Bento Vieira de Lima

Bento Vieira de LimaBento Vieira de Lima nasceu no dia 21 de março de 1915 no Município de Brejo dos Santos, que está localizado no Sertão paraibano, distante 449 quilômetros da cidade de João Pessoa, sendo filho de Quintiliano Vieira Lima e de Felisbela Vieira de Freitas.
Os seus avós paternos se chamavam Francisco Pereira de Lima e Maria Vieira de Jesus, já os maternos eram Pedro Vieira Carneiro e Maria Floriana de Morais.
Na época do seu nascimento, veio ao mundo pelas mãos de uma parteira nas proximidades da vila de Brejo dos Santos, que nesse período era conhecida pelo topônimo de “Brejo dos Cavalos”, sendo uma pequena localidade rural pertencente ao Município de Catolé do Rocha.
A mudança desse nome ocorreu por conta de uma grande onda de intolerância religiosa ocorrida nos últimos anos da década de 1930, na mesma época em que ocorria grandes transformações em sua vida.

“A Igreja Evangélica Congregacional instalou-se nesse  Município em 1928. O pastor era o Rev Henry Briault, de nacionalidade inglesa, que trabalhou, de certo modo, pelo progresso do lugar. Pelos anos de 1937 a 1939, as duas forças religiosas do lugar tiveram divergências, desentendimento este que gerou até violência.”  (IBGE: A história de Brejo dos Santos. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/brejo-dos-santos/historico. Acesso no dia 24 de fevereiro de 2018)

Algum tempo antes disso, em 1924, depois de receber a agradável visita de um de seus irmãos e também motivado por problemas que aconteciam no seio de sua família, acompanhou aos seus pais, que haviam decidido migrar para o Município de Boa Viagem, localizado no Sertão do Estado do Ceará.
Esse irmão, que se chamava José Vieira de Lima, havia contraído núpcias com a filha de um importante agropecuarista dessa região, Theóphfilo da Costa Oliveira, que vendeu uma propriedade, denominada de Fazenda Santo Antônio, aos seus pais:

“Quintiliano Vieira Lima chegou ao Município de Boa Viagem, com toda a sua família, no dia 24 de dezembro de 1925, e no dia seguinte, após a missa, partiram para a sua nova propriedade.” (SILVA JÚNIOR, 2015: p. 177)

Mais tarde, contraiu núpcias com a cunhada de seu irmão, que se chamava Antônia Maria de Lima, conhecida pelo apelido de “Milita”, que era nascida no dia 10 de maio de 1914, sendo filha de Theóphfilo da Costa Oliveira com Francisca Juliana da Conceição.
Desse casamento foram gerados dez filhos, cinco mulheres e cinco homens, sendo eles: Hilta Maria da Silva, José Vieira de Lima, Zenaide Maria de Lima, Zeraide Maria de Lima, Francisca das Chagas Vieira, Francisco de Oliveira Lima, Francisco Oliveira Lima, Francisca Vieira de Lima, Francisco Jonas de Oliveira Vieira e Francisca Felisbela de Lima.
Nos últimos meses de 1952, por conta das estiagens, desejando melhores condições de vida para a sua família, decidiu migrar para o Município de Itaporã, na época pertencente ao Estado de Mato Grosso, onde com esforço conseguiu construir um pequeno patrimônio.
Pouco tempo depois, nos últimos anos da década de 1960, mesmo distante do Nordeste, partilhou com os seus familiares a sucessiva perda de vários entes queridos: no dia 2 de junho de 1966 foi a sua mãe; pouco tempo depois, no dia 27 de março de 1967, foi a vez de um de seus irmãos, José Vieira de Lima, e no dia 14 de novembro de 1968 foi a vez de seu pai.
Faleceu no Município de Dourados, na região Sudoeste do Estado do Mato Grosso do Sul, com apenas 59 anos de idade, no dia 28 de abril de 1974.
Logo após o seu falecimento, depois das despedidas fúnebres que são de costume, teve o seu corpo sepultado no Cemitério de Santo Antônio de Pádua, que está localizado na Rua Coronel Ponciano, s/nº, no Bairro Água Boa, na cidade de Dourados.
Algum tempo depois, os seus restos mortais foram transladados pelos seus familiares para o Cemitério das Primaveras, que está localizado na Avenida Senador Filinto Muller, nº 2.211, Bairro Parati, na cidade de Campo Grande.

HOMENAGEM PÓSTUMA:

  1. Em sua memória, na gestão do Prefeito Benjamim Alves da Silva, através da lei nº 558, de 22 de maio de 1992, uma das ruas do Bairro Várzea do Canto, na cidade de Boa Viagem, recebeu a sua nomenclatura.