Rio do Cais

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O Rio do Cais, que é considerado apenas como um riacho, é um curso natural de água doce que corta grande parte do território do Distrito de Domingos da Costa e do Distrito de Boa Viagem, a sede do Município de Boa Viagem, no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará.

A SUA NASCENTE E O SEU PERCURSO:

Quanto a sua temporalidade esse rio é classificado como intermitente e em sua extensão, desde a nascente até a sua foz, possui excelentes terras para o cultivo e a criação de animais.
Sobre a cor de suas águas, no período das enchentes, que costumam acontecer entre março e maio, as suas águas ficam escuras por conta dos sedimentos que costumam ser arrastados das partes mais altas de sua nascente.
Depois disso as suas águas ficam bem claras e costumam ficar em maior volume nos poços que são feitos naturalmente, onde fica fácil de encontrarmos várias espécies de aves, serpentes, peixes, batráquios e quelônios.

A ADMINISTRAÇÃO DO RIO:

Esse rio, por sua extensão estar completamente dentro do Município de Boa Viagem, é gerenciado pela Secretaria do Meio Ambiente e urbanismo da Prefeitura Municipal de Boa Viagem.

A LISTA DAS BARRAGENS NO CURSO DO RIO:

No curso desse rio, ao longo dos anos, já foram construídas diversas barragens de pequeno porte, entre elas destacamos:

  1. O Açude Antônio de Queiroz Marinho.

BIBLIOGRAFIA:

  1. BRAGA, Renato. Dicionário Geográfico e Histórico do Ceará. Tomo II. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1967.
  2. FRANCO, G.A; CAVALCANTE VIEIRA, M.D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 232.
  3. GOMES, Raimundo Pimentel. Corografia Dinâmica do Ceará. Fortaleza: Departamento de Imprensa Oficial do Ceará, 1970.
  4. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  5. SOUSA BRASIL, Thomaz Pompeo de. Ensaio Estatístico da Província do Ceará. Tomo I. Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara, 1997.

2 ideias sobre “Rio do Cais

  1. Pingback: OS RECURSOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Açude Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta