de Morais Fernandes Távora, em 2014.

O Município de Boa Viagem está localizado no Sertão de Canindé, que possui 9.202,34 km², distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, capital do Estado do Ceará.

“A Lei Complementar Estadual nº 154, de 20 de outubro de 2015, define a nova composição da região de planejamento do Sertão de Canindé, sendo a regionalização fixada em 6 municípios: Boa Viagem, Canindé, Caridade, Itatira, Madalena e Paramoti.” (WIKIPÉDIA, 2015; Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Sert%C3%A3o_de_Canind%C3%A9. Acesso no dia 15 de abril de 2023)

O SERTÃO E A SECA:

O Sertão é a sub-região do Nordeste que apresenta o menor índice pluviométrico de todo o país. A escassez e a distribuição irregular das chuvas nessa área devem-se, sobretudo, à dinâmica das massas de ar e, também, à influência do relevo.

“O sertão nordestino, também conhecido como sertão, é uma das quatro sub-regiões da Região Nordeste do Brasil, sendo a maior delas em área territorial. Estende-se pelos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.” (WIKIPÉDIA, 2015; Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Sert%C3%A3o_nordestino. Acesso no dia 15 de abril de 2023)

As chuvas geralmente ocorrem entre os meses de dezembro e abril, porém, em certos anos, não ocorrem precipitações nesse período e a estiagem pode se prolongar, dando origem às secas.
No período das secas o poder público tenta minimizar os efeitos da estiagem com os carros-pipa, que são monitorados pelo Exército Brasileiro e a Defesa Civil.

O POLÍGONO DAS SECAS:

Com o propósito de facilitar as ações para combater as secas, e amenizar os seus efeitos sobre a população sertaneja, o Governo Federal delimitou, em 1951, o chamado Polígono das Secas.
Inicialmente, esse Polígono das Secas abrangia cerca de 950.000 quilômetros quadrados, estendendo-se pelas áreas de clima semiárido, entretanto, após a ocorrência de grandes secas, a área do Polígono foi ampliada, alcançando parte do Estado de Minas Gerais, também atingido pelas estiagens.
Diversos órgão do governo são responsáveis pelo combate às secas, especialmente o DNOCS – o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, que coordena programas de irrigação, construção de poços artesianos e açudes, bem como outras funções, visando amenizar os problemas da população.

OS PRINCIPAIS RIOS E RIACHOS DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM:

  • Os Rios:
  1. Rio Arara;
  2. Rio Aniceto;
  3. Rio Boa Viagem;
  4. O Rio Cabeça de Boi;
  5. O Rio Campinas;
  6. Rio Conceição;
  7. Rio Capitão-Mor;
  8. O Rio Carrapateira;
  9. O Rio Facão;
  10. O Rio Jacu;
  11. Rio Juazeiro;
  12. O Rio Poltrinho;
  13. O Rio Santo Antônio;
  14. O Rio Trapiá.
  • Os Riachos:
  1. O Rio da Cachoeira;
  2. O Rio da Comissão;
  3. O Rio das Pedras;
  4. O Rio do Cais;
  5. O Rio do Cambão;
  6. Rio do Chumbo;
  7. O Rio do Epifânio;
  8. O Rio do Juá;
  9. O Rio do Mestre;
  10. O Rio dos Bois;
  11. O Rio dos Coqueiros;
  12. O Rio do Roçado;
  13. O Rio Santa Rosa;
  14. O Rio Sibiró.

AS PRINCIPAIS REPRESAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO:

  • Boa Viagem (Sede)
  1. Barragem Presidente Tancredo de Almeida Neves – Poço da Cobra;
  2. Açude da Comissão de Socorros e Serviços Públicos – Desativado;
  3. Açude Público Poço d’Água;
  4. O Açude da Fazenda Ponte;
  5. O Açude da Fazenda Nova;
  6. Açude do Anafuê;
  7. O Açude do Aratanha;
  8. Açude do Estreito;
  9. O Açude do Facão;
  10. O Açude do Monte Limpo;
  11. O Açude do Orlando;
  12. O Açude do João da Guia;
  13. O Açude do Zé Odeon de Almeida;
  14. O Açude Edilson Monteiro;
  15. Açude Público José de Alencar Araújo – Capitão-Mor;
  16. Açude Público Prefeito José Vieira Filho – Vieirão/Jacaúna.
  • Distrito de Águas Belas
  1. Açude da Fazenda Fronteiras;
  2. O Açude do Camará;
  3. Açude do Recreio;
  4. O Açude do Riacho Verde;
  5. O Açude Dórica Queiroz;
  6. O Açude João Luiz da Silva;
  7. O Açude João Soares Lima Filho;
  8. Açude Manoel João da Silva – Pigoita.
  • Distrito de Boqueirão
  1. Açude da Boa Ventura;
  2. O Açude da Boa Ventura II;
  3. Açude da Lagoa do Senador;
  4. O Açude da Poldrinha;
  5. Açude do Camará dos Timóteos;
  6. O Açude dos Angicos;
  7. O Açude dos Pereiros;
  8. O Açude dos Pereiros II;
  9. Açude Raimundo Rodrigues Cavalcante.
  • Distrito de Domingos da Costa
  1. Barragem Pública Antônio de Queiroz Marinho – Cais;
  2. O Açude Agrimar Silva Campelo;
  3. Açude da Graviola;
  4. O Açude da Fazenda Santarém;
  5. Açude de Santa Fé;
  6. Açude do Buenos Aires;
  7. Açude Público São José I.
  • Distrito de Guia
  1. Açude Público do Poço da Onça;
  2. O Açude do Zagreb.
  • Distrito de Ibuaçu
  1. O Açude Público da Vazante;
  2. Açude Público Rufino Gomes da Silva.
  • Distrito de Ipiranga
  1. Açude da Boa Vista;
  2. O Açude do Carro Quebrado;
  3. Açude Público da Massangana;
  4. Açude Público Maria Bezerra de Morais.
  • Distrito de Jacampari
  1. O Açude Público dos Bezerras;
  2. O Açude Público Francisco Paulino Franco.
  • Distrito de Massapê dos Paés
  • Distrito de Olho d’Água do Bezerril
  1. O Açude Público Capitão José Custódio Bezerril;
  2. Açude Público Santa Rosa.
  • Distrito de Olho d’Água dos Facundos
  1. Açude Público Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima – Arara;
  2. Açude do Nicolau.
  • Distrito de Poço da Pedra
  1. O Açude da Sussuarana;
  2. Açude Público Manoel Vilemar Epifâneo de Almeida.
  • Distrito de Várzea da Ipoeira
  1. A Barragem de Lajes dos Rogérios;
  2. Açude Público Antônio Facundo Carneiro;
  3. O Açude Antônio Nunes Cavalcante;
  4. Açude da Palha.

BIBLIOGRAFIA:

  1. BRAGA, Renato. Dicionário Geográfico e Histórico do Ceará. Tomo II. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1967.
  2. GOMES, Raimundo Pimentel. Corografia Dinâmica do Ceará. Fortaleza: Departamento de Imprensa Oficial do Ceará, 1970.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  4. SOUSA BRASIL, Thomaz Pompeo de. Ensaio Estatístico da Província do Ceará. Tomo I. Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara, 1997.
  5. WIKIPÉDIA. Sertão de Canindé. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Sert%C3%A3o_de_Canind%C3%A9. Acesso no dia 15 de abril de 2023.
  6. WIKIPÉDIA. Sertão Nordestino. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Sert%C3%A3o_nordestino. Acesso no dia 15 de abril de 2023.

Deixe um comentário