Lagoa das Carnaúbas

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A Lagoa das Carnaúbas é uma localidade existente na zona rural do Município de Boa Viagem, distante pouco mais de ?? quilômetros do Centro da cidade de Boa Viagem, no Estado do Ceará.
Dentro da divisão politico-geográfica, em relação ao Marco Zero, esse povoado está na região oeste do Município, dentro dos limites geográficos do território do Distrito de Olho d’Água dos Facundos.

A ORIGEM DE SEU TOPÔNIMO:

Designação toponímica classificada como complexa, a sua nomenclatura está diretamente relacionada a existência de uma lagoa na localidade, onde existem carnaúbas.

Imagem de uma lagoa com carnaubeiras.

A carnaubeira, também chamada de caraubeira ou carnaíba, é uma árvore da família das bignoniáceas, de onde se estrai diversos produtos.

AS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:

Em um passado bem recente esse povoado já possuía algumas casas distantes umas das outras, servindo às famílias dos trabalhadores rurais que eram moradoras das várias fazendas existentes na região, vivendo da criação extensiva de gado e do plantio de milho, feijão, mandioca e outras em terras que são irrigadas pelo Riacho do Meio.

AS LOCALIDADES DE SUA VIZINHANÇA:

O acesso para localidade de Lagoa das Carnaúbas, saindo da cidade de Boa Viagem, saindo da cidade de Boa Viagem, é feito por via terrestre por meio da BR-020, a Rodovia Federal Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, seguindo também por uma das rodovias municipais, que lamentavelmente não possuem nomenclatura que facilitem a sua identificação.

Imagem do mapa da região.

A Lagoa das Carnaúbas tem em sua vizinhança as seguintes localidades: Arara, Barra da OnçaBom Sucesso, Cajazeira, Malhada, Relógio e Sabonete.

BIBLIOGRAFIA:

  1. BRAGA, Renato. Dicionário Histórico e Geográfico do Estado do Ceará. v. 1º. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1964.
  2. FRANCO, G. A.; CAVALCANTE VIEIRA, M. D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 2007.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.

Deixe uma resposta