A ECONOMIA DO MUNICÍPIO DE BOA VIAGEM

AS INFORMAÇÕES BÁSICAS:

A economia consiste na análise da produção, distribuição e consumo de bens e serviços de uma região, sendo um ramo de estudo que tenta construir um conhecimento sistematizado sobre o assunto para compreender determinados problemas e apresentar possíveis soluções.

Imagem da Oficina Neto Car Auto Center, em 2017.

Como é fácil de perceber, por conta da falta de informações precisas dos canais oficiais, não é uma tarefa simples fornecer um estudo apurado sobre à economia do Município de Boa Viagem, pois ela é muito diversa.
Nesse mesmo sentido ela não pode ser medida apenas por ela mesma, sendo necessário compreender o ambiente, as pessoas envolvidas e os meios de sua produção.

A POLITICA LOCAL E A SUA FALTA DE PLANEJAMENTO:

Ao aproximar-se de seu segundo centenário o Município de Boa Viagem precisa se integrar cada vez mais na economia regional, que já está conectada com a global, algo que acelerará o seu desenvolvimento para diminuir as suas disparidades sociais, mas para que isso ocorra é necessário que exista uma integração entre economia, planejamento e vontade política dos governantes.
Diante desse quadro percebemos com tristeza que isso irá demorar muito tempo, pois as nossas principais lideranças políticas não voltam os seus olhos para além dos seus interesses, tratando literalmente o bem público como algo pessoal, sendo o patrimonialismo e o clientelismo a chave para chegar e permanecer no poder.
Essas lideranças, quando em seus governos, a maioria de seus atos administrativos estão comprometidos apenas com a rotina burocrática e em favorecer financeiramente aos seus aliados, não existindo um plano de continuidade naquilo que é feito pela máquina pública em favor da coletividade.

“Existe em nosso Município uma queda de braço invisível entre os poderes, que firmam acordos e negociam cargos de confiança, na esfera do Poder Executivo, em troca de chantagens e de sustentação política. Alguns vereadores, que buscam mais evidência, insistem em querer exercer as obrigações que são do Poder Executivo em troca de favores e de vantagens que impedem as ações do gestor, que, sem opção, é obrigado a ceder… Em Boa Viagem, por incrível que pareça, as amizades e até os vínculos familiares são condicionados pelas posições políticas tomadas, sendo a capacidade profissional do sujeito medida pela quantidade de votos que ele consegue reunir.” (SILVA JÚNIOR, 2015: p. 168-169)

Ao assumir o comando do Governo Municipal geralmente o primeiro compromisso dessas lideranças políticas é em desarticular a máquina administrativa ocupada pelos vencidos na pugna eleitoral, muitas vezes colocando pessoas sem capacidade técnica ou operacional em pontos chaves de sua administração para dar continuidade naquilo que estava dando certo na gestão anterior.
Esse circulo vicioso costuma se repetir porque para a maioria do povo de Boa Viagem os bons governos são medidos apenas pela quantidade de obras públicas realizadas e não pelo bom funcionamento dessas mesmas obras.
Diante desse fato, sem um plano de governo pautado na continuidade, algumas administrações investem na destruição daquilo que foi deixado por seus antecessores, algo que custa muito caro ao erário.
Sem um planejamento a longo prazo, com esse e outros problemas, não existe preocupação política com o futuro, algo que dificulta na inserção do Município de Boa Viagem na engrenagem econômica planejada pelo governo do Estado.

A EDUCAÇÃO E A ECONOMIA:

A educação funciona como polo indutor do desenvolvimento econômico de qualquer região do país, diante disso, considerando o fato de que a base de sustentação familiar local está na agricultura e na pecuária, esse deveria ter sido o campo primário de investimentos do governo na educação formal do povo desde bem cedo.
Com essa afirmação não queremos desmerecer os outros campos de estudos e profissionalização, mas é o conhecimento dos modos da agricultura, da pecuária e da boa convivência com o meio ambiente que darão o suporte necessário para a implantação e o desenvolvimento de outras atividades da economia local.
É comum ouvir nessa região que “o melhor prefeito para o Município de Boa Viagem é o inverno”, uma boa quadra chuvosa é vital para manutenção de sua economia, todos sabem ainda que nunca vamos nos livraremos da seca e o grande desafio é conviver com ela.
Diante desse fato o Município de Boa Viagem já teve a oportunidade de construir um roteiro para sua educação pautada em sua matriz econômica nos três níveis de ensino – fundamental, médio e superior, mas essa oportunidade nascente foi lamentavelmente descartada logo em sua base.

Imagem da Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, em 2008.

Antes de tratarmos diretamente desse assunto devemos lembrar que a primeira escola de ensino profissionalizante existente na cidade de Boa Viagem foi a Escola de Ensino Médio Dom Terceiro, que a partir de 1968 teve em sua grade a oferta dos cursos científico, contabilidade e magistério.
Esses cursos não foram implantados de uma só vez, sendo o de magistério o primeiro deles, quando era de vital importância a formação de professores, pois tinham como missão diminuir o alto índice de analfabetismo existente na região.
Já o curso de contabilidade preparava os seus alunos para servirem na indústria e no comércio, enquanto o científico preparava aqueles que pretendiam ingressar no nível superior, algo alcançado por pouquíssimos estudantes.
Os cursos mencionados continuaram a ser ofertados pela aludida escola até os primeiros anos de 2000, quando ocorreu uma nova configuração no sistema nacional de ensino e foram extintos.
Antes disso, em 1992, ocorreu a implantação da Escola Agrotécnica Dr. Janival Almeida Vieira, que inicialmente visava atender prioritariamente aos filhos dos agricultores da região fornecendo-lhes um lastro curricular no ensino fundamental concomitante com o conhecimento de técnicas agrícolas, algo a ser complementado no ensino médio.
Esses estudantes, que recebiam atenção em dois turnos, diariamente retornavam para os seus lares e compartilhavam com os seus pais os conhecimentos técnicos adquiridos, existindo a curto prazo a possibilidade em tornar as suas propriedades em locais de produção mais eficientes.

“Essa escola agrícola, semelhantemente a todas as outras que foram construídas em sua época, tinha por objetivo qualificar profissionalmente jovens estudantes para atuação na área de produção rural, sendo projetada para atender aos anseios da população rural quanto à educação técnica.” (SILVA JÚNIOR, 2015: Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/escola-agricola-dr-janival-de-almeida-vieira/. Acesso no dia 24 de novembro de 2020)

Nesse período, por conta de uma grave crise política local que culminou em um doloroso processo de impeachment, esse projeto foi deliberadamente colocado de lado até que, nos primeiros meses de 2004, inexistindo políticas que agregassem à educação ao campo, o Governo Municipal desativou essa unidade de ensino, atitude pouco contestada pelo povo.
Pouco tempo antes desse fato, o Governo do Estado investiu na implantação do CVT – o Centro Vocacional Tecnológico Dr. César Cals de Oliveira Filho, unidade de ensino que investiu na promoção de cursos rápidos de cabeleireiro, eletricista, informática, mecânica e outros, algo que favoreceu a região com o aumento de prestadores desses serviços.
Mais tarde, em 16 de março de 2009, foi a vez da implantação da Escola Estadual de Educação Profissional Venceslau Vieira Batista, que entre os seus cursos deveria ter ofertado algo no campo da agricultura e da pecuária, indubitável esteio econômico da região.
Nessa ocasião foram implantados os cursos de administração, enfermagem, finanças e comércio, informática e nutrição, algo que gerou certa perplexidade da comunidade pela inexistência de mercado de trabalho de algumas dessas áreas.

Imagem do IFCE de Boa Viagem, em 2018.

Pouco tempo depois, no segundo semestre de 2011, o Município de Boa Viagem recebeu a notícia da implantação do IFCE, – o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, algo que finalmente ocorreu no primeiro semestre de 2017.
Ao ser implantado, seguindo a vocação econômica da região, essa unidade de ensino colocou em sua grade os cursos de técnico em agropecuária, técnico em rede de computadores e o curso de licenciatura em química.

OS AGENTES FINANCEIROS DE SUA ECONOMIA:

O Município de Boa Viagem desponta em sua região como local onde importantes agentes financeiros se estabeleceram, prestando serviço também para os moradores dos Municípios de Madalena, Monsenhor Tabosa e Pedra Branca, sendo eles:

  1. Caixa Econômica Federal;
  2. Banco do Brasil;
  3. Banco do Nordeste do Brasil;
  4. O Banco Santander;
  5. Bradesco.

Entre esses agentes financeiros existem bancos públicos e privados, sendo eles comerciais, mistos e de desenvolvimento, além de duas lotéricas.

AS ESTRADAS E A SUA IMPORTÂNCIA PARA NOSSA ECONOMIA: 

Estando localizado no Sertão do Estado do Ceará a região onde se encontra o Município de Boa Viagem é um local classificado por alguns altores como o “coração seco”, onde a maioria de sua população vive da agricultura familiar e das transferências sociais fornecidas pelo governo, um fenômeno classificado como “economia sem produção”.

“A seca é um dos traços mais marcantes, ainda hoje bem vivo, que pesa na definição da própria sorte do Ceará e do cearense. Ela molda o espaço: muitas cidades surgem em volta de açudes; traz a diáspora: o cearense se dispersa no Norte e no Sudeste; eterniza a pobreza: as soluções sõo apenas paliativas, o caboclo, no interior, continua a praticar a mesma agricultura de baixa produtividade dos seus ancestrais; só beneficia a elite, por meio da ‘indústria da seca’; e, emfim, o seu combate – muitas vezes, reforça – o sistema socioeconômico injusto que temos até hoje.” (FERREIRA LIMA, 2008: p. 71-72)

Enfrentando esse grave problema, especialmente nos anos em que existem bons invernos, o escoamento daquilo que é produzido e consumido nessa região depende de suas estradas, que são de vital importância para o desenvolvimento.

“As rodovias que cortam o Município de Boa Viagem estão classificadas em três tipos, a principal, que é a BR; as secundárias, que são as CE’s, e as terciárias, que são as BV’s. As três esferas do Poder Executivo compartilham das responsabilidades sobre as rodovias que cortam o seu território.” (SILVA JÚNIOR, 2015: A Potencialidade Viária do Município de Boa Viagem. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/categoria/acesso/. Acesso no dia 12 de maio de 2020)

Em sua divisão clássica a economia do Município de Boa Viagem está dividida em três setores, que são o primário, o secundário e o terciário, lembrando que existem outras formas de classificar esse setor.

O SETOR PRIMÁRIO:

Os produtos do setor primário são aqueles que são considerados como matérias-primas e são levadas para às indústrias no intuito de serem transformadas em produtos industrializados. As atividades que mais se destacam nesse setor incluem a agricultura, a pesca, a pecuária e a mineração em geral.

Imagem de uma família de agricultores do Município de Boa Viagem, início da década de 1970.

As indústrias em sentido diversificado, que agregam, embalam, empacotam, purificam ou processam as matérias-primas dos produtores primários, normalmente se consideram parte deste setor, especialmente se a matéria-prima é inadequada para à venda, ou difícil de transportar para longas distâncias.
Segundo a nomenclatura econômica, o “setor primário” é composto de seis atividades econômicas: agricultura, pecuária, extrativismo vegetal, caça, pesca e mineração.

AS REPRESENTAÇÕES DE CLASSE DESSE SETOR:

No Município de Boa Viagem existem grupos organizados que servem para defender os interesses de classe dos trabalhadores desse setor, conheça alguns deles:

  1. A Associação dos Pescadores de Boa Viagem;
  2. A Federação das Associações de Boa Viagem;
  3. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais da Agricultura Familiar de Boa Viagem;
  4. Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Boa Viagem.

OS MINÉRIOS EXPLORADOS NO MUNICÍPIO:

O minério geralmente é um agregado de rochas rico em um determinado mineral ou elemento químico que é economicamente e tecnologicamente viável para extração.
Esse minério pode ser uma rocha, sedimento ou solo, sendo o solo do Município de Boa Viagem rico nos seguintes minerais: água, areia, argila, basalto, dolomita, ferro, granito, mármore entre outros.

“Três tipos de solos caracterizam a camada superficial do relevo: Bruno não cálcico – Solo caracterizado pela profundidade moderada, em solo argiloso e altamente fértil. Brunizem avermelhado – É também um solo argiloso e moderadamente profundo. Vertisol – Solo argiloso caracterizado pela concentração e expansão da massa do solo, consequência da umidade e da secagem pela presença irregular das chuvas. Este Município é privilegiado com algumas riquezas naturais, destacam-se: Mármore – Há, na localidade de Fazenda Nova, uma jazida de mármore, sendo pouco explorada… Pedra granito – Encontra-se na ‘Fazenda Serrote’, à vista da cidade, uma valiosa pedreira de granito. Sua exploração se dá em forma de brita, pedrisco e areia… Calcário – Existe, no Estreito, uma preciosa jazida de pedra calcária (dolomita).” (NASCIMENTO, 2002: p. 31 – 32)

É importante destacar que encontramos, em grande parte do Município de Boa Viagem, formações de rochas calcárias.

  • Água:

Em acordo com o Decreto-Lei nº 7.841, de 8 de agosto de 1945, água mineral é aquela proveniente de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas que possuam composição química ou propriedades físicas ou físico-químicas distintas das águas comuns, com características que lhe confira uma ação medicamentosa.
No Município de Boa Viagem colocamos em destaque duas empresas nesse setor, que ao mesmo tempo exploram e envasam esse minério:

  1. Fábrica de Águas Envasadas Santa Mara;
  2. Fábrica de Águas Envasadas Vitória.
  • Areia:

Esse minério, que em sua maior parte é extraído do leito do Rio Juazeiro, é utilizado nas obras de engenharia civil, aterros, execução de argamassas e concretos. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque a seguinte empresa:

  1. Mineradora Juazeiro.

O SETOR SECUNDÁRIO:

O setor secundário é o setor da economia que transforma a matéria-prima, que são extraídos ou produzidos pelo setor primário, em produtos de consumo, ou em máquinas a serem utilizadas por outros estabelecimentos do setor secundário.

Imagem da Indústria Cearense de Tintas, em 2016.

Esse setor, geralmente, apresenta porcentagens bastante relevantes nas sociedades desenvolvidas, sendo nele, onde podemos dizer, que a matéria-prima é transformada em um produto manufaturado.
Em acordo com a pesquisa do Professor Cícero Pinto do Nascimento, realizada em 2002, temos dimensão da variedade de produtos produzidos na cidade de Boa Viagem:

“Supercor – Tintas do Nordeste LTDA. ‘Produz supercal e tinta em pó hidrossolúvel, produtos vendidos para o Ceará, Piauí, Maranhão, Pernambuco, Bahia, Pará, Paraíba e outros Estados… Carneiro Pré-moldados – Fabrica combogós, manilhas, anéis, bloquetes, laje, valterrana e estacas. Esses produtos são vendidos em Boa Viagem para Madalena, Monsenhor Tabosa, Itatira, Tauá e Fortaleza… Temos, também, cinco microempresas de calçados, oito de confecções e oito serrarias.” (NASCIMENTO, 2002: p. 37 – 38)

Vale destacar que nesse setor a indústria, a construção civil, o fornecimento de água e a eletricidade são atividades de vital importância.

AS PRINCIPAIS INDÚSTRIAS DESSE SETOR:

A indústria é uma atividade econômica surgida na Primeira Revolução Industrial, no fim do século XVIII e início do século XIX, na Inglaterra, e que tem por finalidade transformar matéria-prima em produtos comercializáveis, utilizando para isto força humana, máquinas e energia.

Imagem da linha de produção da Fábrica Terra Quente, em 2014.

No Município de Boa Viagem destacamos a existência das seguintes empresas por setor de produção:

  • Alimentos:

O alimento é toda substância utilizada pelos seres vivos como fonte de matéria e energia para poderem realizar as suas funções vitais, incluindo o crescimento, movimento e reprodução. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. A Fábrica de Águas Envasadas Santa Mara;
  2. A Fábrica de Águas Envasadas Vitória;
  3. Fábrica de Polpas NAT-FRUT;
  4. Fábrica de Rações Concentradas Os Irmãozinhos;
  5. A Padaria Nosso Pão;
  6. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto;
  7. Triunfo Agroindustrial.
  • Calçados:

A indústria de calçado é a atividade industrial envolvida na fabricação de calçados, como sapatos, chuteiras, sandálias, chinelos, tênis, botas, galochas e outros. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. A Fábrica de Calçados Daotoque;
  2. Fábrica de Calçados Madry;
  3. A Fábrica de Calçados Ponte New;
  4. Fábrica de Calçados Terra Quente;
  5. A Fábrica de Chuteiras Dribley.
  • Energia Elétrica:

No Brasil não existe uma concorrência nesse setor, competindo ao concessionário autorização do governo para fazer a sua distribuição, constituindo-se em um monopólio.

  1. Subestação de Energia Elétrica da COELCE.
  • Material de Construção:

O material de construção é o nome genérico que designa diversos produtos utilizados na construção civil. A maioria dos materiais de construção é utilizada exclusivamente na construção civil, como o cimento, mas alguns têm usos mais variados, como a cal e as tintas. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. A Carneiro Pré-moldados;
  2. Cerâmica Boa Viagem;
  3. A Bella Cerâmica O Baiano;
  4. O Fernando Pré-moldados;
  5. Indústria Cearense de Tintas;
  6. A JM Mármores e Granitos;
  7. Pedreira Natasha;
  8. A Synthetic Indústria e Comércio de Mármores.

AS EMPRESAS DESATIVADAS:

Em todos os ramos de negócio existem empresas que não resistem às crises econômicas ou a más administrações, algo ruim para economia local, pois gera desemprego e desconfiança na praça. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. Boa Viagem Agroindustrial – BAISA;
  2. A Fábrica de Doces DAKI;
  3. A Fábrica de Rações Vieira;
  4. A Padaria Santos Dumont;
  5. Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro – SANBRA.

O SETOR TERCIÁRIO:

O setor terciário, também conhecido como o de serviços, no contexto da economia, envolve a comercialização de produtos em geral, e o oferecimento de serviços comerciais, pessoais ou comunitários a terceiros.

Imagem da Motocedro Comercial de Motos LTDA, em 2011.

Sobre o funcionamento do comércio, através da lei nº 88, do dia 7 de abril de 1967, na gestão do Prefeito José Vieira Filho, o Mazinho, por meio do Vereador João Inácio de Sousa, a Câmara Municipal de Vereadores estabeleceu como norma o seu fechamento nos dias de domingo, salvo em duas datas específicas:

“Parágrafo único: Quando os dias de Natal e Ano Novo caírem no dia de domingo é facultado ao comércio funcionar.”

Ainda nesse setor, vale a pena destacar que para inibir a prática de assaltos, na gestão do Prefeito Dr. Fernando Antônio Vieira Assef, proposição do Vereador Ezaú Fragoso da Silva, a Câmara de Vereadores de Boa Viagem aprovou a lei nº 1.211, de 18 de agosto de 2014, que diz o seguinte:

“Art. 1. Fica proibida a entrada e a permanência de pessoas usando capacetes ou equipamento similar, que oculte a face, nas dependências de órgãos públicos e em estabelecimentos privados de qualquer ramo de atividade.
§ 1. Para efeito da aplicação do disposto no caput deste artigo, entende-se o uso do capacete ou equipamentos similares que ocultem a face, que impeçam ou dificultem, parcial ou totalmente, a identificação da pessoa.
§ 2. Nos postos de combustíveis, o condutor ou passageiro de motocicleta, motoneta, ciclomotor ou bicicleta elétrica deverão retirá-lo imediatamente ao entrar no local e estacionar, parar ou qualquer ato de imobilizar  o veículo.
Art. 2. Os estabelecimentos públicos e privados deverão afixar placas ou cartazes informativos nas áreas externas e internas, em locais de fácil acesso, preferencialmente na entrada e na saída, que permita de pronto a clara visualização, contendo, além do número desta lei, a frase: ‘É PROIBIDO O ACESSO OU PERMANÊNCIA DE PESSOA UTILIZANDO CAPACETE OU QUALQUER OBJETO SIMILAR, QUE IMPEÇA OU DIFICULTE A SUA IDENTIFICAÇÃO’.
Art. 3. A resistência do usuário de capacete em não retirá-lo, nos locais específicos dessa lei, implicara na desobrigação para seu atendimento, cabendo ao responsável pelo estabelecimento, por medida de segurança, acionar a polícia.
Parágrafo Único: A negativa de atendimento ao cliente de que trata o caput deste artigo, não enseja qualquer forma de discriminação ou preconceito.”

Mesmo com essa legislação, os comerciantes não divulgam essa importante e simples ferramenta de segurança, sendo comum encontrar clientes dentro dos comércios com o capacete na cabeça infringindo a lei.

A REPRESENTAÇÃO DE CLASSE DESSE SETOR:

No Município de Boa Viagem existe uma agremiação organizada que serve para defender os interesses de classe dos empresários desse setor, sendo ela:

  1. A Câmara de Dirigentes Lojistas de Boa Viagem.

A Câmara de Dirigentes Lojistas, também conhecida pela sigla CDL, é uma associação de lojistas, criada no Brasil para defender e prover serviços aos seus representantes de classe.
Um dos principais serviços dessa agremiação e oferecer aos lojistas o SPC, o Serviço de Proteção ao Crédito. Em acordo com a pesquisa do Professor Cícero Pinto do Nascimento, realizada em 2002, temos uma pequena dimensão dessa agremiação:

“Existem, atualmente, quatrocentos e cinquenta estabelecimentos comerciais registrados no setor de arrecadação e fiscalização da Prefeitura Municipal, apresentando-se da seguinte forma: doze atacadistas e quatrocentos e trinta e oito varejistas, além de outros tipos, como churrascaria, sorveteria, lanchonete, etc. Vale destacar a existência da Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL – implantada em 24 de abril de 1996, com dezesseis comerciantes associados. Hoje conta com cem associados.” (NASCIMENTO, 2002: p. 36 – 37)

Como é fácil de perceber, em 2018, quinze anos depois da realização dessa importante pesquisa, esses dados já estão bastante modificados.

AS PRINCIPAIS EMPRESAS DESSE SETOR:

Uma empresa exerce atividade econômica por meio da articulação dos fatores produtivos para a produção ou circulação de bens ou de serviços. Nesse campo da economia destacamos os seguintes setores:

  • Combustíveis:

Um posto de combustíveis são instalações que vendem combustíveis e lubrificantes para veículos a motor, prestando também outros tipos de serviços. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. O Posto Carneiro;
  2. O Posto Completo/Shell;
  3. Posto Fragoso;
  4. Posto Freitas;
  5. Posto Ibuaçu;
  6. Posto Ipiranga;
  7. O Posto Jacampari;
  8. O Posto Nossa Srª da Guia;
  9. Posto O Brasileiro;
  10. Posto Uirapuru/ALE.
  • Concessionárias:

Uma concessionária de veículos é uma empresa que possui a permissão do fabricante para vender, prestar assistência técnica aos compradores e utilizar a marca do fabricante. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque a seguinte empresa:

  1. A Motocedro.
  • Cosméticos:

Nos últimos anos o Município de Boa Viagem vem ganhando destaque no cenário econômico do Estado do Ceará nesse setor por conta da implantação de uma distribuidora de higiene e estética pessoal, possuindo também algumas empresas que vendem no varejo, sendo elas:

  1. Distribuidora Ruty Cosméticos;
  2. O Boticário.
  • Educação:

Na cidade de Boa Viagem existem duas escolas da rede privada, algumas extensões universitárias e ocasionalmente aparecem o oferecimento de cursos de formação e aperfeiçoamento profissional.

Escolas:

  1. Ginásio Valdemar Alcântara;
  2. Instituto de Educação Paulo Moody Davidson.

Extensões Universitárias:

  1. Universidade Anhanguera Uniderp;
  2. Faculdade Educacional da Lapa – Fael.
  • Farmácias:

Na cidade de Boa Viagem existem dois tipos de farmácias, as humanas e as veterinárias, sendo que nenhuma delas trabalha com manipulação de medicamentos, são elas:

Humanas:

  1. A Biofarma;
  2. A Farmácia do Trabalhador do Brasil;
  3. A Farmácia Pague Menos;
  4. A Farmácia Paratodos;
  5. A Farmácia Primor;
  6. A Farmácia Progresso;
  7. A Farmácia Sertão Central.

Veterinárias:

  1. A Farmácia Casa do Produtor;
  2. A Farmácia Lobo do Sertão;
  3. A Farmácia Primor;
  4. A Farmácia Sertão Agropecuária;
  5. A Farmavet.
  • Instituições Financeiras:

Os bancos são instituições financeiras intermediárias entre os agentes superavitários e os agentes deficitários que possuem a função de captar os recursos dos superavitários e emprestá-los a juros aos deficitários, gerando uma margem de ganho.

Imagem da agência do Banco do Brasil de Boa Viagem, em 2011.

Todo banco, público ou privado, apresenta estas características, possuindo também outras funções, sendo elas: depositar capital em formas de poupança, financiar automóveis e casas, trocar moedas internacionais, realizar pagamentos, entre outros. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque os seguintes bancos:

  1. A Caixa Econômica Federal;
  2. O Banco do Brasil;
  3. O Banco do Nordeste do Brasil;
  4. O Banco Santander;
  5. O Bradesco.

Destacamos também nesse setor a existência de duas lotéricas, que comercializam as loterias s produtos assemelhados, atuando na prestação de todos os serviços delegados pela Caixa Econômica Federal.

  1. A Lotérica Boa Sorte;
  2. A Lotérica Leão do Norte.
  • Móveis e Eletrodomésticos:

No Município de Boa Viagem existem várias empresas que atuam no segmento de mercado de venda de móveis e aparelhos eletrodomésticos, entre eles destacamos:

  1. A Casa Vieira;
  2. A Edinaldo Móveis;
  3. A Eudênia Móveis;
  4. A MACAVI;
  5. A Maranata Móveis;
  6. A Marcos Eletro;
  7. A Shop Móveis;
  8. A Tropical Magazine.
  • Material de Construção:

O material de construção é o nome genérico que designa diversos produtos utilizados na construção civil. A maioria dos materiais de construção é utilizada exclusivamente na construção civil, como o cimento, mas alguns têm usos mais variados, como a cal e tintas. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. A Carly Construção;
  2. A Carneiro Construções;
  3. A Casa do Cimento;
  4. A Jurandir Construções;
  5. A Madeireira o Tadeu;
  6. A Madeireira o Toinho;
  7. O Márcio Construções.

AS EMPRESAS DESATIVADAS:

Em todos os ramos de negócio existem empresas que não resistem às crises econômicas ou a más administrações, algo ruim para economia local, pois gera desemprego e desconfiança na praça. No Município de Boa Viagem colocamos em destaque as seguintes empresas:

  1. A Casa das Ferragens;
  2. A Eletrocentral;
  3. A FAMOL;
  4. A Guia Veículos.

BIBLIOGRAFIA:

  1. FERREIRA LIMA, Antônio Cláudio. A Construção do Ceará: Temas de história econômica. Fortaleza: Instituto Albanisa Sarasate, 2008.
  2. FRANCO, G. A.; CAVALCANTE VIEIRA, M. D. Boa Viagem, Conhecer, Amar e Defender. Fortaleza: LCR, 2007.
  3. NASCIMENTO, Cícero Pinto do. Memórias de Minha Terra. Fortaleza: Encaixe, 2002.
  4. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Andarilhos do Sertão: A Chegada e a Instalação do Protestantismo em Boa Viagem. Boa Viagem, CE: Premius, 2015.
  5. SILVA JÚNIOR, Eliel Rafael da. Escola Agrotécnica Dr. Janival Almeida Vieira. Disponível em http://www.historiadeboaviagem.com.br/escola-agricola-dr-janival-de-almeida-vieira/. Acesso no dia 24 de novembro de 2020.