Maria Mocinha Teixeira Pinto Batista

maria-mocinha-iMaria Mocinha Teixeira Pinto Batista nasceu no dia 29 de março de 1951 no Município de Boa Viagem, que está localizado no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filha de Agostinho Teixeira Pinto e de Joana da Silva Pinto.
Os seus avós paternos se chamavam Cirilo Teixeira Pinto e Maria Anália de Sousa, já os maternos eram Francisco Pereira da Silva e Isabel Francisca de Jesus.
Iniciou a sua vida estudantil na Escola de Ensino Fundamental Padre Antônio Correia de Sá, sendo matriculada logo em seguida na Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, onde concluiu o curso de habilitação ao Magistério.
Foi casada com Luís Alves Batista, que nasceu no dia 14 de julho de 1951, sendo filho de Raimundo Alves Batista e de Maria Mesquita Alves.
Desse casamento foram gerados cinco filhos, dois homens e três mulheres, sendo eles: Isabel Cristina Teixeira Batista, Wagner Luís Teixeira Batista, Kilvia Raquel Teixeira Batista, José Ronaldo Teixeira Batista e Érika Berenice Teixeira Batista.
Nos últimos anos da década de 1970, juntamente com o seu sogro e o seu esposo, empreendeu muito esforço para fundação do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Município de Boa Viagem:

“Assumindo à presidência [Referindo-se a Raimundo Alves Batista], uma de suas primeiras atitudes foi locar uma caminhonete e sair pelo Município, juntamente com o seu filho e a sua nora, Luís Alves Batista e Maria Mocinha Teixeira Pinto Batista, arrecadando donativos para aquisição da sede do sindicato, meta que foi atingida dentro de pouco tempo ao adquirir duas casas na Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima.” (SILVA JÚNIOR, 2016: Raimundo Alves Batista. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/raimundo-alves-batista/. Acesso no dia 5 de novembro de 2016)

Depois disso, a partir do início da década de 1980, passou a ser a pilastra de sustentação política de seu esposo, que por diversas vezes concorreu a vários cargos eletivos, entre eles o de vice-prefeito, chegando a ter quatro mandatos na Câmara Municipal de Vereadores e por muito tempo foi o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Município de Boa Viagem.
No pleito eleitoral que ocorreu no dia 5 de outubro de 2008, devido ao fato de seu esposo ter sofrido um AVC, um Acidente Vascular Cerebral, problema em sua saúde que lhe dificultava a fala e certos movimentos, decidiu tomar a frente nas suas intenções de continuar representando os trabalhadores rurais do Município de Boa Viagem no Poder legislativo.
Nessa eleição, militando nos quadros políticos do PDT, o Partido Democrático Trabalhista, com a legenda nº 12.000, conseguiu reunir 1.059 votos, a oitava maior votação dessa eleição.

Material de campanha

Imagem de seu material de campanha.

Algum tempo depois, no dia 6 de abril de 2011, juntamente com os seus familiares, partilhou da perda de seu esposo, que faleceu prestes a completar 60 anos de idade.

“Morreu por volta das 18 horas de ontem, dia 6 de abril de 2011, em Fortaleza, Luís Alves Batista, conhecido como “Luís Cristino”, o maior líder sindical de Boa Viagem e ex-vereador, que era casado com dona Maria Mocinha, com quem teve cinco filhos, atualmente era presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Boa Viagem exerceu também o cargo de vereador em quatro mandatos. Luís era um apaixonado pela vida sindical, dedicou a sua vida pela luta dos trabalhadores rurais, sem duvida foi um homem importante de Boa Viagem que será lembrado por gerações, homem de discurso contagiante, era um ótimo orador.” (FARIAS, 2011: Morre Luís Alves Batista, Disponível em http://www.blogdocid.com/2011_04_01_archive.html. Acesso em 8 de agosto de 2015)

Sem desanimar, desejando dar continuidade aos projetos políticos de seu esposo, na eleição municipal que ocorreu no dia 7 de outubro de 2012, militando nos quadros políticos do PSD, o Partido Social Democrático, com a legenda nº 55.888, concorreu em busca de sua reeleição, mas conseguiu receber apenas 702 votos, ficando na primeira suplência de sua coligação.

Imagem do material de campanha.

Imagem de seu material de campanha.

Pouco tempo depois, no dia 1º de agosto de 2014, por conta de uma licença solicitada por interesse particular do Dr. Gutemberg Mendes Farias Filho, assumiu a sua cadeira na Câmara Municipal de Vereadores até os últimos dias desse ano.
No pleito eleitoral seguinte, que ocorreu no dia 2 de outubro de 2016, na intenção de permanecer vivo o projeto político de seu sogro, incentivou a sua filha Érika Berenice Teixeira Batista a entrar na vida pública e continuar o legado deixado por seus ancestrais:

“No pleito eleitoral que ocorreu no dia 2 de outubro de 2016, motivada por sua mãe em dar continuidade aos projetos políticos de seu avô paterno, estando filiada nos quadros políticos do PROS, o Partido Republicano da Ordem Social, com a legenda nº 90.000, concorreu ao seu primeiro mandato ao Poder Legislativo do Município de Boa Viagem, sendo eleita nessa ocasião com 1.891 votos, sendo a quarta vereadora com o maior número de votos dessa eleição.” (SILVA JÚNIOR, 2016: Érica Berenice Teixeira Batista. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/erica-berenice-teixeira-batista/. Acesso no dia 18 de novembro de 2016)

BIBLIOGRAFIA:

  1. FARIAS, Cid. Morre Luís Alves Batista. Disponível em http://www.blogdocid.com/2011_04_01_archive.html. Acesso em 8 de agosto de 2015.
  2. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  3. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Raimundo Alves Batista. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/raimundo-alves-batista/. Acesso no dia 5 de novembro de 2016.
  4. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Érica Berenice Teixeira Batista. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/erica-berenice-teixeira-batista/. Acesso no dia 18 de novembro de 2016.