A EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM

INFORMAÇÕES BÁSICAS:

O TERCEIRO MOMENTO (1930 – 1964):

O terceiro momento da história da educação do Município de Boa Viagem tem início com o seu ocaso político. Nessa época os boa-viagenses enfrentavam duros anos de seca, queda na safra agrícola, diminuição dos rebanhos e o constante êxodo rural até que, no dia 20 de maio de 1931, o Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora, interventor federal do Estado, decretou a extinção do Município:

“O interventor federal do Estado do Ceará, Manoel do Nascimento Fernandes Távora, considerando que a atual organização municipal deve ser modificada por não atender ao interesse público; Considerando que, para a constituição de qualquer Município, se torna necessária uma população nunca menor de quinze mil habitantes, uma renda anual não inferior a trinta contos de reis e outros fatores de valor; Considerando que muitos dos atuais Municípios não preenchem esses requisitos, sendo meras expressões territoriais, sem vida própria. Considerando que, dest’art, para proporcionar aos Municípios uma existência normal, se impõe a supressão de alguns deles, decreta: Art. 1º – O território do Estado divide-se, administrativamente; em 51 Municípios e estes em distritos. Art. 4º – Ficam extintos os seguintes Municípios:…. Campos Sales, Conceição do Cariry, Santa Cruz, Várzea Alegre…. Boa Viagem que passará respectivamente a fazer parte do Município de Quixeramobim…” (MOTA, 1989: p. 38-39)

Com a perda de sua autonomia política o Município de Boa Viagem voltou a condição de Distrito do Município de Quixeramobim. Por coincidência, nessa mesma época, a primeira professora formada do Município passou a residir na cidade, dividindo as responsabilidades acadêmicas com as outras professoras residentes no local:

“Em 1933 ou 1934, também passou a residir na sede de nosso Município a professora formada, Maria Aguiar de Aragão, casada com o boa-viagense Antônio Ximenes de Aragão… Dona Maroca Aragão, como era conhecida, deixou Boa Viagem em 1937, quando se transferiu para Fortaleza. Fez um grande bem a esta terra, com o seu rendoso trabalho.” (NASCIMENTO, 2002: p. 115)

Algum tempo depois, no dia 29 de dezembro de 1937, após a retomada de sua autonomia administrativa, conforme as informações existentes no livro de protocolo das correspondências da prefeitura, página nº 10, na gestão do Prefeito José Rangel de Araújo, foi solicitada autorização da Secretaria do Interior e da Justiça para afastar alguns professores da rede municipal por conta da insuficiências de recursos da folha de pagamento, fato que gerou grande insatisfação popular:

“Solicitando permissão para exonerar as professoras municipais em virtude da contribuição destinada a esse fim ser insuficiente.”

Nessa época, além de uma escola mantida pelo Governo Municipal na sede, haviam escolas também na Fazenda Monte-Flor, Fazenda Taperinha, Fazenda Bom Jesus e na Fazenda Buenos Aires.

O QUARTO MOMENTO (1964 – 1994):

O fato marcante desse momento da história de nossa educação ocorreu com a aprovação da lei municipal nº 106, de 25 de marco de 1968, que na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, criou o curso normal na Escola de Ensino Médio Dom Terceiro.
Pouco tempo antes disso, no dia 1º de janeiro de 1961, graças ao interesse do Rev. Francisco Souto Maior, é fundado o Instituto de Educação Paulo Moody Davidson, escola que era mantida com apoio da Igreja Evangélica Congregacional de Boa Viagem:

“O Instituto de Educação Paulo Davidson iniciou as suas atividades educacionais no ano de 1963. Surgiu como fruto da necessidade sentida pelos pais de confissão protestante reformada de educar os seus filhos. Naquela época, em nossa cidade, havia apenas uma escola particular, e esta, de confissão católica. Era dirigida por freiras, fato que gerava certo desconforto por conta do preconceito e das perseguições religiosas movidas na época pela Igreja Romana contra os protestantes estabelecidos em nossa cidade.” (NASCIMENTO, 2002: p.138)

Essa instituição de ensino, ao longo dos anos, irá se tornar a principal representante da rede privada da cidade de Boa Viagem.

Imagem de um batalhão de alunos do Instituto de Educação Paulo Moody Davidson, em 1978.

Imagem de um batalhão de alunos do Instituto de Educação Paulo Moody Davidson, em 1978.

O QUINTO MOMENTO (1994 – 2015):

  • A Divisão Geográfica em Polos de Educação:

O Município de Boa Viagem possui uma grande área geográfica. Percebendo isso a Secretaria da Educação do Município dividiu o seu território em dose polos de educação, são eles:

  1. Polo 1 – Guia
  2. Polo 2 – Águas Belas
  3. Polo 3 – Ibuaçu
  4. Polo 4 – Boqueirão
  5. Polo 5 – Jantar
  6. Polo 6 – Ipiranga
  7. Polo 7 – Japão
  8. Polo 8 – São Pedro
  9. Polo 9 – Várzea da Ipoeira
  10. Polo 10 –  Varzantinha
  11. Polo 11 – Domingos da Costa
  12. Polo 12 – Sede

Nessa divisão territorial, como fica fácil de perceber, nem sempre as vilas, por conta de sua localização geográfica dentro do Distrito, são colocadas como sede dos polos.

AS REDES DE ENSINO:

Quando nos referimos a rede de ensino nos referimos à manutenção da instituição de ensino através de um mesmo tipo de fonte financeira, seja por intermédio público ou de uma mantenedora privada. No Município de Boa Viagem existem duas redes de ensino, uma pública e uma privada.

AS ESCOLAS DA REDE PRIVADA:

Uma escola da rede particular, ou privada, é aquela que não é administrada diretamente pelo Governo Municipal, Estadual ou Federal e que conserva, portanto, o direito de selecionar os seus estudantes e são mantidas, no todo ou em parte, pelo pagamento de seu ensino, no Município de Boa Viagem existem as seguintes escolas:

  1. Ginásio Valdemar Alcântara – Centro;
  2. Instituto de Educação Melo Cavalcante – Centro;
  3. Instituto de Educação Paulo Moody Davidson – José Rosa.

AS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA:

O ensino público é a forma de ensino em que o Estado é a instituição patrocinadora da escola ou da universidade de referência, no Município de Boa Viagem existem as seguintes escolas:

  • Governo Federal:

No Município de Boa Viagem existe a unidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, antigo CEFET, notícia que foi amplamente divulgada na 1ª página do periódico “Informativo de Boa Viagem”, ano I, 5ª edição, de agosto de 2011:

“O Município de Boa Viagem foi um dos cinco contemplados através do Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Ciência e Tecnologia, anunciado dia 16 de agosto em Brasília pela Presidente Dilma Roussef… Universidade com cursos gratuitos para 2.000 alunos. Segundo o Ministro da Educação, Fernando Haddad, o gasto para a implantação de cada Instituto Federal é de R$ 10 milhões.”

  1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia no Ceará – Anafuê.
  • Governo Estadual:

No Município de Boa Viagem exitem três escolas que são mantidas com recursos do Governo do Estado.

  1. Dom Terceiro, E.E.M. – Centro;
  2. Dr. César Cals de Oliveira Filho, C.V.T. – Tibiquari;
  3. Venceslau Vieira Batista, E.E.E.P. – Alto da Queiroz;
Escola de Ensino Médio Dom Terceiro.

Imagem da Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, em 1984.

  • Governo Municipal:

Em todo o Município de Boa Viagem exitem cento e noventa e uma escolas que são mantidas com recursos do Governo do Município. Cada uma dessas escolas possui as suas características, atualmente trinta são urbanas e cento e sessenta e uma são rurais, das quais cento e duas encontram-se desativadas.

As Escolas da Zona Urbana:

  • Cidade:
  1. Benjamim Alves da Silva, E.E.F. – Nossa Srª de Fátima;
  2. Delfina Vieira da Silva, E.E.F. – Vila Holanda;
  3. Edson Tadeu de Queiroz Teodoro Albuquerque, C.P. – Osmar Carneiro;
  4. Édina da Silva Vieira, C.P. – Osmar Carneiro;
  5. Filomena Uchôa Viana, E.E.F. – Ponte Nova;
  6. Francisco José Vieira, E.E.F.– Padre Paulo;
  7. Jessé Alves da Silva, E.E.F. – Recreio;
  8. José Adauto Sales, E.E.F. – Floresta;
  9. José Assef Fares, E.E.F. – Alto da Queiroz;
  10. Marcos José Cavalcante Sampaio, C.E.I. – Tibiquari;
  11. Osmar de Oliveira Fontes, E.E.F. – Vila Azul;
  12. Padre Antônio Correia de Sá, E.E.F. – Centro;
  13. Padre Paulo de Almeida Medeiros, E.E.F. – Nossa Srª de Fátima;
  14. Patrícia Facundo Campos, E.E.F. – Alto da Queiroz;
  15. Professora Maria Rosary Pereira, C.P. – Recreio;
  16. Sabrina Rodrigues Ramos, C.E.I. – Recreio;
  17. Samuel Alves da Silva, E.E.F. – Várzea do Canto.
  • Vilas:
  1. Adília Maria de Lima, E.E.F. – Guia;
  2. Antônio Nunes Cavalcante, E.E.F. – Várzea da Ipoeira;
  3. David Vieira Carneiro, E.E.F. – Domingos da Costa;
  4. Dona Elvira Soares Campos, E.E.I. – Guia;
  5. Francisco Felix Marinho, E.E.F. – Jacampari;
  6. Joaquim Soares de Freitas, E.E.F. – Poço da Pedra;
  7. Manoel Genuíno Vieira, E.E.F. – Ipiranga;
  8. Manoel João da Silva, E.E.F. – Águas Belas;
  9. Manoel Rodrigues Paé, E.E.F. – Massapê dos Paés;
  10. Manoel Saraiva de Sousa, E.E.F. – Olho d’Água do Bezerril;
  11. Maria Auzerina Chaves, E.E.F. – Ibuaçu;
  12. Padre Vital Elias Filho, E.E.F. – Boqueirão;
  13. Pedro Soares de Almeida, E.E.F. – Poço da Pedra;
  14. Walkmar Brasil Santos, E.E.F. – Olho d’Água dos Facundos.

As Escolas da Zona Rural:

  1. Agostinha Rodrigues de Melo, E.E.F. – Agreste;
  2. Aleixo, E.E.F. – Aleixo;
  3. Anastácio Pereira de Sousa, E.E.F. – Cajazeiras;
  4. Antero Rabêlo de Carvalho, E.E.F. – Poço Grande;
  5. Antônio Carneiro da Silva, E.E.F. – Inharé;
  6. Antônio Facundo Carneiro, E.E.F. – Santa Terezinha;
  7. Antônio Luis Severo, E.E.F. – Lagoa do Senador;
  8. Arialdo Alves Melo, E.E.F. – São Lourenço;
  9. Armando Felipe Maciel, E.E.F. – Xique-Xique;
  10. Balmiza Maria Vieira Sampaio, E.E.F. – Barro Vermelho;
  11. Dep. José Vieira Filho, E.E.F. – Várzea da Tapera;
  12. Euclides Wicar de Castro Parente Paula Pessoa, E.E.F. – São José;
  13. Felisbela Vieira de Freitas, E.E.F. – Lages;
  14. Francisca Diniz Sobreira, E.E.F. – Arvoredo;
  15. Francisca Regina Sales, E.E.F. – Salgado;
  16. Francisco das Chagas Melo, E.E.F. – Bom Jesus;
  17. Francisco Lobo Cavalcante, E.E.F. – Trapiá dos Lobos;
  18. Francisco Nunes de Sousa, E.E.F. – Alto do Descanso;
  19. Francisco Pereira da Silva, E.E.F. – Conceição;
  20. Francisco Pereira da Silva, E.E.F. – Lagoa dos Filós;
  21. Fransquinha Cavalcante Fialho, E.E.F. – Calugi;
  22. Gonçalo Bezerra do Vale, E.E.F. – Japão;
  23. Ivanilda Cavalcante de Lima, E.E.F. – Estreito;
  24. Jerônimo Alves Bezerra, E.E.F. – Jatobá;
  25. João Ferreira de Araújo, E.E.F. – Extrema;
  26. Joaquim Batista de Freitas, E.E.F. – Cachoeira dos Andrés;
  27. Joaquim de Sousa Lima, E.E.F. – Monte Novo;
  28. Joaquim Vieira Lima, E.E.F. – São Pedro;
  29. José Alves Terceiro, E.E.F. – Cajazeiras;
  30. José Antônio de Lima, E.E.F. – Núbia;
  31. José Bruno Maciel, E.E.F. – Buenos Aires;
  32. José de Sousa Jales, E.E.F. – Sorocaba;
  33. José de Sousa Leitão, E.E.F. – Casinhas;
  34. José Ferreira Bié, E.E.F. – Santo Antônio dos Sandres;
  35. José Ferreira Uchôa, E.E.F. – Barriguda;
  36. José Inácio da Rocha, E.E.F. – Catolé;
  37. José Lessa Cavalcante, E.E.F. – Areias;
  38. José Lino de Sousa, E.E.F. – Ipu;
  39. José Martins de Lima, E.E.F. – Curupati;
  40. José Ricarte de Albuquerque, E.E.F. – Varzantinha;
  41. Leodegário Moreira, E.E.F. – Poço Comprido;
  42. Luís Lima da Silva, E.E.F. – Nilo Alegre;
  43. Luís Martins do Vale, E.E.F. – Trapiá dos Martins;
  44. Manoel Nascimento de Lima, E.E.F. –  Santo Amaro;
  45. Manoel Raimundo de Melo, E.E.F. – Timbaúba;
  46. Ministro Alcides Vieira Carneiro, E.E.F. – Jantar;
  47. Moisés Alves de Mesquita, E.E.F. – Camará do Timóteos;
  48. Murilo Patrício de Almeida, E.E.F. – São Luís;
  49. Osseam Alencar Araripe, E.E.F. – Tabuleiro Alegre;
  50. Patriolino Ribeiro do Nascimento, E.E.F. – Massangana;
  51. Pedro Alves de Lima, E.E.F. – Cachoeirinha;
  52. Raimundo Alves Batista, E.E.F. – Boa Ventura;
  53. Raimundo de Melo Sobrinho, E.E.F. – Jacaúna;
  54. Raimundo Saraiva Queiroz, E.E.F. – Riacho dos Porcos;
  55. Sagrado Coração de Jesus, E.E.F. – Timbaúba;
  56. Silvana da Silva Lourenço, E.E.F. – Aroeiras;
  57. Sofia Vieira de Freitas, E.E.F. – Madeira Cortada;
  58. Vereador José Vieira de Lima, E.E.F. – Taperinha;
  59. Vicente Pereira da Silva, E.E.F. – Juazeiro.

A RELAÇÃO DAS ESCOLAS DESATIVADAS:

Lamentavelmente, no Município de Boa Viagem, existem muitas escolas que tiveram as suas atividades acadêmicas encerradas.
Vários fatores contribuem para o fechamento dessas unidades escolares, que vão desde a falta de políticas públicas até a dificuldade financeira dos pais, quando nos referimos às escolas da rede privada.
Percebendo isso a Presidente Dilma Vana Rousseff sancionou a lei nº 12.960, de 27 de março de 2014, que altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação:

“Art. 1 – O fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas será precedido de manifestação do órgão normativo do respectivo sistema de ensino, que considerará a justificativa apresentada pela Secretaria da Educação, a análise do diagnóstico do impacto da ação e a manifestação da comunidade escolar.”

Com a mudança da Lei de Diretrizes e Bases da Educação será necessário que um órgão normativo do sistema de ensino, como os conselhos municipais de educação, se manifeste a favor do fechamento da escola, antes que seja determinado o encerramento das atividades do estabelecimento de ensino.
Também será necessário ouvir a comunidade escolar e, por fim, será confeccionado um documento apresentando justificativa formal para Secretaria da Educação e depois encaminhado ao Ministério da Educação.

  • As Escolas da Rede Privada.

Na cidade de Boa Viagem a vida de uma escola da rede privada é muito difícil, pois a sua existência está intimamente relacionada com a economia e as intempéries climáticas. Durante os 150 anos de história do Município registramos o fechamento das seguintes escolas:

  1. Escola Imaculada Nossa Senhora da Conceição;
  2. Escola Paroquial;
  3. Externato Rui Barbosa;
  4. Organização Educacional Pedro Rodrigues de Castro;
  5. Patronato Nossa Senhora de Fátima.
  • As Escolas da Rede Pública:

Estaduais:

  1. David Vieira da Silva, E.E.F. – Bairro Tibiquari.

Municipais:

Na primeira década do século XXI vários fatores fizeram com que unidades escolares fossem, aos poucos, sendo fechadas pelo Governo do Município.
Antes disso era comum a construção de unidades escolares, pela zona rural, simplesmente para servirem de cabide de emprego mas, nos últimos anos, com a mudança do perfil econômico do Município, muitas tiveram as sua atividades encerradas.

  1. Alfredo de Oliveira Lima, E.E.F. – Pedra Branca;
  2. Alfredo Jucá, E.E.F. – Mata Fria;
  3. Antônia Vieira Costa, E.E.F. – Sabonete;
  4. Antônio Aderaldo Severo, E.E.F. – Camará dos Aderaldos;
  5. Antônio Cândido da Silva, E.E.I. – Alto do Descanso;
  6. Antônio Cândido Filho, E.E.F. – Sítio dos Fernandes;
  7. Antônio Cirilo Lima, E.E.F. – Sussuarana;
  8. Antônio Inácio Paiva, E.E.F. – Sapoti;
  9. Antônio José da Silva, E.E.F. – Várzea Arara;
  10. Antônio Martins Maciel, E.E.F. – Cais;
  11. Antônio Patriolino do Vale, E.E.F. – Ramadinha;
  12. Antônio Rodrigues de Oliveira, E.E.F. – Papa Leite;
  13. Aureliano Epifânio de Almeida, E.E.F. – Poço da Pedra;
  14. Belarmino André do Nascimento, E.E.F. – Vila de Boqueirão;
  15. Belarmino Matias Carneiro, E.E.F. – Brasileira;
  16. Brígido Alves de Morais, E.E.F. – Facão;
  17. Casa da Educação, E.E.F. – Boa Viagem/Centro;
  18. Cesário Firmino do Nascimento, E.E.F. – Sítio dos Bezerras;
  19. Cloves Holanda de Oliveira, E.E.F. – Boa Ventura;
  20. Cristina Vieira Lima, E.E.F. – Santo Antônio;
  21. Damião Carneiro, E.E.F. – Currais Novos;
  22. Dr. Janival Almeida Vieira, E.A. – Palestina;
  23. Dr. Flávio Quintela, E.E.F. – Oiticica;
  24. Elpídio Pereira, E.E.F. – Boa Vista;
  25. Elvira Soares Campos, E.E.F. – Arara dos Francos;
  26. Ernesto Pereira de Sousa, E.E.F. – New York;
  27. Feliciano Ferreira de Araújo, E.E.F. – Batedor;
  28. Firmino Lopes Xavier, E.E.F. – Alto Grande;
  29. Francisco Alves da Silva, E.E.F. – Cachoeira dos Silvestres;
  30. Francisco Araújo Filho, E.E.F. – Fazenda Holanda;
  31. Francisco Balbino de Sousa, E.E.F. – Sibiró;
  32. Francisco Chagas, E.E.F. – Areias;
  33. Francisco de Assis Marinho, E.E.F. – Ponte;
  34. Francisco de Sousa Jales, E.E.F. – Ponta da Serra;
  35. Francisco Eusébio de Sousa, E.E.F. – Galileia;
  36. Francisco Ferreira Bié, E.E.F. – Belém dos Biés;
  37. Francisco Lourenço, E.E.F.  – Varzinha;
  38. Francisco Honorato da Silva, E.E.F. – Estreito;
  39. Francisco José Vieira, E.E.F. – Jordão;
  40. Francisco Marques da Silva, E.E.F. – Poço do Gado;
  41. Francisco Sales Facundo Severo, E.E.F. – Várzea da Cruz;
  42. Galdino Honorato da Silva, E.E.F. – Recreio;
  43. Gerardo Cesário da Silva, E.E.F. – Malhada dos Paus Brancos;
  44. João Camelo Barbosa, E.E.F. – Barra dos Currais Novos;
  45. João Carneiro Garcia, E.E.F. – Rodeador;
  46. João de Sousa Mota, E.E.F. – Cajueiro;
  47. João Bento de Sousa, E.E.F. – Longar;
  48. João Melquiades da Silva, E.E.F. – Olho d’Água;
  49. João Mota, E.E.F. – Anafuê;
  50. João Soares Lima, E.E.F. – São Jorge;
  51. João Vieira de Freitas, E.E.F. – Pocinhos;
  52. Joaquim Alves, E.E.F. – Divisão;
  53. Joaquim Mariano de Oliveira, E.E.F. – Arara dos Marianos;
  54. Joaquim Paulo dos Anjos, E.E.F. – Bom Socorro;
  55. José Angelim de Souza, E.E.F. – França dos Angelim;
  56. José da Silva, E.E.F. – Sítio;
  57. José Costa Filho, E.E.F. – Fazenda Nova;
  58. José Ferreira de Sousa, E.E.F. – Lages dos Sousas;
  59. José Onesiano do Vale, E.E.F. – Melancias;
  60. José Pereira Lima, E.E.F. – Barra do Rio;
  61. José Raimundo do Nascimento, E.E.F. – Luzia;
  62. José Sabino Soares, E.E.F. – Pocinhos;
  63. José Vicente Correia, E.E.F. – Ipu;
  64. José Vieira de Sousa, E.E.F. – Lázaro;
  65. José Vieira Filho, E.E.F. – Pereiros;
  66. José Vieira Filho, E.E.F. – Stº Antônio dos Simiões;
  67. Júlia Altina de Oliveira, E.E.F. – Almas;
  68. Luís Gonzaga dos Santos, E.E.F. – Trapiazeiro;
  69. Luíza Rocha Alves, E.E.F. – Cabeça do Boi;
  70. Luíza Maria da Silva, E.E.F. – Fazenda Salgadinho;
  71. Mãe Maria, E.E.I. – Vila de Águas Belas;
  72. Manoel Alberto da Costa, E.E.F. – Domingos da Costa;
  73. Manoel Alves Terceiro, E.E.F. – Cachoeirinha;
  74. Manoel Francisco de Lima, E.E.F. – Caraúbas;
  75. Manoel Maria de Jesus, E.E.F. – Cachoeira dos Fragoso;
  76. Maria Dias Cavalcante Vieira, E.E.F. – Pitombeira;
  77. Maria Pereira da Conceição, E.E.F. – Camará dos Pereiras;
  78. Marcelo Facundo Carneiro, E.E.F. – Boa Esperança;
  79. Martinho José da Silva, E.E.F. – Pitombeira;
  80. Minhas Primeiras Letras, E.E.I. – Santa Terezinha.
  81. Moisés Alves de Lima, E.E.F. – Santa Maria;
  82. Neuza Guedes Campos Barros, E.E.F. – Boqueirão;
  83. Nossa Senhora da Boa Viagem, E.E.F. – Riacho do Meio;
  84. Nossa Senhora de Fátima, E.E.F. – Poço do Boi;
  85. Odília Monteiro, E.E.F. – Alto do Descanso;
  86. Pedro Pereira de Araújo, E.E.F. – São Bento;
  87. Pedro Sabino de Araújo, E.E.F. – Vertentes;
  88. Pe. Paulo de Almeida Medeiros, E.E.F. – Aniceto;
  89. Raimundo Alves Campos E.E.F. – Riacho Verde;
  90. Raimundo Costa Vieira, E.E.F. – Boa Fé;
  91. Raimundo da Luz Lopes, E.E.F. – Santana;
  92. Raimundo Fausto de Melo, E.E.F. – Riacho da Boa Sorte;
  93. Raimundo Saraiva Queiroz. E.E.F. – Riacho dos Porcos;
  94. Santa Rosa, E.E.F. – Campina;
  95. São Francisco, E.E.F. – Longar;
  96. São João, E.E.F. – São João;
  97. São Raimundo, E.E.F. – Passagem;
  98. Sebastião Alves da Silva, E.E.F. – Sítio;
  99. Silvana da Silva Lourenço, E.E.F. – Poço d’Água;
  100. Sebastião de Paiva Roriz, E.E.F. – Gurupi;
  101. Teotônio Nunes de Oliveira, E.E.F. – Tourão;
  102. Urculino José do Nascimento, E.E.F. – Alto Alegre;
  103. Vicente Rodrigues da Fonseca, E.E.F. – Saco.