Cisalpina da Cunha Lima

Cisalpina da Cunha Lima chegou ao Município de Boa Viagem por volta de 1890 já estando viúva.
Algum tempo antes disso o seu esposo, que se chamava Benevinuto José de Lima, foi trabalhar no Estado do Amazonas, provavelmente na extração do látex da borracha, e por lá faleceu.
De seu casamento foi gerada apenas uma filha, que se chamava Nair Lima Araújo, esposa do Dr. Solon Ximenes de Araújo.
Era professora, sendo nomeada para exercer a função de diretora das Escolas Reunidas de Boa Viagem no dia 31 de julho de 1929.

“Muito contribuiu com a nossa educação, merecendo, assim, permanecer em nossa memória.” (NASCIMENTO, 2002: p. 130)

Enquanto residiu na cidade de Boa Viagem morou em uma casa existente na Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima, nº 81, Centro.
Faleceu na cidade de Fortaleza no dia 16 de julho de 1967, tendo o seu corpo sepultado por seus familiares no Cemitério de São José, que está localizado na Rua Napoleão Quezado, nº 365, no Bairro Parangaba.

BIBLIOGRAFIA:

  1. FRANCO, G. A. & CAVALCANTE VIEIRA, M. D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 2007.
  2. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, através da lei nº 818, de 12 de maio de 2002, a rua que divide os Bairros de Nossa Srª de Fátima e Vila Holanda, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.