CE-265

AS CARACTERÍSTICAS GERAIS:

A Rodovia Estadual CE-265 é uma rodovia classificada como transversal, que é mantida com recursos do Governo do Estado do Ceará, possuindo aproximadamente 472 quilômetros de extensão, mas desses apenas 320 possuem manta asfáltica.

Imagem da Rodovia Estadual CE-265, dentro do Distrito de Jacampari, em 2008.

Em relação à largura e a circulação dos automóveis essa rodovia é classificada como sendo de pista simples, que são aquelas em que existe somente um pavimento asfáltico, que é compartilhado pelos veículos nos dois sentidos de circulação, mão dupla.
Os veículos, nesse tipo de rodovia, devem trafegar sempre do lado direito da pista em relação a si, porém podem utilizar o outro lado da pista para efetuar ultrapassagens em determinadas condições.
Quanto à velocidade, nessa rodovia, os limites podem variar de acordo com as características de cada trecho, sendo comum também a imposição de limites de velocidade reduzida nas zonas urbanas dos Municípios pelos quais passam a rodovia, medida esta que serve para proteger os pedestres e os animais que possam eventualmente surgir pelo caminho.
No trecho que abrange o perímetro entre o Município de Poranga até o Município de Monsenhor Tabosa, através da lei nº 13.220, de 6 de maio de 2002, essa rodovia recebeu o nome de Rodovia Estadual Deputado Eufrasino Neto.

“Art. 1º. A Rodovia Estadual CE-265, que liga os Municípios de Monsenhor Tabosa, Nova Russas, Ararendá e Poranga, fica denominada de Deputado Eufrasino Neto.”

Quanto à fiscalização, essa rodovia é inspecionada constantemente pela PRE, a Polícia Rodoviária Estadual, que utiliza radares fixos e móveis.
No sentido oeste-leste essa rodovia interliga os Municípios de Poranga, Ararendá, Nova Russas, Tamboril, Catunda, Monsenhor Tabosa, Boa Viagem, Madalena, Quixeramobim, Choró, Quixadá, Ibicuitinga, Morada Nova e Limoeiro do Norte.

Imagem do cruzamento da BR-020 com a CE-265, na localidade de Poldrinha, dentro do Município de Boa Viagem, em 2009.

Essa rodovia nasce na divisa com o Estado do Piauí e termina na divisa com o Estado do Rio Grande do Norte. Nesse percurso a rodovia cruza com a Rodovia Federal Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, a BR-20, e passa por vários Distritos, nem sempre passando pela sede dos Municípios, caso que ocorre com o Município de Boa Viagem.
Quanto a sua manutenção, ela é gerenciada pelo DER, o Departamento Estadual de Rodovias, que está ligada à Secretaria da Infraestrutura do Governo do Estado do Ceará.

AS CARACTERÍSTICAS DA RODOVIA DENTRO DO MUNICÍPIO:

Dentro do Município de Boa Viagem essa rodovia possui aproximadamente 60 quilômetros de extensão e é totalmente carroçável, eventualmente recebendo obras de piçarramento financiadas pelo Governo do Estado.
Descendo a Serra das Matas, vindo do Município de Monsenhor Tabosa, sentido Noroeste, essa rodovia passa pela sede dos Distritos de Jacampari e Ibuaçu, antes de cruzar com a Rodovia Federal Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, a BR-020.
Chegando à Fazenda Poldrinha, onde toma a direção Norte, segue paralela a BR-020 e continua até o Município de Madalena, onde ganha nova direção seguindo à direita para o Município de Quixadá.

AS PONTES E PASSAGENS MOLHADAS NESSA RODOVIA:

A palavra ponte provém da língua latina “pons”, que por sua vez descende do etrusco “pont”, que significa “estrada”, já em grego, πόντος (póntos), deriva talvez da raiz “pent”, que significa uma ação de caminhar.

Imagem da passagem molhada no Rio Conceição, na localidade de Lembranças, no Município de Boa Viagem.

Uma ponte nada mais é do que uma construção que permite interligar ao mesmo nível pontos não acessíveis, que geralmente são separados por rios, vales, ou outros obstáculos naturais ou artificiais.
As pontes são construídas para permitirem a passagem sobre algum obstáculo a transpor, de pessoas, automóveis, comboios, canalizações ou aquedutos.
Quando uma ponte é construída sobre um curso de água o seu tabuleiro é frequentemente situado a uma altura calculada de forma a possibilitar a passagem de embarcações com segurança sob a sua estrutura.
Quando uma ponte é construída sobre um meio seco costuma-se chamá-la de viaduto como uma forma de apelidar pontes em meios urbanos.
Em alguns locais, geralmente no Nordeste, em locais onde os rios são intermitentes, os governos constroem pontes que são popularmente conhecidas como passagens molhadas.
Geralmente nas serras, depois de estudos de topografia, o governo constrói passagens molhadas que visam baratear o custo de algumas rodovias.
Entre os Municípios de Monsenhor Tabosa e Tamboril, na descida da serra conhecida como “ladeira dos macacos”, existem três passagens molhadas:

  1. Passagem Molhada, em Monsenhor Tabosa;
  2. Passagem Molhada, em Boa Viagem;
  3. Passagem Molhada, em Catunda;
  4. Passagem Molhada, em Catunda.

ONDE ABASTECER:

Nessa rodovia registramos a existência dos seguintes postos de abastecimento:

  1. Posto Cruzeta, em Tamboril;
  2. Posto Mocó, na Cidade de Monsenhor Tabosa;
  3. Posto Avenida, na Cidade de Monsenhor Tabosa;
  4. Posto Jacampari, na Vila de Jacampari, em Boa Viagem;
  5. Posto Ibuaçu, na Vila de Ibuaçu, em Boa Viagem;
  6. Posto ALE, na Cidade de Madalena;
  7. Posto Lagoa II, na Cidade de Madalena.

AS DISTÂNCIAS E A SITUAÇÃO DA RODOVIA:

  • Divisa com o Estado do Piauí – Vila de Macambira = Trecho de 25 km não asfaltados.
  • Vila de Macambira – Cidade de Poranga = Trecho de 43 km não asfaltados.
  • Cidade de Poranga – Cidade de Ararendá = Trecho de 14 km asfaltados.
  • Cidade de Ararendá – Cidade de Nova Russas = Trecho de 31 km asfaltados.
  • Cidade de Nova Russas – Vila de Holanda = Trecho de 30 km asfaltados.
  • Vila de Holanda – Cidade de Monsenhor Tabosa = Trecho de 31 km asfaltados.
  • Cidade de Monsenhor Tabosa – Vila de Jacampari = Trecho de 19 km não asfaltados.
  • Vila de Jacampari – Vila de Ibuaçu = Trecho de 21 km não asfaltados.
  • Vila de Ibuaçu – Cidade de Madalena = Trecho de 35 km não asfaltados.
  • Cidade de Madalena – Vila de Dom Maurício = Trecho de 46 km parcialmente asfaltados.
  • Vila de Dom Maurício – Cidade de Quixadá = Trecho de 23 km asfaltados.
  • Cidade de Quixadá – Cidade de Ibicuitinga = Trecho de 41 km asfaltados.
  • Cidade de Ibicuitinga – Cidade de Morada Nova = Trecho de 37 km asfaltados.
  • Cidade de Morada Nova – Cidade de Limoeiro do Norte = Trecho de 34 km asfaltados.
  • Cidade de Limoeiro do Norte – Divisa com o Rio Grande do Norte = Trecho de 42 km parcialmente asfaltados.

38 ideias sobre “CE-265

  1. Pingback: Potencialidade Viária do Município | História de Boa Viagem

  2. Pingback: BR-020 | História de Boa Viagem

  3. Pingback: Jacampari | História de Boa Viagem

  4. Pingback: Capela de Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Jacampari | História de Boa Viagem

  5. Pingback: Posto Ibuaçu | História de Boa Viagem

  6. Pingback: Eliézio Viana de Sousa | História de Boa Viagem

  7. Pingback: Capela de São José – Boa Ventura | História de Boa Viagem

  8. Pingback: Capela de Nossa Senhora Aparecida – Tabuleiro Alegre | História de Boa Viagem

  9. Pingback: Capela de São José – Assentamento Boa Ventura | História de Boa Viagem

  10. Pingback: Capela de São Pedro – Poço da pedra | História de Boa Viagem

  11. Pingback: Águas Belas | História de Boa Viagem

  12. Pingback: Boa Viagem | História de Boa Viagem

  13. Pingback: Distrito de Boqueirão | História de Boa Viagem

  14. Pingback: Distrito de Guia | História de Boa Viagem

  15. Pingback: Distrito de Ibuaçu | História de Boa Viagem

  16. Pingback: Distrito de Massapê dos Paés | História de Boa Viagem

  17. Pingback: Distrito de Olho d’Água do Bezerril | História de Boa Viagem

  18. Pingback: Olho d’Água dos Facundos | História de Boa Viagem

  19. Pingback: Distrito de Poço da Pedra | História de Boa Viagem

  20. Pingback: Distrito de Várzea da Ipueira | História de Boa Viagem

  21. Pingback: Escola de Ensino Fundamental Neuza Guedes Campos Barros | História de Boa Viagem

  22. Pingback: Capela de Santa Luzia – Lembranças | História de Boa Viagem

  23. Pingback: Capela de São Pedro – Riacho Verde | História de Boa Viagem

  24. Pingback: Capela de São Sebastião – Poço da Pedra | História de Boa Viagem

  25. Pingback: Capela de São Pedro – Barreira Branca | História de Boa Viagem

  26. Pingback: Serrote da Cabeça de Pedra | História de Boa Viagem

  27. Pingback: Igreja Evangélica Congregacional de Várzea da Tapera | História de Boa Viagem

  28. Pingback: Casa Pastoral da Igreja Evangélica Congregacional de Várzea da Tapera | História de Boa Viagem

  29. Pingback: Cemitério das Lembranças | História de Boa Viagem

  30. Pingback: Américo Carneiro da Silva Oliveira | História de Boa Viagem

  31. Pingback: Boa Ventura | História de Boa Viagem

  32. Pingback: Rua Pedro Soares de Almeida | História de Boa Viagem

  33. Pingback: Rua Projetada 1 | História de Boa Viagem

  34. Pingback: Rua Projetada 2 | História de Boa Viagem

  35. Pingback: Rua Projetada 4 (Poço da Pedra) | História de Boa Viagem

  36. Pingback: Poço da Pedra | História de Boa Viagem

  37. Pingback: Escola de Ensino Fundamental Aureliano Epifâneo de Almeida | História de Boa Viagem

  38. Pingback: Rio Conceição | História de Boa Viagem

Deixe uma resposta