Cemitério Parque da Saudade

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O Cemitério Parque da Saudade é uma necrópole urbana, classificada como pública, que está localizada na Rua Joaquim Rabêlo e Silva, nº 295, esquina com a Rua Pe. Mororó e a Rua Pe. Antônio Correia de Sá, no Centro da cidade de Boa Viagem, sede do Município de Boa Viagem, no Estado do Ceará.

Entrada principal do Cemitério Parque da Saudade

Imagem da entrada principal do Cemitério Parque da Saudade, em 2011.

Um cemitério, ou necrópole, é um lugar onde são sepultados os cadáveres humanos, e na maioria dos casos também são lugares de prática religiosa.

A BASE LEGAL DE SUA NOMENCLATURA:

Esse cemitério teve a sua nomenclatura regulamentada na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef através da lei nº 1.284, de 4 de abril de 2016.

A SUA HISTÓRIA:

A morte é um fenômeno natural e algo que causa grande aflição a todos os seres humanos, pensando nisso os moradores da cidade de Boa Viagem, que na época era conhecida pela alcunha de “Cavalo Morto”, decidiram construir um pequeno cemitério para não ter que se deslocar para locais mais distantes, isso quando não enterravam os seus mortos dentro de suas propriedades.

Imagem da Igreja Matriz de Nossa Srª da Boa Viagem, em 1950.

Imagem da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem, em 1950.

Nessa época, habitualmente os velhos cemitérios, que também eram chamados de “campos santos”, eram construídos nos arredores das poucas capelas existentes:

“Até o início do século XIX, as pessoas eram normalmente sepultadas dentro das igrejas ou em terrenos próximos de propriedade das congregações religiosas. Sepultamentos era uma importante fonte de recursos para as igrejas.” (S.N.T)

O primeiro cemitério do Município de Boa Viagem, a qual temos notícia, está abaixo do piso da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem, pois a capela que deu origem a essa igreja passou por diversas ampliações e devido a construção do Cemitério Parque da Saudade estendeu as suas paredes por cima da velha necrópole.
Segundo o relatos de alguns pedreiros, que trabalharam nos alicerces dessa igreja, era comum encontrar ossos e cabelos humanos em suas fundações, o que reforça ainda mais a nossa hipótese.
De acordo com as notas do escritor Dr. Leonardo Mota, que existem no Arquivo Público do Estado do Ceará, o responsável pela construção desse cemitério foi o Pe. Antônio Correia de Sá, que por volta de 1862 já solicitava recursos do Governo da Província no intuito de executar essa importante obra humanitária:

Ofício de 4 de março de 1862 – O capelão Pe. Antônio Correia de Sá informa ao Presidente da Província do Ceará, Manoel Antônio Duarte de Azevedo, os apelos infrutíferos que dirigiu… em prol da construção do cemitério daquela localidade.” (APEC: p. 214)

Lembramos que nessa época, devido ao acordo de padroado, o governo brasileiro era quem arcava com as despesas da Igreja Católica Apostólica Romana em nosso país, inclusive os salários dos religiosos, e todos os cemitérios eram administrados pelos padres, que eram os responsáveis pelos registros de compra e venda de terras, de nascimentos e obituários de suas paróquias.
Registramos ainda que, mesmo depois da construção desse cemitério, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem continuou a receber sepultamentos dentro da nave de seu templo, principalmente dos religiosos que possuíam algum tipo de ligação com o Município, conforme a relação a seguir:

  1. Mons. José Cândido de Queiroz Lima;
  2. Pe. Paulo de Almeida Medeiros;
  3. Pe. Antônio Océlio Teixeira de Almeida.

No passado, a satisfação de estar sepultado dentro de uma igreja, ou próximo dela, está diretamente ligado ao desejo de estar mais perto de Deus, e o motivo para essa difícil mudança de costume está ligado aos hábitos de higiene, conforme nos relata o texto publicado pela Jornalista Rosana Romão no caderno Cotidiano, do periódico Tribuna do Ceará, edição do dia 2 de novembro de 2014:

“De acordo com as pesquisas do Prof. Airton de Farias, em seu livro sobre a História do Ceará, a sobrevalorização do saber médico desprezava as tradições e culturas da massa. Um dos exemplos mais evidentes desse ‘poder médico’ foi o combate ao hábito de enterrarem-se os mortos nas igrejas – como ocorria no Ceará até meados do século XIX – e a defesa da construção de cemitérios. Para o saber médico-científico, a decomposição dos cadáveres tornava os templos em focos de doenças.”

Depois da construção dessa necrópole ela passou a ser chamada de “Cemitério de Nossa Senhora da Conceição”, nome que, não sabemos por qual motivo, logo caiu em desuso por nossa população.

Imagem das grades que envolvem a frente desse cemitério, em 2015.

Algum tempo depois, nos primeiros anos da década de 1930, no paroquiato do Mons. Francisco José de Oliveira, ele passou por uma ampla reforma, recebendo as grades de ferro que existiam em torno da Igreja Matriz em sua entrada principal.
Nos últimos meses de 1989, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, esse cemitério recebeu a construção de três pequenas praças, que posteriormente foram popularmente denominadas de Praça das Lágrimas, local que costuma reunir aqueles que choram pelos seus entes queridos.
Mais tarde, nos últimos meses de 1994, na gestão do Prefeito Dr. Francisco Segismundo Rodrigues dos Santos Neto, esse cemitério recebeu também a construção de uma pequena capela ecumênica, que tinha por objetivo mudar o hábito das pessoas velarem os seus entes queridos em suas residências.

Imagem da capela do Cemitério Parque da Saudade, em 2008.

Imagem da capela ecumênica do Cemitério Parque da Saudade, em 2008.

Esse cemitério, em sua história, passou por duas expansões: a primeira delas estendeu o seu lado direito até o limite com à Rodovia Estadual CE-168, no trecho urbano denominado de Rua Pe. Antônio Correira de Sá; já a segunda, a que lhe expandiu os fundos, fechou à Rua Teófilo Amaro e lhe estendeu até a Rua Manoel Araújo Marinho.

A SUA ADMINISTRAÇÃO E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS:

Como nos referimos anteriormente, as campanhas médicas tiveram um papel fundamental na mudança dos locais de sepultamento dos mortos, as quais alegavam que os corpos em estado de decomposição eram responsáveis por doenças e mortes da população, principalmente daqueles que frequentavam os templos.
Em nosso país, por exemplo, a partir de 1850, houve uma intensa campanha, não somente por parte dos médicos, como também por parte da imprensa. Esta, por sua vez, empenhou-se principalmente depois que um padre católico proibiu o sepultamento do corpo de um cristão de confissão protestante, que havia cometido suicídio, fosse sepultado em um cemitério, cuja participação da Igreja na administração ainda era percebida:

“Desde o final do século XVIII já havia uma determinação de Portugal para que no Brasil fossem construídos cemitérios, embora somente a partir de 1820 é que se veem os primeiros construídos no país, dos quais alguns foram destruídos por fiéis que não aceitavam essa mudança. Salvador, por exemplo, teve um cemitério destruído pela população, que armada de paus e machados, puseram abaixo os muros de um lugar visto como profano. Lentamente, durante o século XIX, é que a Igreja Católica, no Brasil, aceitou que os mortos fossem sepultados nos cemitérios, assim como permitiu que estes fossem administrados pelos Municípios. A partir de 1876, por exemplo, bastaria um atestado médico para que o defunto fosse sepultado em um cemitério público. Com a primeira Constituição Federal da República, promulgada em 1891, o Estado brasileiro determinou, de vez, que os civis fossem enterrados nos cemitérios, que passaram, enfim, a ser administrados unicamente pelos Municípios.” (S.N.T)

Por incrível que pareça, mesmo amparados pela legislação federal, os gestores do Município de Boa Viagem permitiram a intervenção da Igreja Católica nesse cemitério até 1988, quando a Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem ainda lucrava com a venda dos túmulos e a manutenção das despesas com o cemitério ficavam por conta da municipalidade, constituindo-se em uma significativa perda de arrecadação para erário do Município.

Imagem interna desse cemitério, em 2015.

Nos dias de hoje o cemitério só gera despesas, constituindo-se em um dos gargalos da administração de quem assume o Poder Executivo, que estuda estratégias para modificar essa difícil situação.

A SUA ESTRUTURA:

Para executar bem as suas atividades, gerando conforto para os seus visitantes, o Cemitério Parque da Saudade possui a seguinte estrutura:

  1. Banheiro:
  2. Capela: 1.

O CEMITÉRIO COMO FONTE DE PESQUISA E DE TURISMO:

Poucas pessoas acreditam, mas um cemitério é um excelente ponto de turismo regional. Apoiando essa ideia, segundo informações fornecidas pelo Jornalista Valdenir Rodrigues, que foram publicadas no site www.boaviagemnoticias.com.br, edição do dia 30 de outubro de 2014, temos uma pequena noção do fluxo de pessoas que visitam esse local no dia de finados:

“Como manda a tradição católica, os dois principais cemitérios da cidade de Boa Viagem, Parque da Saudade e Parque da Esperança, deverão contar com uma grande aglomeração de visitantes. São milhares de pessoas, dentre os quais parentes e amigos, muitos vindo de outras cidades, que virão visitar os seus entes queridos que já se foram.”

Depois dessa importante data do calendário cristão, o dia de finados, ao que muitos pensam, o cemitério fica esquecido. Na verdade, nos dias de hoje, o cemitério se constitui em uma importante ferramenta da economia criativa:

“O turismo em cemitério tem como foco principal a exploração do patrimônio artístico e arquitetônico; para isso, alguns cemitérios até foram transformados em cemitérios-museu. Um outro motivo que move o turismo cemiterial é a busca de personalidades, que mesmo depois de mortas continuam sendo veneradas, até mais do que quando estavam vivas. Para poder conservar os mausoléus, no caso dos cemitérios-museu, a saída encontrada foi a mercantilização do espaço, ou seja, além de alguns eventos que são realizados o visitante é obrigado a pagar uma entrada.”

Embora esse cemitério possua essa excelente potencialidade econômica o Governo do Município, ou as empresas do setor de turismo, ainda não despertaram para investir na exploração desse nicho de mercado.
Outra importante função dos cemitérios na atualidade é a coleta de informações, que são cuidadosamente interpretadas por um profissional de pesquisa chamado de cemiteriólogo.

AS SUAS CARACTERÍSTICAS:

As principais características do Cemitério Parque da Saudade, na cidade de Boa Viagem, são as seguintes:

Administração: Secretaria da Infraestrutura.
Altitude: 297 m.
Área: 7.262 m².
Contato: 88.3427-1132.
Coordenadas: (S) 05º 07′ 39.9” (W) 039º 44′ 01.6”.
Propriedade: Governo do Município.
Tipo: Público.

267 ideias sobre “Cemitério Parque da Saudade

  1. Pingback: Bairro Centro | História de Boa Viagem

  2. Pingback: Francisco Nunes de Rezende Oliveira | História de Boa Viagem

  3. Pingback: José Inácio de Carvalho | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Manuel Honor da Costa Mendes | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Salviano de Sousa Leitão | História de Boa Viagem

  6. Pingback: Ana Gonçalves Leitão | História de Boa Viagem

  7. Pingback: José de Sousa Jales | História de Boa Viagem

  8. Pingback: Sebastião Alves da Silva | História de Boa Viagem

  9. Pingback: Natanael Alves da Silva | História de Boa Viagem

  10. Pingback: Raimundo de Oliveira Mota | História de Boa Viagem

  11. Pingback: Major José do Vale Pedroza | História de Boa Viagem

  12. Pingback: Ignácio de Sousa Mota | História de Boa Viagem

  13. Pingback: Enedina de Carvalho | História de Boa Viagem

  14. Pingback: Ignácio José de Carvalho | História de Boa Viagem

  15. Pingback: José Leorne Leitão | História de Boa Viagem

  16. Pingback: José Leal de Oliveira | História de Boa Viagem

  17. Pingback: Eliézio Viana de Sousa | História de Boa Viagem

  18. Pingback: Maria José Ribeiro de Sousa | História de Boa Viagem

  19. Pingback: Antônio Argeu Nunes Vieira Filho | História de Boa Viagem

  20. Pingback: Theófilo da Costa Oliveira | História de Boa Viagem

  21. Pingback: Deodato José Ramalho | História de Boa Viagem

  22. Pingback: Edilson Freitas do Nascimento | História de Boa Viagem

  23. Pingback: Francisco Hermes Rocha | História de Boa Viagem

  24. Pingback: Francisco de Oliveira Mota | História de Boa Viagem

  25. Pingback: Maria dos Anjos de Sousa | História de Boa Viagem

  26. Pingback: Venceslau Vieira Batista | História de Boa Viagem

  27. Pingback: José de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  28. Pingback: Maria Carmelina Sampaio Queiroz | História de Boa Viagem

  29. Pingback: Teófilo da Costa Filho | História de Boa Viagem

  30. Pingback: Edson Tadeu de Queiroz Teodoro Albuquerque | História de Boa Viagem

  31. Pingback: Eliel Rafael da Silva | História de Boa Viagem

  32. Pingback: Manoel Duarte de Araújo | História de Boa Viagem

  33. Pingback: Manoel Araújo Marinho | História de Boa Viagem

  34. Pingback: Francisco Rangel de Araújo | História de Boa Viagem

  35. Pingback: Hercília Amaro Mesquita | História de Boa Viagem

  36. Pingback: Maximiano Amaro Mesquita | História de Boa Viagem

  37. Pingback: Argemiro Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  38. Pingback: Samuel Alves da Silva | História de Boa Viagem

  39. Pingback: Antônio Marques Dias de França | História de Boa Viagem

  40. Pingback: Benjamim Alves da Silva | História de Boa Viagem

  41. Pingback: Luís Ximenes de Aragão | História de Boa Viagem

  42. Pingback: Jessé Alves da Silva | História de Boa Viagem

  43. Pingback: José Vieira Filho | História de Boa Viagem

  44. Pingback: Luciano Maia Rocha | História de Boa Viagem

  45. Pingback: Manoel Alves Fontes | História de Boa Viagem

  46. Pingback: Francisco Ferreira Viana | História de Boa Viagem

  47. Pingback: Antônio de Assis Uchôa | História de Boa Viagem

  48. Pingback: Francisco Deoclécio Ramalho | História de Boa Viagem

  49. Pingback: José Pedro de Sousa | História de Boa Viagem

  50. Pingback: Francisco Ferreira Brasil | História de Boa Viagem

  51. Pingback: Maria Ozélia Costa de Oliveira | História de Boa Viagem

  52. Pingback: Altamira Silva Sousa | História de Boa Viagem

  53. Pingback: Manuel Henrique de Albuquerque | História de Boa Viagem

  54. Pingback: Joaquim Rabêlo e Silva | História de Boa Viagem

  55. Pingback: Aristóteles José da Silva Lobo | História de Boa Viagem

  56. Pingback: José Rangel de Araújo | História de Boa Viagem

  57. Pingback: Raimundo Nonato Uchôa | História de Boa Viagem

  58. Pingback: Osmar de Oliveira Fontes | História de Boa Viagem

  59. Pingback: Adalgisa Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  60. Pingback: Aderbal Carneiro de França | História de Boa Viagem

  61. Pingback: Manoel Maria de Jesus | História de Boa Viagem

  62. Pingback: Maria Célia Macêdo de Araújo | História de Boa Viagem

  63. Pingback: José Soares Neto | História de Boa Viagem

  64. Pingback: Marcos José Cavalcante Sampaio | História de Boa Viagem

  65. Pingback: Francisco Rosiêr Uchôa de Araújo | História de Boa Viagem

  66. Pingback: Maria de Lourdes Sampaio de Carvalho | História de Boa Viagem

  67. Pingback: Philomena de Assis Uchôa | História de Boa Viagem

  68. Pingback: Francisco das Chagas Uchôa Viana | História de Boa Viagem

  69. Pingback: Estádio Municipal Dr. Francisco Segismundo Rodrigues dos Santos Neto | História de Boa Viagem

  70. Pingback: Patrício Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  71. Pingback: Jerônimo Alves Bezerra | História de Boa Viagem

  72. Pingback: Deonete Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  73. Pingback: Eleotério Manoel da Silva | História de Boa Viagem

  74. Pingback: Adauto de Almeida | História de Boa Viagem

  75. Pingback: Alfredo de Sousa Terceiro | História de Boa Viagem

  76. Pingback: Antônia Vieira Diniz | História de Boa Viagem

  77. Pingback: Ana da Cunha Ramos | História de Boa Viagem

  78. Pingback: Aniel Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  79. Pingback: Antônio de Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  80. Pingback: Antônio Ximenes de Aragão | História de Boa Viagem

  81. Pingback: Primo Ferreira de Melo | História de Boa Viagem

  82. Pingback: Celsina Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  83. Pingback: Cícero Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  84. Pingback: Antônio Lopes de Freitas | História de Boa Viagem

  85. Pingback: Daniel Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  86. Pingback: Edigene Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  87. Pingback: Pe. Antônio Correia de Sá | História de Boa Viagem

  88. Pingback: Ester Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  89. Pingback: Francisco de Assis Marinho (Chico França) | História de Boa Viagem

  90. Pingback: Aristides Alves Cavalcante | História de Boa Viagem

  91. Pingback: Brígido Alves de Morais | História de Boa Viagem

  92. Pingback: Francisco Genuíno Vieira | História de Boa Viagem

  93. Pingback: Francisco Pereira Marques | História de Boa Viagem

  94. Pingback: Francisco Tibiriçá Façanha | História de Boa Viagem

  95. Pingback: Luiz Gonzaga Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  96. Pingback: Hélio Alves da Silva | História de Boa Viagem

  97. Pingback: Izaac Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  98. Pingback: João Inácio de Carvalho | História de Boa Viagem

  99. Pingback: Júlio Celso Mendes | História de Boa Viagem

  100. Pingback: Francisco de Oliveira Lima | História de Boa Viagem

  101. Pingback: João Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  102. Pingback: José Ferreira de Sousa | História de Boa Viagem

  103. Pingback: José Moreira de Melo | História de Boa Viagem

  104. Pingback: Mons. José Cândido de Queiroz Lima | História de Boa Viagem

  105. Pingback: Agostinho Teixeira Pinto | História de Boa Viagem

  106. Pingback: Rua Padre Mororó | História de Boa Viagem

  107. Pingback: Gardênia Maria Pereira de Oliveira | História de Boa Viagem

  108. Pingback: Francisco de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  109. Pingback: Edmilson Bezerra do Nascimento | História de Boa Viagem

  110. Pingback: Maria Eviza de Carvalho Machado | História de Boa Viagem

  111. Pingback: David Mendes da Silva | História de Boa Viagem

  112. Pingback: Raimundo Lobo de Sales | História de Boa Viagem

  113. Pingback: Odar Uchôa Pereira | História de Boa Viagem

  114. Pingback: Hélio de Melo Cavalcante | História de Boa Viagem

  115. Pingback: Anastácio Pereira Lobo | História de Boa Viagem

  116. Pingback: David Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  117. Pingback: Odias Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  118. Pingback: Olavo Almeida Brilhante Filho | História de Boa Viagem

  119. Pingback: José Ribeiro e Silva | História de Boa Viagem

  120. Pingback: Agenor Gomes Maciel | História de Boa Viagem

  121. Pingback: Adolfo José da Silva | História de Boa Viagem

  122. Pingback: Antônio Apolônio Maciel | História de Boa Viagem

  123. Pingback: Lucas da Cunha Ramos | História de Boa Viagem

  124. Pingback: José da Cunha Ramos | História de Boa Viagem

  125. Pingback: Manoel Fernandes de Almeida | História de Boa Viagem

  126. Pingback: Raul Alves de Macêdo | História de Boa Viagem

  127. Pingback: Edoque Mendes Verçosa | História de Boa Viagem

  128. Pingback: Francisca de Queiroz Ribeiro | História de Boa Viagem

  129. Pingback: Praça das Lágrimas | História de Boa Viagem

  130. Pingback: Pedro Eugênio Cidrão Uchôa | História de Boa Viagem

  131. Pingback: José Vieira Costa | História de Boa Viagem

  132. Pingback: Enéas Alves Ribeiro | História de Boa Viagem

  133. Pingback: Maria dos Prazeres de Jesus | História de Boa Viagem

  134. Pingback: OS CEMITÉRIOS DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM | História de Boa Viagem

  135. Pingback: Sabrina Rodrigues Ramos | História de Boa Viagem

  136. Pingback: Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem | História de Boa Viagem

  137. Pingback: José Cândido de Carvalho | História de Boa Viagem

  138. Pingback: Maria Zizi Lobo Mendes | História de Boa Viagem

  139. Pingback: Luiz Araújo | História de Boa Viagem

  140. Pingback: Alfredo Pereira Lima | História de Boa Viagem

  141. Pingback: Obmor Carvalho Bezerra de Menezes | História de Boa Viagem

  142. Pingback: Maria Cristina da Silva | História de Boa Viagem

  143. Pingback: Quintiliano Vieira Lima | História de Boa Viagem

  144. Pingback: Joaquim Vieira Lima | História de Boa Viagem

  145. Pingback: Antônio Oliveira Lima | História de Boa Viagem

  146. Pingback: Raimundo Pereira Mendes | História de Boa Viagem

  147. Pingback: Luís Alves Batista | História de Boa Viagem

  148. Pingback: Florisbela Vieira de Andrade | História de Boa Viagem

  149. Pingback: Amélia Ribeiro e Silva | História de Boa Viagem

  150. Pingback: Adília Maria de Lima | História de Boa Viagem

  151. Pingback: Alberto Colbert Terceiro Vieira | História de Boa Viagem

  152. Pingback: Francisca de Sousa Terceiro | História de Boa Viagem

  153. Pingback: Edina da Silva Vieira | História de Boa Viagem

  154. Pingback: José Carlos da Silva | História de Boa Viagem

  155. Pingback: Antônio dos Santos | História de Boa Viagem

  156. Pingback: Antônio Fernandes Silva e Sousa | História de Boa Viagem

  157. Pingback: Antônio Joaquim de Sousa | História de Boa Viagem

  158. Pingback: Francisca Ivani Citó Ramalho | História de Boa Viagem

  159. Pingback: Paulo Eugênio Facundo Costa | História de Boa Viagem

  160. Pingback: José Vieira de Lima | História de Boa Viagem

  161. Pingback: Antônio Araújo Chaves | História de Boa Viagem

  162. Pingback: Arquivo Público do Estado do Ceará | História de Boa Viagem

  163. Pingback: Luzia Vieira de Alencar | História de Boa Viagem

  164. Pingback: Francisco Wilson Machado | História de Boa Viagem

  165. Pingback: Maria Ana Vieira | História de Boa Viagem

  166. Pingback: Regina Célia Teixeira | História de Boa Viagem

  167. Pingback: José Bezerra do Vale | História de Boa Viagem

  168. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem (História) | História de Boa Viagem

  169. Pingback: Jonas Fragoso de Freitas | História de Boa Viagem

  170. Pingback: Jurandi Batista Carneiro Filho | História de Boa Viagem

  171. Pingback: José Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  172. Pingback: Maria Floriana Vieira | História de Boa Viagem

  173. Pingback: Severino Teodoro de Sousa | História de Boa Viagem

  174. Pingback: David Vieira Carneiro | História de Boa Viagem

  175. Pingback: Nautília Floriano Vieira | História de Boa Viagem

  176. Pingback: Narsales de Oliveira | História de Boa Viagem

  177. Pingback: Guiomar Oliveira Sampaio | História de Boa Viagem

  178. Pingback: Felisbela Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  179. Pingback: Francisca Ione Vieira Assef | História de Boa Viagem

  180. Pingback: Edonísio Alves da Silva | História de Boa Viagem

  181. Pingback: Aureliano Verçosa Lima | História de Boa Viagem

  182. Pingback: Cristóvam de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  183. Pingback: Antônio Vieira da Silva | História de Boa Viagem

  184. Pingback: Maria da Conceição Alves de Melo | História de Boa Viagem

  185. Pingback: Juscelino Gonçalves da Silva | História de Boa Viagem

  186. Pingback: Ledjane Cavalcante Noronha | História de Boa Viagem

  187. Pingback: Antônio Martins Marinho | História de Boa Viagem

  188. Pingback: Antônio Alves Barbosa | História de Boa Viagem

  189. Pingback: Maria do Socorro Machado Alves | História de Boa Viagem

  190. Pingback: Ladislau Vieira Carneiro | História de Boa Viagem

  191. Pingback: Antônio de Queiroz Sampaio | História de Boa Viagem

  192. Pingback: Otávio Alves Franco | História de Boa Viagem

  193. Pingback: Francisco Melchiades Mendes | História de Boa Viagem

  194. Pingback: Maria de Assis Uchôa | História de Boa Viagem

  195. Pingback: Valdemar de Paiva Bezerra | História de Boa Viagem

  196. Pingback: Cristina Vieira Lima | História de Boa Viagem

  197. Pingback: Ataciso Cavalcante Mota | História de Boa Viagem

  198. Pingback: Francisca Alves de Morais | História de Boa Viagem

  199. Pingback: José Martins Vieira | História de Boa Viagem

  200. Pingback: Raimundo Valdir Soares | História de Boa Viagem

  201. Pingback: Ozeas Alves Facundo | História de Boa Viagem

  202. Pingback: Manoel Nunes Leitão | História de Boa Viagem

  203. Pingback: Francisco João Mendes | História de Boa Viagem

  204. Pingback: Antônio Manoel da Silva | História de Boa Viagem

  205. Pingback: Maria do Socorro Vieira | História de Boa Viagem

  206. Pingback: José Vieira | História de Boa Viagem

  207. Pingback: Calvino Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  208. Pingback: João Pereira Adelino | História de Boa Viagem

  209. Pingback: Francisco Braga do Nascimento | História de Boa Viagem

  210. Pingback: Florípes Fragoso da Silva | História de Boa Viagem

  211. Pingback: Francisco Mendes Machado | História de Boa Viagem

  212. Pingback: Raimundo Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  213. Pingback: Maria Queiroz Marinho | História de Boa Viagem

  214. Pingback: Antônio Osmar Mendes Lobo | História de Boa Viagem

  215. Pingback: Francisco Marques de Macêdo | História de Boa Viagem

  216. Pingback: Émerson Gustavo Almeida Silva | História de Boa Viagem

  217. Pingback: Gerardo Felix da Silva | História de Boa Viagem

  218. Pingback: Francisca Barbosa Mota | História de Boa Viagem

  219. Pingback: Pedro Costa de Oliveira | História de Boa Viagem

  220. Pingback: Ozanira Oliveira Almeida | História de Boa Viagem

  221. Pingback: Cemitério de Santa Ana | História de Boa Viagem

  222. Pingback: Cemitério de São José | História de Boa Viagem

  223. Pingback: Cemitério dos Esquecidos | História de Boa Viagem

  224. Pingback: Cemitério da Bela Aliança | História de Boa Viagem

  225. Pingback: Cemitério de Nossa Senhora das Graças | História de Boa Viagem

  226. Pingback: Cemitério de São Francisco das Chagas | História de Boa Viagem

  227. Pingback: Marcos Antônio Domingos Uchôa | História de Boa Viagem

  228. Pingback: João Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  229. Pingback: Patrícia Facundo Campos | História de Boa Viagem

  230. Pingback: Luciano Sampaio Lobo | História de Boa Viagem

  231. Pingback: Francisco Alves de Sousa | História de Boa Viagem

  232. Pingback: José Batista de Freitas Filho | História de Boa Viagem

  233. Pingback: Francisco Alves do Nascimento | História de Boa Viagem

  234. Pingback: Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Bela Vista (História) | História de Boa Viagem

  235. Pingback: José Natal de Araújo | História de Boa Viagem

  236. Pingback: Raul Ferreira de Almeida | História de Boa Viagem

  237. Pingback: Balbina Almeida Vieira | História de Boa Viagem

  238. Pingback: Sofia Vieira de Freitas | História de Boa Viagem

  239. Pingback: Teodorico Marques de Sousa | História de Boa Viagem

  240. Pingback: João Xavier Guerreiro | História de Boa Viagem

  241. Pingback: Raimundo Ribeiro de Sousa | História de Boa Viagem

  242. Pingback: Francisca de Assis Uchôa | História de Boa Viagem

  243. Pingback: Dirceu José dos Santos | História de Boa Viagem

  244. Pingback: Pompeu Fragoso Vieira | História de Boa Viagem

  245. Pingback: Phostuma Agnella da Silva | História de Boa Viagem

  246. Pingback: Raimunda Antero da Silva | História de Boa Viagem

  247. Pingback: Simplício Antero da Silva | História de Boa Viagem

  248. Pingback: Sérgio Alves de Morais | História de Boa Viagem

  249. Pingback: Francisco José Vieira | História de Boa Viagem

  250. Pingback: José de Sousa Pinho | História de Boa Viagem

  251. Pingback: Raimundo Fernandes da Silva | História de Boa Viagem

  252. Pingback: Ernesto Pereira de Sousa | História de Boa Viagem

  253. Pingback: Rua Teófilo Amaro | História de Boa Viagem

  254. Pingback: Rua Manoel Araújo Marinho | História de Boa Viagem

  255. Pingback: Maria Hercília de Sousa Costa | História de Boa Viagem

  256. Pingback: Pedro Costa Filho | História de Boa Viagem

  257. Pingback: Sebastião de Sousa Santiago | História de Boa Viagem

  258. Pingback: José Rabêlo e Silva | História de Boa Viagem

  259. Pingback: Francisco da Costa Freire | História de Boa Viagem

  260. Pingback: Francisco de Assis Marinho | História de Boa Viagem

  261. Pingback: Henrique Cavalcante de Albuquerque | História de Boa Viagem

  262. Pingback: Academia Cearense de Letras – ACL | História de Boa Viagem

  263. Pingback: José Gomes da Costa Mendes | História de Boa Viagem

  264. Pingback: Socorro Martins Leal | História de Boa Viagem

  265. Pingback: Cemitério da Mata Fria | História de Boa Viagem

  266. Pingback: Raimundo Pereira Batista | História de Boa Viagem

  267. Pingback: José Vieira Carneiro | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta