Pe. Raimundo Nonato de Oliveira

Raimundo Nonato de Oliveira nasceu no dia 23 de maio de 1943 no Município de Russas, que está localizado na Região do Baixo Jaguaribe, no Estado do Ceará, distante 165 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Ascelino Celso de Oliveira e de Francisca Saldanha Rosa de Oliveira.
Os seus avós paternos se chamavam Antônio Teodósio de Oliveira e Antônia Francelina de Oliveira, já os maternos eram Adelino José de Santana e Francisca Moreira de Santana.
Pouco tempo depois do seu nascimento, no dia 3 de junho, seguindo os ritos da confissão religiosa de seus pais, recebeu o sacramento do batismo na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário.
Os seus primeiros anos de infância foram vividos com a sua família em uma localidade rural de seu Município que ainda é denominada de “Sítio Bento Pereira”.
Mais tarde, nos últimos meses de 1947, por conta de uma grave estiagem, os seus pais migraram para o Estado do Amazonas, onde a sua mãe possuía uma herança em um seringal existente nas proximidades do Rio Juruá, em uma localidade rural denominada de “Jacaré”.
Nos últimos meses de 1952, desejando proporcionar uma melhor assistência educacional para os seus filhos, os seus pais decidiram morar na cidade de Manaus, inicialmente no Bairro Colônia Oliveira Machado, logo depois no Bairro Educandus e por fim na Avenida Presidente Kennedy, s/nº, no Bairro Santa Luzia.
No ano seguinte, aos 10 anos de idade, quando chegou a sua época de estudar, foi matriculado pelos seus pais no Grupo Escolar Monteiro Lobato de Sousa, onde conseguiu receber formação elementar para concluir o ensino primário nos últimos meses de 1959, destacando-se em seu rendimento escolar sempre entre os melhores alunos.
Depois disso, despertada a sua vocação ao sacerdócio e contando com o valioso sacrifício de seus pais, que financiaram os seus primeiros anos de estudos, ingressou no seminário menor do Seminário Metropolitano de São José, onde recebeu instrução até enfrentar o exame de admissão ao curso ginasial.

“Fatores que influenciaram a sua vocação: a convivência na família, que foi modelada em sua mãe, ele se encantava com o culto sagrado; a Liturgia, e terceiro, ele sempre gostava de estudar, verificava que o lugar melhor para intensificar os estudos era no Seminário. Finalmente, como razão mais forte, a sua vocação foi despertada pela leitura da vida de muitos santos e ajuda de uma irmã religiosa, Maria da Conceição de Oliveira, Irmã Franciscana, das ‘Missionárias de Maria'”. (SILVEIRA, 2004: p. 358)

Nessa época, por conta das dificuldades enfrentadas em sua manutenção, os diretores do seminário foram obrigados a encerrar as suas atividades, fazendo com que fosse imediatamente transferido para uma das turmas do Colégio Estadual do Amazonas, onde finalmente concluiu o curso ginasial.
Nos primeiros meses de 1970, depois de enfrentar uma prova de vestibular, ingressou em uma das turmas do curso de Ciências, Artes e Letras da UFA, a Universidade Federal do Amazonas, concluindo essa etapa de sua formação nos últimos meses de 1973.
Ainda em 1970, para manter os seus estudos, começou a lecionar em uma escola confessional, que era denominada de Colégio Marques de Santa Cruz, sendo dirigida pela Congregação Franciscana das Irmãs de Maria.
Nesse mesmo período, depois de prestar concurso público, passou a compor o quadro de funcionários da Secretaria da Educação do Governo do Estado do Amazonas, sendo lotado no Colégio Estadual do Amazonas, escola onde concluiu a sua formação ginasial.
Nos últimos meses de 1973, finalizando a sua graduação, permanecendo na UFA como aluno graduado, foi matriculado como aluno especial em uma das turmas do curso de Inglês, encerrando esse curso nos últimos meses de 1977.
Pouco tempo depois, em 1981, depois de ter a convicção de sua vocação e contando com o auxílio de sua irmã, Madre Armandina, e do pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Mons. Cônego Plácido de Oliveira, foi encaminhado ao seminário no intuito de receber formação sacerdotal.
Nos primeiros meses de 1982, foi encaminhado por sua diocese ao CENESC, o Centro de Estudos do Comportamento Humano, onde cursou concomitantemente Filosofia e Teologia, etapa que foi conluiada nos últimos meses de 1990.
Nesse período, enfrentou diariamente e com muita coragem uma dura rotina de estudos e de trabalho, sendo gentilmente acolhido e bastante ajudado pelo Bispo Dom Milton Pereira Corrêa durante dois anos, pois necessitava de seu emprego no Estado para financiar a sua formação religiosa.
Depois da conclusão de seus estudos, decidiu abrir mão de seu contrato junto ao Governo do Estado do Amazonas para retornar para o Nordeste, estabelecendo-se na Diocese de Quixadá, onde foi ordenado aos 51 anos de idade no dia 8 de dezembro de 1994 pelo Bispo Dom Adélio Giuseppe Tomasin.

“Recebeu no mesmo ano (1993), todos os ministeriais menores e maiores. O Diaconato recebeu a 15 de agosto, conferido por Dom Adélio Tomasin. Ordenação Sacerdotal a 8 de dezembro pelo Bispo Diocesano, na catedral.” (SILVEIRA, 2004: p. 357-358)

Poucos dias depois de sua ordenação, no dia 10 de dezembro, celebrou a sua primeira missa na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Saúde, que está localizada na Paróquia do Mucuripe, na cidade de Fortaleza, mantendo durante o exercício de seu sacerdócio o seguinte pensamento:

“Com base no Vaticano II, e mais premente no discurso inaugural do Papa João Paulo XXIII, ‘De que a Igreja deveria abrir as portas e janelas, no sentido de que ela deixe sair o seu poeiral para entrar um ar fresco’, eu prevejo que ele deve proceder de três reforma urgentes: 1ª com relação à vida celibatária, sem destruí-la. 2ª com relação ao matrimônio, sem abalar a doutrina divina. 3ª com relação à tradição do Ministério Ordenado.” (SILVEIRA, 2004: p. 358)

No dia 16 de janeiro de 1995, tomou posse de sua provisão assumindo os trabalhos da Paróquia de Nossa Senhora da Guia, no Município de Boa Viagem, ocasião em que deu continuidade aos trabalhos deixados pelo Pe. Ricardo Lee Cornwall.

“Em 16 de janeiro, o aludido curato passou à condição de paróquia – a Paróquia de Nossa Senhora da Guia – com a posse do seu primeiro pároco, Padre Raimundo Nonato de Oliveira.” (NASCIMENTO, 2000: p. 103)

Nessa comunidade, sendo bastante querido por seus paroquianos, ficou conhecido por sua vida espartana, aproveitando os momentos de folga para trabalhar na lavoura, mantendo sempre o seu roçado de milho e feijão.
Em sua administração, ministrando em uma comunidade pobre, costumava andar léguas a pé no intuito de assistir algumas comunidades, cuidando também da construção da Capela de Nossa Senhora de Fátima, no Sítio dos Fernandes e da reforma do Salão paroquial Luiz Vieira de Sousa.
Nos últimos meses de 1998, por ordem do bispo, diante de uma nova designação sacerdotal, foi sucedido na Paróquia de Nossa Senhora da Guia pelo Pe. José Adauberto de Lima.
Nesse mesmo ano, passou a compor o quadro de vigários cooperadores do Santuário de Nossa Senhora Rainha do Sertão, que está localizado na Serra Pelada, no Município de Quixadá, onde permaneceu por apenas 4 meses, sendo indicado a executar as suas funções sacerdotais na Paróquia de Jesus, Maria e José, onde está a Catedral da Diocese de Quixadá.
Nos primeiros meses de 1999, foi designado pelo seu bispo para assumir a função de vigário cooperador da Paróquia de São Sebastião, na cidade de Choró, onde auxiliou durante algum tempo, o Pe. Antônio Océlio Teixeira de Almeida.
Nessa mesma época, ingressou como professor contratado da Prefeitura de Choró, lecionando a disciplina de religião na Escola de Ensino Fundamental Dom Bosco.
Mais tarde, no dia 2 de novembro de 2000, recebendo uma nova designação sacerdotal, passou a exercer a função de vigário cooperador da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, auxiliando nessa ocasião os trabalhos desenvolvidos pelo Mons. Luiz Orlando de Lima.

“Também, para glória de Deus, temos em nosso meio o vigário paroquial, Pe. Raimundo Nonato de Oliveira, que aqui chegou em novembro de 2000… Tem contribuído, de maneira notável, com o Pe. Orlando das várias atividades religiosas.” (NASCIMENTO, 2000: p. 96)

Mais tarde, no dia 22 de outubro de 2003, por meio da resolução nº 12, foi agraciado com o título de cidadania boa-viagense, que foi concedido pela Câmara Municipal de Vereadores.

Imagem do Pe. Raimundo Nonato de Oliveira ao lado de Dom Adélio Giuseppe Tomasin e do Mons. Luiz Orlando de Lima.

No dia 23 de maio de 2010, por determinação do novo bispo, Dom Ângelo Pignoli, permaneceu na Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, passando a cooperam com o Pe. José Erineudo Ferreira de Souza.
Algum tempo depois, no dia 6 de junho de 2017, já em avançada idade, segundo informações publicadas no caderno regional do jornal Diário do Nordeste, edição do dia 9 de junho, temos notícias de sua situação de saúde e do susto causado aos seus paroquianos:

“Passa bem o padre que passou mal e que teria chegado a desmaiar durante uma missa que celebrava na noite da última segunda-feira. A informação foi confirmada pelo pároco da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, José Erineudo Ferreira. O fato aconteceu durante a celebração noturna. Padre Raimundo Nonato de Oliveira, de 73 anos, teria se sentido mal no momento da comunhão e chegou a desmaiar. O celebrante foi socorrido pelos fieis. A causa teria sido um problema de infecção intestinal. Pe. Raimundo já teria começado a celebração um pouco febril. Na mesma paróquia, além dele e do pároco, há outros dois padres, mas os sacerdotes estavam viajando.” (DIÁRIO DO NORDESTE, 2017: Padre que desmaiou durante missa em Boa Viagem está em recuperação. Disponível em http://blogs.diariodonordeste.com.br/sertaocentral/religiao/padre-que-desmaiou-durante-missa-em-boa-viagem-esta-em-recuperacao/. Acesso no dia 28 de novembro de 2017)

Nos últimos meses de 2017, por uma nova designação pastoral, foi informado de sua substituição na execução de seus trabalhos, retornando para cidade de Quixadá, onde passará a residir em convivência com outros padres aguardando a construção da casa do clero.

“O Bispo Diocesano de Quixadá, Dom Ângelo Pignoli, que responde pelas paróquias dos Municípios de Quixadá, Quixeramobim, Itatira, Boa Viagem, Madalena, Choró, Itapiúna, Capistrano, Ibaretama e Banabuiú, e uma população de mais de trezentos mil habitantes, assinou no último dia 11 de novembro os decretos de nomeações realizando alterações em diversas paróquias pelas quais é responsável. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, dia 16, no site oficial da Diocese de Quixadá. Entre os Municípios que passarão por mudanças estão Quixadá, Quixeramobim, Boa Viagem, Banabuiú e Itapiúna.” (MONOLITOSPOST. 2017: Disponível em http://www.monolitospost.com/2017/11/17/dom-angelo-pignoli-realiza-mudancas-de-parocos-e-vigarios-em-varias-paroquias-da-diocese-de-quixada/. Acesso no dia 21 de novembro de 2017)

Nesse período, atendendo ao convite do Pe. Thomas James Thacheril e contando com a permissão do bispo diocesano, esteve prestando valiosos serviços na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Boa Viagem.

Imagem do Pe. Raimundo Nonato de Oliveira.

BIBLIOGRAFIA:

  1. DIÁRIO DO NORDESTE. Padre que desmaiou durante missa em Boa Viagem está em recuperação. Disponível em http://blogs.diariodonordeste.com.br/sertaocentral/religiao/padre-que-desmaiou-durante-missa-em-boa-viagem-esta-em-recuperacao/. Acesso no dia 28 de novembro de 2017.
  2. MONOLITOSPOST. Dom Ângelo Pignoli realiza mudanças de párocos e vigários em várias paróquias da Diocese de Quixadá. Disponível em http://www.monolitospost.com/2017/11/17/dom-angelo-pignoli-realiza-mudancas-de-parocos-e-vigarios-em-varias-paroquias-da-diocese-de-quixada/. Acesso no dia 21 de novembro de 2017.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto de. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  4. SILVEIRA, Aureliano Diamantino. Ungidos do Senhor na Evangelização do Ceará (1700-2004). 1º Vol. Fortaleza: PREMIUS, 2004.