Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A agência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos está localizada na Praça Monsenhor José Cândido de Queiroz Lima, nº 170, Centro, esquina com a Rua Agronomando Rangel, na cidade de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Imagem do edifício dos Correios em Boa Viagem, em 2018.

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, também conhecida pela sigla ECT, ou, simplesmente, Correios, é uma empresa pública federal responsável pela execução do sistema de envio e entrega de correspondências no Brasil.
O código de endereçamento postal, conhecido pela sigla CEP, foi criado pela Empresa de Correios e Telégrafos em 1971, onde o Município de Boa Viagem possui o número 63.870-000.

LOGOMARCA UTILIZADA POR ESSA EMISSORA:

Essa emissora de rádio já possuiu outras logomarcas, sendo que a última delas é a que segue logo abaixo:

Imagem da logomarca utilizada pelos Correios.

UM POUCO DE SUA HISTÓRIA:

Um dos primeiros canais de comunicação que foram utilizados pelos moradores do Município de Boa Viagem foram as cartas, os jornais e as revistas, que eram expedidas semanalmente de trem da cidade de Fortaleza para cidade de Quixeramobim, sendo depois disso recebidas pelos estafetas na agência dos correios daquela cidade, onde passavam por uma triagem na estação ferroviária e depois eram conduzidas em malotes a cavalo até o seu ponto de destino.

“O serviço postal era realizado per mensageiros (estafetas). que saiam de Quixeramobim para Boa Viagem, Independência, Crateús e Monsenhor Tabosa. Com enormes sacrifícios, prestaram serviços os seguintes estafetas: Raimundo Camurça, Virgílio Camurça, Cabo Antônio Lopes de Freitas e Álvaro Pimentel.” (NASCIMENTO, 2002: p. 241)

Sobre esse assunto, segundo algumas notas contidas no jornal a Esquerda, ano 1928, página nº 4, edição nº 49, geralmente, na capital do Estado, os Correios anunciavam aos interessados, nos periódicos em circulação, o dia e o horário em que o malote estava sendo fechado e o destino da mala postal:

“O correio da estrada de ferro de Baturité expedirá malas sexta-feira: Damas, Barro Vermelho, Mondubim, Maracanaú, Maranguape, Pacatuba, Guaiuba, Água Verde, Acarape, Redenção, Canafístula, Aracoiaba, Putiú, Baturité, Coité, Mulungu, Caridade, Canindé, Riachão, Castro, Caio Prado, Junco, Quixadá, Laranjeiras, Floriano Peixoto, Francisco de Hollanda, Uruquê, Quixeramobim, Senador Pompeu, Afonso Pena, Sussuarana, Iguatu, José de Alencar, Cedro, Lavras, Ingazeiras, Lagoinha, São Pedro do Cariry, Várzea Alegre, Maria Pereira, Tauhá, Arneiroz, Boa Viagem, Independência, Vertentes, Novo Oriente, Cratheús, Telha, Tamboril, Missão Velha, Goianinha, Porteiras, Milagres, Brejo dos Santos, Joazeiro, Crato, Jardim, Barbalha, Maurity e Novo Exu. Fechamento das malas: Ordinária – às 20 horas. Registrada – às 19 horas. Aos domingos as malas se fecharão às 11.30, e, nos feridos, às 12.30 horas, caso não haja serviço extra.”

Quando esse malote chegava, logo o seu conteúdo era distribuído aos seus destinatários por José Ribeiro e Silva, surgindo daí a necessidade de também existir um local adequado para essa distribuição, tendo em vista que vez por outra os destinatários não eram encontrados.

Imagem do casarão de Dona Amélia Ribeiro, em 2016.

Alguns anos depois, quando a agência dos correios passou para responsabilidade de Amélia Ribeiro e Silva, filha do citado funcionário, uma pequena sala de sua casa foi separada para servir como o local da agência, que estava localizada em um suntuoso casarão existente na Rua Padre Antônio Correia de Sá, nº 416, Centro:

“Só duas vezes por semana ela abria uma de suas portas, onde ocorria a entrega das cartas e encomendas chegadas em lombo de burro do Quixeramobim. A agente postal era D. Amélia Ribeiro, única funcionária federal na época. Duas vezes por semana chegavam as malas conduzidas, alternadamente, pelos estafetas, Camurça e Zé Filho, que, igualmente, levavam as nossas correspondências para Quixeramobim… A partir das quatro da tarde, muitos aguardavam que D. Amélia abrisse a porta e a janela determinada, em frente de sua casa. Era o sinal da distribuição das correspondências. Naquela hora, ela abria solenemente as malas, e anunciava, um por um, os nomes dos destinatários, entregando-lhes as cartas.” (CARALHO FILHO, 2008: p. 49-51)

Alguns anos mais tarde, nos primeiros meses de 1949, por conta do crescimento da cidade e da expansão dos equipamentos da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, contando com recursos do Governo Federal, na gestão do Prefeito Manoel Araújo Marinho, a cidade de Boa Viagem recebeu uma moderna agência dessa empresa.

“O Departamento dos Correios e Telégrafos foi agenciado, durante algum tempo, pelo Senhor José Ribeiro e Silva, passando depois para sua filha Amélia Ribeiro e Silva. Dona Amélia trabalhou em sua residência até o ano de 1949, quando tivemos a nossa atual agência inaugurada.” (NASCIMENTO, 2002: p. 240)

O local escolhido para sua construção foi em um ponto estratégico da cidade, próximo dos principais equipamentos públicos existentes na época, quando o seu edifício passou a servir também como um belo cartão postal para os seus visitantes.

Imagem da agência dos Correios e Telégrafos de Boa VIagem, em 1950.

Imagem da agência da Empresa Brasileira dos Correios e Telégrafos na cidade de Boa Viagem, em 1950.

O terreno para construção dessa agência, que possui 382m², foi negociado com o Pe. Francisco Clineu Ferreira, vigário responsável pelo patrimônio da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, sendo algum tempo depois disso incorporado como bem da União por meio da lei nº 509, de 20 de março de 1969.
Nessa mesma época, desejando melhorar a qualidade de seus serviços, essa agência passou a contar com novos funcionários, alguns deles vindos de outros Municípios, entre eles carteiros.

“O primeiro carteiro foi o Sr. Irineu, que foi substituído, mais tarde, pelo amigo José Assef Fares, natural de Fortaleza, casado com a Srª Francisca Ione Vieira Assef.” (NASCIMENTO, 2002: p. 241)

Muito tempo antes desses acontecimentos, aproveitando a oportunidade de trazer desenvolvimento e progresso para nossa região, no governo do Prefeito José Rangel de Araújo, segundo registros existentes no livro de protocolos das correspondências da Prefeitura de Boa Viagem, o Governo Municipal manifestou o interesse pela instalação das linhas telegráficas que tinham por objetivo conectar o Município de Boa Viagem com o mundo.

“Em resposta ao vosso ofício, de número 2.313, de 21 de junho de 1938, cumpre-me comunicar a vossa excelência que essa prefeitura está disposta a fornecer o prédio para a instalação da agência postal telegráfica, bem como os postes para construção de uma linha telegráfica que há de ligar esta localidade a estação de Quixeramobim.”

Ao que nos parece, por conta da inexistência de registros oficiais, a instalação dessas linhas de telégrafo demoraram muito tempo para acontecer, pois só temos conhecimento de seu funcionamento a partir dos primeiros anos da década de 1950, encerrando esse tipo de serviço nos últimos anos da década de 1990, depois da popularização do serviço de internet.

“O zelador da linha telegráfica foi o amigo Francisco Ferreira de Souza, conhecido como ‘Chico-Guarda-Fio’, natural de Pacoti. Aqui reside desde dezembro de 1951 e é casado com a Srª Neiva Sampaio Veras Ferreira.” (NASCIMENTO, 2002: p. 241)

Alguns anos mais tarde, por volta de 1973, sem que ninguém percebesse ou comentasse sobre o fato, encerrou-se um ciclo de tradição de mais de 100 anos,  chegando a cobrir três gerações de uma mesma família dentro dessa agência, quando a última descendente do primeiro gerente dessa agência pediu transferência de sua função para cidade de Brasília.

“A primeira telegrafista foi a Senhora Rosileta Ribeiro, e auxiliar de agentes, a Senhora Violeta Ribeiro Sabóia, ambas filhas de Dona Amélia.” (NASCIMENTO, 2002: p. 241)

Nos primeiros meses de 1995, a Empresa Brasileira de Correios firmou uma importante parceria comercial com o Bradesco, tornando-se um banco postal, mudando essa parceria em 2012, quando passou a operar com o Banco do Brasil.

OS POSTOS E OS CÓDIGOS DE ENDEREÇAMENTO POSTAL NO MUNICÍPIO:

  1. O Posto dos Correios da vila de Águas Belas – 63.885-971;
  2. O Posto dos Correios da vila de Boqueirão – 63.890-971;
  3. O Posto dos Correios da vila de Domingos da Costa – 63.880-000;
  4. O Posto dos Correios da vila de Guia – 63.885-000;
  5. O Posto dos Correios da vila de Ibuaçu – 63.890-000;
  6. O Posto dos Correios da vila de Ipiranga – 63.870-970;
  7. O Posto dos Correios da vila de Jacampari – 63.895-000;
  8. O Posto dos Correios da vila de Massapê dos Paés – 63.870-000;
  9. O Posto dos Correios da vila de Olho d’Água do Bezerril – 63.890-972;
  10. O Posto dos Correios da vila de Olho d’Água dos Facundos – 63.870-000;
  11. O Posto dos Correios da vila de Poço da Pedra – 63.890-973;
  12. O Posto dos Correios da vila de Várzea da Ipoeira: 63.870-000.

A EQUIPE DE DIREÇÃO:

Essa pequena agência, ao longo dos anos, foi comandada pelas seguintes pessoas:

  • 1864 – 1920

José Ribeiro e Silva (Gerente);
Amélia Ribeiro e Silva (Subgerente).

  • 1920 – 1960

Amélia Ribeiro e Silva (Gerente);
Risoleta Ribeiro (Subgerente).

  • 1961 – 1968

Maria da Conceição Ribeiro e Silva (Gerente);
Violeta Ribeiro Sabóia (Subgerente).

  • 1969 – 1973

Violeta Ribeiro Sabóia (Gerente);

  • 1982 – 1988

Jairo Margues Dantas (Gerente);
João Alves Batista (Subgerente)

  • 1989 – 1991

Luis Carlos Sales da Silva (Gerente);
João Alves Batista (Subgerente).

  • 1992 – 1993

João Alves Batista (Gerente);
José Moreira de Melo (Subgerente).

  • 1994 – 1996

Expedito Carvalho Nunes (Gerente);
José Moreira de Melo (Subgerente).

  • 1997 – 2005

Antônio Luís Rodrigues Mano (Gerente);
José Moreira de Melo (Subgerente).

  • 2006 – 2018

José Moreira de Melo (Gerente);
Antônio Wilton Saraiva de Sousa (Subgerente).

A ESTRUTURA FÍSICA:

Para executar bem as suas atividades, gerando segurança e conforto para os seus funcionários e usuários, essa agência possui a seguinte estrutura:

  • Setor Administrativo:
  1. Almoxarifado: 1
  2. Banheiro: 2
  3. Direção: 1
  4. Garagem: 1
  5. Sala de expedição e triagem: 1
  • Setor Aberto ao Público:
  1. Sala de atendimento: 1
  2. Guichês: 3

Imagem do balcão de atendimento, em 2018.

O CONTATO:

O canal de comunicação com essa agência é a seguinte:

  • Telefone:
  1. 88.3427-1135