Pe. Elpídio de Sousa Sampaio

Pe.-Elpídio-de-Sousa-SampaioElpídio de Sousa Sampaio nasceu no dia 30 de outubro de 1927 no Município de Quixadá, que está localizado no Sertão do Estado do Ceará, distante 167 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Francisco de Sousa Sampaio e de Rosália de Sousa Sampaio.
Alguns dias depois do seu nascimento, seguindo os costumes da confissão religiosa de seus pais, recebeu o sacramento do batismo das mãos do Pe. João Lucas Heuser, vigário da Paróquia Jesus, Maria e José.
Pouco sabemos sobre a sua infância, mas o certo é que ainda bem jovem, demonstrando pendor ao sacerdócio, foi encaminhado por sua paróquia aos estudos eclesiásticos.
Foi aluno do Seminário Episcopal do Ceará, atual Seminário da Prainha, que está localizado na Rua Tenente Benévolo, nº 201, Centro, na cidade de Fortaleza, embora o seu curso tenha seguido um rumo bastante incomum para essa época:

“Concluiu o curso colegial no Seminário da Prainha, em 1950; O de Filosofia no Seminário da Prainha, em 1950; O de Teologia, no Seminário da Prainha, em 1954; Curso de Dinâmica de Grupo, em 1970 e a Licenciatura em Filosofia na Faculdade de Filosofia do Piauí, em 1972, em Teresina.” (SILVEIRA, 2004: p. 390)

No dia 5 de dezembro de 1954, aos 27 anos de idade, no Seminário da Prainha, foi ordenado pelo arcebispo de Fortaleza, Dom Antônio de Almeida Lustosa.
Poucos dias depois disso, em 15 de fevereiro de 1955, recebeu designação para a sua primeira experiência pastoral, nessa oportunidade assumiu o lugar deixado pelo Pe. Geraldo Campos na Paróquia de Nossa Srª da Conceição, no Distrito de Guanacés, localizado no Município de Cascavel.

Imagem do Pe. Elpídio de Sousa Sampaio.

Imagem do Pe. Elpídio de Sousa Sampaio.

Tomou posse dessa freguesia no dia 17 de fevereiro por conta de um grave acidente automobilístico que envolveu o seu antecessor, o Pe. Geraldo Campos:

“O Pe. Geraldo Campos acompanhou a conclusão da Capela de Nossa Srª de Fátima, da Preaoca, aliás, benta em 13 de outubro de 1953, antes que o Pe. Geraldo entrasse, em 14 de fevereiro de 1954; ele teve de afastar-se, após sofrer violento acidente de veículo, que resultou em mortos e feridos.” (BARROSO, 2002: p. 386)

Permaneceu nessa comunidade até o dia 9 de março de 1956, quando foi exonerado e sucedido na freguesia pelo Pe. Gothardo Thomás de Lemos.
Antes disso, no dia 15 de fevereiro de 1956, foi encarregado de assumir os trabalhos religiosos da Paróquia da Sagrada Família, no Município de Beberibe, onde permaneceu até os últimos dias de fevereiro de 1958.
Poucos dias depois, no dia 1º de março de 1958, tomou posse de sua nova designação pastoral, a Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, que está localizada no Sertão Central do Estado do Ceará.
Nessa ocasião, depois de suceder ao Pe. Irineu Limaverde Soares, conseguiu imprimir a sua marca, principalmente na estiagem que aconteceu no final da década de 1930:

“Fundou a Cruzada Eucarística, deu ênfase à catequese, formando grupos de catequistas, fundou e dirigiu a Escola Paroquial, cuja professora era a Srª Anete Araújo e dedicou grande atenção aos flagelados da seca de 1958.” (NASCIMENTO, 2002: p. 89)

Permaneceu nessa freguesia até o dia 30 de outubro de 1961, quando foi substituído pelo Pe. José Patrício de Almeida.

Imagem da Igreja Matriz de Nossa Srª da Boa Viagem, em 1950.

Imagem da Igreja Matriz de Nossa Srª da Boa Viagem, em 1950.

Depois disso, mesmo sendo transferido dessa paróquia, quociente das necessidades educacionais do povo de Boa Viagem, deu forte contribuição na campanha para formação do donativo que deu origem à Escola de Ensino Médio Dom Terceiro.
Poucos dias depois, no dia 1º de novembro de 1961, assumiu a Paróquia de São Sebastião, que está localizada no Município de Mulungu, na região da Serra do Baturité, onde permaneceu até o dia 20 de janeiro de 2001.
Nessa freguesia, durante os seus quarenta anos de ministério sacerdotal, lecionou língua francesa em algumas escolas da região e conseguiu estender o seu raio de influência por outras regiões do Estado.

“Assessor eclesiástico do Círculo Operário de Guanacés, em 1955; Assessor eclesiástico do Círculo Operário de Mulungu, em 1961; Professor de OSPB em Mulungu, de 1966 a 1968; Agente de mobilização do MOBRAL, em 1972; Agente de apoio da Coordenação do MOBRAL de Mulungu, de 1972 a 1974; Encarregado pela implantação do PRODAC em Fortaleza, em 1975.” (SILVEIRA, 2004: p. 391)

Em acordo ao que escreveu a Profª. Luciana Martins Freire, em sua dissertação de mestrado, em seu período de ministério sacerdotal a frente dessa paróquia ocorreu a construção da imagem do padroeiro da cidade:

“Já a atual estátua do padroeiro, São Sebastião, foi construída a partir de uma promessa de campanha política do Sr. José Wanderley Vieira. Assim eleito, a comunidade passou a discutir se seria melhor a construção da estátua do padroeiro do Município. O então vigário, Pe. Elpídio de Sousa Sampaio, solicitou, em plena missa, a opinião do povo, que se decidiu pelo padroeiro.” (FREIRE, 2007: p. 79)

Depois disso, desejando ter uma melhor assistência médica, transferiu-se para cidade de Fortaleza, onde passou a residir na Rua Professor Paulo Lopes, nº 122, no Bairro Henrique Jorge.
Residindo na cidade de Fortaleza, já em 2001, recebeu nomeação para compor o quadro de professores do Seminário da Prainha, aonde lecionava nas turmas do propedêutico e estava vinculado à Paróquia de Nossa Srª da Saúde, no Mucuripe.
Faleceu na manhã do dia 22 de maio de 2016, contando 88 anos de idade, depois de passar alguns dias hospitalizado.
Logo após o seu falecimento, por volta das 13h30min, o seu corpo foi levado imediatamente para Igreja Matriz de Nossa Srª da Saúde, no Mucuripe, onde recebeu as despedidas fúnebres em uma Missa que foi solenemente celebrada pelo arcebispo de Fortaleza, Dom José Antônio Aparecido Tosi Marques.
No dia seguinte, depois das atividades religiosas que são de costume, o seu ataúde foi conduzido para o sepultamento, que ocorreu no Cemitério de São João Batista, que está localizado na Rua Pe. Mororó, s/nº, no Centro da cidade de Fortaleza.