José de Queiroz Sampaio Neto

Sampaio NetoJosé de Queiroz Sampaio Neto nasceu no dia 2 de dezembro de 1951 na cidade de Boa Viagem, que está localizada no Sertão de Canindé, no Estado do Ceará, distante 217 quilômetros da cidade de Fortaleza, sendo filho de Cristóvam de Queiroz Sampaio e de Maria Vieira Sampaio.
Os seus avós paternos se chamavam José de Queiroz Sampaio e Maria Conceição de Oliveira Sampaio, já os maternos eram  Joaquim Vieira Lima e Balbina de Almeida Vieira.
Quando chegou a sua idade escolar, teve o privilégio de receber instrução elementar em sua própria residência através da Profª. Antônia Ramos, popularmente conhecida como Dona Biluca, que foi contratada pelos seus pais para alfabetizar-lhe.
Depois disso, possuindo as noções elementares de leitura, escrita e cálculos, foi matriculado pelos seus pais em uma das turmas do Patronato Nossa Senhora de Fátima, onde cursou da 1ª à 4ª série do Ensino Primário, sendo depois matriculado na Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, onde alguns anos depois concluiu o curso Científico.
Nessa escola, acompanhado de vários amigos, costumava organizar torneios e campeonatos de futsal, o que lhe rendeu enorme prestígio entre os jovens de sua geração.
Nesse mesmo período, por conta do envolvimento social de seus pais, participou ativamente da “era de ouro” do Lions Clube e da Associação Atlética Boa-viagense, participando de sua diretoria em diversas ocasiões:

“Imbuído sempre de bons propósitos e dinamismo, foi membro do Lions Clube, uma vez presidente da Associação Atlética Boa-viagense, além de diretor por vários períodos.” (MARINHO, 2014: p. 135)

Alguns anos mais tarde, no dia 15 de novembro de 1976, desejando ingressar na vida pública pleiteando uma das cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores, militando nos quadros políticos da ARENA 1, a Aliança Renovadora Nacional, com a legenda nº 2.110, conseguiu ser eleito ao receber a confiança de 872 eleitores, sendo o vereador com a quarta maior votação desse pleito.
Pouco tempo depois, no dia 31 de janeiro de 1981, foi conduzido pelos seus pares à presidência da mesa diretora da Câmara Municipal para o terceiro biênio, que foi de 1981 a 1983.
Nessa legislatura, que foi prorrogada por mais dois anos, dando apoio ao projetos vindos do gabinete do Prefeito Benjamim Alves da Silva, aprovou orçamento da construção do Centro Administrativo Gov. Virgílio de Morais Fernandes Távora; A instalação do Projeto Sertanejo; A construção do Terminal Rodoviário Samuel Alves da Silva; A construção do Terminal Aéreo Cel. Virgílio de Morais Fernandes Távora; A construção do Açude da Massangana; A construção das muralhas do Estádio Municipal Dr. Francisco Segismundo Rodrigues dos Santos Neto e a instalação da EMATERCE, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará.
Nos últimos anos da década de 1970, depois do término das obras de pavimentação da Rodovia Federal Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, a BR-020, percebendo o excelente nicho de mercado a ser explorado, em sociedade com Jessé Alves da Silva e o Dr. Francisco Vieira Carneiro, abriu um posto de combustíveis, que durante anos foi o único da cidade.
Na eleição municipal seguinte, que ocorreu no dia 15 de novembro de 1982, compondo os quadros políticos do PDS, o Partido Democrático Social, com a legenda nº 1.607, conseguiu ser reeleito depois de receber 778 votos, sendo novamente o quarto vereador na preferência dos eleitores.
Nessa disputa eleitoral o voto era vinculado, quando o eleitor tinha de alinhar a sua escolha entre os poderes Executivo e Legislativo sob a pena de ter o seu voto anulado: 

“Em 15 de novembro de 1982 o eleitorado brasileiro foi chamado a eleger os governadores que administrariam os seus Estados pelo interregno temporal de quatro anos, a contar de 15 de março de 1983, num pleito que envolveu cerca de 70 milhões de eleitores sendo a primeira eleição direta para governador de Estado desde os anos 1960. Neste pleito valeu o ‘voto vinculado’: o eleitor teria que escolher candidatos de um mesmo partido para todos os cargos em disputa, sob pena de anular o seu voto.” (S.N.T)

Nessa legislatura, depois de ser convidado pelo Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, no dia 31 de janeiro de 1983, pediu licença de seu mandato para assumir a pasta da Secretaria de Desportos e Serviço Social da Prefeitura de Boa Viagem, deixando em seu lugar o seu suplente, o Vereador Raimundo de Oliveira Mota.

Imagem do elenco da seleção do Município de Boa Viagem, em 1982.

Imagem do elenco da seleção do Município de Boa Viagem, em 1983.

Nessa época, no segundo semestre de 1983, sob a sua direção, a Seleção de Boa Viagem se sagrou vice-campeã da XVI edição do torneio Intermunicipal de Futebol promovido pela APCDEC, a Associação Profissional dos Cronistas Desportivos do Estado do Ceará:

“A história do Boa Viagem Esporte Clube tem início na década de 1980. Naquela época a Seleção do Município foi inscrita em uma competição Intermunicipal realizada pela Associação Profissional dos Cronistas Desportistas do Estado do Ceará, a APCDEC. Em 1983 o clube, que ainda não era profissional, chegou à final da competição, todavia não conseguiu conquistá-la, foi derrotado na final pela equipe de Itapipoca pelo placar de 1 a 0. Quatorze anos depois, em 1997, o sonhado título tornou-se realidade, o Boa Viagem venceu a equipe de Maranguape na final da competição e tornou a repetir a façanha em 1998, quando conseguiu derrotar na final o selecionado de Aracati. Com a conquista do Torneio Intermunicipal o Boa Viagem Esporte Clube garantiu o direito de disputar a Segunda Divisão do Campeonato Cearense de 2000. Diante disso, a sociedade do Município de Boa Viagem se organizou em torno do clube e, com apoio da Governo Municipal, foi fundado o Boa Viagem Esporte Clube.” (S.N.T)

Nesse mesmo período, juntamente com outros sócios, conseguiu colocar em prática o projeto de instalar uma emissora de rádio na cidade de Boa Viagem, a Rádio Difusora Asa Branca LTDA, que durante muitos anos serviu de porta voz do grupo político da “Oligarquia dos Paraibanos”, o seu berço político:

“Instalada no dia 17 de setembro de 1983. Sócios: Dr. José Vieira Filho (fundador), Profª. Maria Dias Cavalcante Vieira, Dr. Francisco Vieira Carneiro, José de Queiroz Sampaio Neto e outros. Em 13 de outubro de 1999, passou para a administração do Dep. Eunício Lopes Oliveira, Ricardo Lopes Augusto e Gardêncio Lucena.” (NASCIMENTO, 2002: p. 243)

Algum tempo depois dessas conquistas, nos últimos meses de 1986, obedecendo aos acordos políticos, retomou a sua cadeira no Poder Legislativo, oportunidade em que foi novamente eleito pelos seus pares como presidente da mesa diretora da Câmara Municipal para o exercício do 3º biênio legislativo.

Na imagem, o Vereador Sampaio Neto e outras lideranças políticas recebem o Governador Adauto Bezerra no Terminal Aéreo Coronel Virgílio de Morais Fernandes Távora.

Nessa legislatura, embora não tenha passado todo o período de seu mandato na Câmara, apoiou os projetos encaminhados pelo gabinete do Prefeito José Vieira Filho, sendo eles: A reconstrução da Praça Antônio de Queiroz Marinho; A construção do edifício anexo à Escola de Ensino Médio Dom Terceiro; A construção da Escola de Ensino Fundamental Pe. Paulo de Almeida Medeiros; A construção do edifício da Teleceará e a instalação do sistema DDD; A construção do Parque de Vaquejadas e Eventos Joaquim Vieira Lima; A construção do Parque de Exposições Agropecuárias José Vieira de Lima; A construção do Açude Prefeito José Vieira Filho; A construção da Barragem Presidente Tancredo de Almeida Neves; A construção do Açude São José; A construção de cinquenta prédios escolares pela zona rural, postos de saúde e uma Agência da Previdência Social.
Ao final desse mandato, na convenção que definiu os candidatos para o pleito seguinte, o seu nome foi escolhido para concorrer ao cargo de vice-prefeito na chapa do PMDB, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro, que foi encabeçada pelo Vereador João Soares Lima Filho e tinha o valioso apoio do Governo Municipal.
Nas chapas adversárias, na primeira delas, na composição do PDS, estavam os nomes de Benjamim Alves da Silva e do Dr. Francisco Segismundo Rodrigues dos Santos Neto, já na segunda, pelo PT, o Partido dos Trabalhadores, estavam os nomes do Dr. Deodato José Ramalho Júnior e do competente Professor Cícero Pinto do Nascimento.
Pouco tempo depois desse fato, nas eleições municipais ocorridas no dia 15 de novembro de 1988, as urnas proclamaram o seguinte resultado: o ex-Prefeito Benjamim Alves da Silva foi eleito ao receber 10.610 votos, João Soares Lima Filho recebeu 6.279 e o Dr. Deodato José Ramalho Júnior apenas 1.066 votos.
Nos primeiros meses de 1997, na gestão do Prefeito Dr. Francisco Vieira Carneiro, o Major Carneiro, assumiu à pasta da Secretaria de Finanças da Prefeitura de Boa Viagem, sendo acusado algum tempo depois pelos principais correligionários de sua antiga base política como um dos principais articuladores para o processo de impeachment que se seguiu e do firme e constante apoio ao nome do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, de quem se tornou ardoroso correligionário.
Pouco tempo depois, conciliando com as suas atividades de agropecuarista, passou a participar como consultor de história política em algumas das emissoras de rádio da cidade de Boa Viagem, ficando bastante conhecido por participar de um dos quadros da grade da Rádio Liberdade, que tem como ancora o Radialista João Alves Filho:

“Grande conhecedor de assuntos políticos, vem desde 2002 participando de programas radiofônicos, tecendo comentários abalizados nessa área e em outras que são abordadas. Iniciou na FM Canudos, permanecendo na AM Liberdade, no ‘Debates da Liberdade’, às quartas-feiras e aos sábados.” (MARINHO, 2014: p. 135)

Alguns anos mais tarde, depois da descoberta do diabetes, padeceu durante muitos tempo com essa silenciosa enfermidade, que também atingiu aos seus rins, obrigando-o a semanalmente realizar o processo de hemodiálise na cidade de Canindé.
Por fim, na madrugada do dia 30 de de novembro de 2018, prestes a completar 67 anos de idade, enfrentando uma grave crise, faleceu no Hospital e Casa de Saúde Adília Maria de Lima.